A vida passa, mas a história permanece

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 17 mar 2016

Tags:, ,

Por Alberto David

ALBERTO-DAVID BBEle é um importante empreendedor nesta cidade, ainda quando esta começava os primeiros passos e tinha como prefeito, na época, Gerson Salles. Emílio Vieira e Silva veio de Barra da Estiva. Chegando a Jacaracy , dos Davids, ali se apaixonou e casou-se com Zila, minha mãe. Segundo quem a conheceu, nesses tempos, se encantava com a sua beleza e, a título de curiosidade, foi a primeira mulher a dirigir automóvel em Vitória da Conquista. Ela sempre esteve à frente do seu tempo, mas isso é outra história.
Casados, vieram para esta cidade. Aqui Seu Emílio, como era chamado carinhosamente , trabalhou na Sapataria Conquista , onde fica o prédio da Caixa Econômica, atualmente. Ali aprendera a arte oficial de alfaiate e sapateiro, complementava seus proventos vendendo querosene e, com pouco tempo, instalou uma pequenina bomba manual que, ao ser acionada, puxava esse produto com facilidade. O local da venda ficava logo à frente da fabrica de sapatos.

A Sapataria Conquista, primeira fabrica de sapatos desta cidade, era de José da Silva Guimarães, padrasto de Emílio e figura impar, exímio tocador de violão, mestre em Português, jornalista e um dos primeiros espiritas conquistense. Voltando ao protagonista do assunto, Seu Emílio, com suas economias, comprou uma casa logo abaixo da sapataria e instalou a primeira bomba de gasolina, e assim nascia o concorrido e primeiro posto de gasolina com a bandeira da Shell. Esse posto abastecia a nata da cidade a começar pela prefeitura local. A partir daí, montou outras bombas com diesel que abasteciam os caminhões, responsáveis pelo transporte do gado por este Brasil a fora, e as primeiras empresas de ônibus. Trabalhei alguns anos no posto como bombeiro ( não se chamam mais bombeiros, são frentistas ) e gerente deste estabelecimento comercial de combustível.

O belo casal, oriundo de Jacaraci, teve seis filhos: Neuza , a caçula, que nos deixou, era bastante conhecida de todos, por ter fundado o Centro Espirita Marcelo David. Este, que deu nome ao centro, foi um dos sócios fundadores do Clube Social de Conquista, e nenhuma honra ao mérito recebeu, nenhum pedaço da placa com o seu nome… Parece brincadeira o que fazem daqueles que ajudam no progresso desta cidade. Figura muito conhecida, simples, quieto, um trabalhador. Se vivo estivesse, iria ficar pasmo com o crescimento de Conquista, a qual ele ajudou a construir, numa época em que nem existia a expressão empreendedor.

É importante ressaltar as figuras que desbravaram esta cidade, para que chegasse a tal respeito em nosso pais, mas, infelizmente, a memória de nossos políticos é curta, sendo preciso trazer à tona tal história ao nosso tempo, ainda que tarde, um reconhecimento que possa marcar aos empreendedores ausentes, a exemplo de um nome de rua, de uma praça , uma menção honrosa ou um título. Alguns apadrinhados ou que nada fizeram estão ai com as placas cravadas com os nomes de rua, alguns dados aleatoriamente ou por conveniência, equívocos ou lapsos de memória é uma “ trocação” de nomes, de se impressionar. Gente, que nome lindo, “Jardim das borboletas” !? Ninguém de bom senso poria o nome de alguém por mais distinto politico que fosse, não poderia ser trocado, quem não plantou , não colhe a exemplo do jardim seu nome, foi dado a quem não plantou uma rosa naquela praça, são mudanças equivocadas.

.Agora, faço uma pergunta aos historiadores e políticos desta terra. Quem foi Emílio Vieira e Silva?
Poucos sabem. .Não se constroem prédios sem os alicerces, uma casa sem a base, ou casas sem os primeiros tijolos. Atenção, Câmara de Vereadores, vamos prestigiar a esses homens desbravadores, verdadeiros responsáveis por Conquista ser hoje uma cidade das mais importantes do nosso país.

Os comentários estão encerrados.