0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 16 fev 2019

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Reprodução do site da CDL

Setor de hipermercados puxou alta

As vendas do varejo acumularam alta de 2,3% em 2018. Foi o melhor resultado para o setor desde 2013, quando havia crescido 4,3%.

Os dados foram divulgados nesta 4ª feira (13.fev.2019) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Esse foi o 2º ano de resultado positivo no comércio. Mesmo com o avanço, o IBGE avalia que o crescimento acumulado nos últimos 2 anos não foi suficiente para recuperar a queda de 10,3% em 2015 e 2016.

A instituição coloca também que as vendas perderam fôlego no 2º semestre do ano passado. “Foi 1 semestre marcado pela alta do dólar, por incertezas diante do período eleitoral e pela recuperação da greve dos caminhoneiros”, explica a gerente da pesquisa, Isabella Nunes.

Em dezembro, o setor registrou queda de 2,2% frente a novembro, na série com ajuste sazonal. Já em relação a dezembro do ano anterior (série sem ajuste), o volume de vendas cresceu 0,6%.

3 ATIVIDADES PUXARAM ALTA 

Três das 8 atividades analisadas pelo IBGE registraram o maior impacto positivo sobre o resultado acumulado de 2018: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (3,8%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (7,6%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (5,9%).

O setor de equipamentos e material de escritório, informática e comunicação fechou o ano próximo da estabilidade, com alta de 0,1%.

A maior influência negativa, por outro lado, veio de combustíveis e lubrificantes (-5%). Na sequência, vêm tecidos, vestuário e calçados (-1,6%), móveis e eletrodomésticos (-1,3%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-14,7%).

Eis os resultados por atividade:

  • hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: 3,8%;
  • outros artigos de uso pessoal e doméstico: 7,6%;
  • artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos: 5,9%;
  • equipamentos e material de escritório, informática e comunicação: 0,1%;
  • de combustíveis e lubrificantes: -5%;
  • tecidos, vestuário e calçados: -1,6%;
  • móveis e eletrodomésticos: -1,3%;
  • livros, jornais, revistas e papelaria: -14,7%.

VAREJO AMPLIADO

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, as vendas subiram 5% em 2018 na comparação com o ano anterior.

Em dezembro, as vendas caíram 1,7% em relação a novembro (na série com ajuste sazonal). A média móvel trimestral recuou 0,3%.

Fonte: .poder360.com.br

Os comentários estão encerrados.