A cooperação e o voo interrompido das asas de cera

0

Publicado por Editor | Colocado em Cultura | Data: 12 abr 2014

Tags:, , ,

Por Nina Alvim

A cooperação é sem sombra qualquer de dúvida um excelente meio, quem sabe o mais importante dos meios, desde que esta esteja permanentemente alinhada a um fim.

xicara_asasSempre gostei  de histórias, estórias, alegorias, mitos, lendas, filosofia e por aí vai.

Saboreando o meu café, o pensamento viaja solto sobre o tema cooperação. Acho que deve ser porque ando precisando muito dela. Melhor dizendo, o mundo precisa de cooperação, quer seja aqui, quer seja ali, quer seja alhures.

Meu  pensamento viaja por mitos e filosofias que traduzem histórias e idéias sobre cooperação. Sobre o que ela  pode produzir, como pode produzir e porque ainda não a estabelecemos como fato consumado de nossa práxis.

E viajo na mitologia de Dédalo e Ícaro. Ela me dá indícios sobre o que pode promover cooperação  e sobre pontos de atenção necessários para que ela cumpra seu fim. Dédalo e Ícaro foram aprisionados pelo rei de Creta em sua própria invenção: o labirinto. E para se livrarem dele se juntaram. Foi necessário cooperar para a criação de algo que os livrasse dali. Quão atual é essa atitude e alternativa! O juntar em cooperação para uma possível solução de problemas ou ainda a necessária união de esforços de agentes individuais com vistas à libertação e emancipação frente a forças despóticas e tiranas. Juntos – em um ato de cooperação –  inventaram e fizeram asas de cera. Saíram voando.

Tudo certo até aqui! Mas Ícaro ignorou o conselho de seu pai para que não alçasse vôo alto por conta do calor do sol, nem tão baixo, por conta da umidade. Subiu demais e teve suas asas derretidas pelo calor do sol. E aí está um aprendizado importante que essa estória nos conta. A certeza de que toda cooperação tem um modo de procedimento que lhe é conveniente. Reflito e chego a uma conclusão: a idéia da cooperação não é boa em si mesma, mas pode tornar-se boa se os cooperados agirem com vistas ao fim desejado, acordado e estabelecido entre os pares que se propuseram a cooperar. O desvio de Ícaro deu fim ao seu propósito. Alguma semelhança com os dias atuais?

A mitologia acordou-me para pontos de atenção diante dos meus movimentos de cooperação. A lição de que a cooperação é sem sombra qualquer de dúvida um excelente meio, quem sabe o mais importante dos meios, desde que esta esteja permanentemente alinhada a um fim.

Ah queridos, o café me acorda, hoje especificamente me acordou para os motivos que destoam as histórias de cooperação dos bons resultados que naturalmente ela alcançaria. Estamos assistindo todos os dias, em nossas próprias histórias, a exemplo das relações familiares, na história de coletivos, de nações, a exemplo da política, o esquecimento dos fins último da cooperação em proveito de prazeres escassos de percurso. Assistimos inertes a um modelo de cooperação que se degrada em sua própria estrutura.

Ah como gostaria de servir café para todos. O café que acorda para a reflexão e para verdades que sutilmente nos são tiradas. E enquanto isso… lá vamos nós pregando cooperação como se ela por si só, independente da postura de quem coopera, fosse boa por si mesmo.

Um brinde com café,  preciso  a-cor-dar.

 

Os comentários estão encerrados.