Brasília: Herzem cobra apoio para barragem e aeroporto

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Brasil, Vit. da Conquista | Data: 27 set 2017

Tags:, , ,

da Redação
Fonte: Ascom Prefeitura (Conteúdo)

O projeto da barragem do Rio Pardo e as obras paralisadas do novo aeroporto de Vitória da Conquista foram tema da reunião do prefeito Herzem Gusmão com o ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, na tarde desta terça-feira, 26. A audiência ocorreu no Palácio do Planalto, em Brasília.

Na pauta da audiência, o prefeito apresentou demandas de suma importância para Conquista, discutindo sobre o abastecimento hídrico da cidade e o projeto para a construção da barragem e da adutora do Rio Pardo; sobre a continuidade das obras do novo aeroporto e a construção das vias de acesso e do viaduto na BR-116; e sobre políticas públicas para a juventude, apresentando o interesse do governo municipal para a implantação do Estação Juventude 2.0 na cidade.

“A grande preocupação de Conquista é a água. Com o governo do Estado, a barragem do Rio Catolé não sai do papel, e ela não vai resolver o nosso problema. Nosso problema vai ser resolvido definitivamente com a barragem do Rio Pardo, com capacidade para acumular mais de 400 milhões de m³ de água. Estamos aqui aproveitando a força política de Vitória da Conquista para apresentar esta demanda”, afirmou o prefeito.

Ao longo da reunião, o prefeito Herzem também falou sobre a paralisação das obras do novo aeroporto. “Estamos trabalhando para que a obra do aeroporto seja retomada. Teve uma interrupção dos repasses, que são recursos já destinados pelo Governo Federal, e contamos com o apoio dos nossos deputados e do governo federal para que Vitória da Conquista tenha seu aeroporto”, destacou.

No encontro, esteve presente o secretário de Assuntos Federativos da Presidência da República, Paulo Câmara, o ex-governador Nilo Coelho, o deputado federal Arthur Maia, o secretário municipal de Governo e chefe de gabinete, Marcos Ferreira, e o secretário de Infraestrutura, José Antônio Vieira.

Os comentários estão encerrados.