Candidatos à sucessão presidencial buscam vice com ficha limpa e voto

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Política | Data: 11 jan 2010

Tags:, , , ,

da Agência Estado

A menos de dez meses das eleições, todos os pré- candidatos à sucessão presidencial têm algo em comum. Nenhum deles conseguiu definir quem será seu vice. Nos casos do governador de São Paulo, o tucano José Serra, e da ministra da Casa Civil, a petista Dilma Rousseff, que aparecem nas primeiras posições nas pesquisas, a dificuldade não consiste apenas em encontrar vices que atraiam partidos aliados e tempo no horário de propaganda eleitoral.

Há também a preocupação que os escolhidos não venham a ser alvos de denúncias, produzindo desgaste para a campanha. Já os outros dois pré-candidatos, o deputado federal cearense Ciro Gomes (PSB) e a senadora Marina Silva (PV-AC) também não escolheram seus vices porque estão em outro momento de suas campanhas. Ciro sequer tem presença garantida na disputa. Embora apareça forte nas primeiras pesquisas de intenção de voto, poderá disputar o governo de São Paulo, caso essa seja a orientação do presidente Lula. Já Marina Silva prefere consolidar a própria candidatura.

Maior novidade na corrida eleitoral de 2010, a senadora rompeu com o PT, trocando a legenda pelo PV. Mas ainda é uma desconhecida da maioria do eleitorado brasileiro. Nos primeiros meses de trabalho eleitoral, preferiu centrar seus esforços na divulgação de seu nome e na formação de sua equipe. Entre os líderes da disputa, a escolha pelo vice se transformou num nó político. José Serra sonha em convencer o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), a aceitar o convite para ocupar a vaga.

Até agora, só tem ouvido não. Mas nunca fez o convite pessoalmente. Até porque Aécio era pré-candidato até o meio de dezembro. A questão é que Aécio já mandou todos os sinais, diretos e indiretos, afirmando que não aceitará o posto. Será candidato ao Senado, cuidará da campanha de seu vice, Antônio Anastasia (PSDB), ao governo de Minas Gerais e pedirá votos para Serra nos lugares onde ele desejar. Para os tucanos, Aécio seria a solução perfeita por agregar os votos de Minas (segundo colégio eleitoral do País) e para afastar o DEM, parceiro do PSDB na oposição.

O DEM terminou 2009 sob a sombra de escândalo, por conta da descoberta de um esquema de pagamento de propinas no Distrito Federal, envolvendo o único governador do partido, José Roberto Arruda, alguns de seus secretários e parlamentares da base aliada. Mesmo com a saída de Arruda da legenda, a associação direta com o DEM ainda é vista como um problema político para a campanha. Por isso, os tucanos sonham com uma mudança de ideia de Aécio. Do contrário, já ouviram da cúpula do DEM que a vaga de vice terá de ser ocupada por um indicado do partido.

A ameaça nem preocupa tanto Serra ou o PSDB, que sabem que o DEM estará junto na campanha indicando o vice ou não. O problema é que os tucanos não têm hoje nenhum plano B como alternativa à indicação de Aécio Neves. Por isso, podem até aceitar o nome que o DEM indicar, desde que não traga junto uma bagagem de problemas.

Consenso – Do lado dos petistas as dificuldades não são menores. Existe consenso em torno da necessidade de entregar a vaga de vice para um integrante do PMDB, ajudando a consolidar a aliança nacional entre os dois partidos. O problema é que há discordâncias. Se dependesse de Lula, a opção seria pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Com isso, tentaria repetir a estratégia de 2002, quando chamou o senador José Alencar, do PL mineiro. Megaempresário da indústria têxtil, a indicação de Alencar representou clara sinalização de Lula e do PT para os setores produtivos.

Derrotado em eleições anteriores por não conseguir desfazer a impressão de que adotaria um estilo radical se assumisse o governo, Lula teve em Alencar uma espécie de escudo político, passando uma imagem mais segura e responsável. Chegou à vitória, depois de três derrotas seguidas. Com Meirelles de vice, Lula entende que Dilma repetiria o paradigma de 2002 e ganharia o mesmo tipo de blindagem junto aos setores mais conservadores. O problema é que o presidente do Banco Central se filiou ao PMDB apenas no fim do ano passado e os dirigentes da legenda querem indicar alguém que os represente mais diretamente, como o presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP). De quebra, o ministro das Comunicações, Hélio Costa (PMDB-MG), também tem articulado para conquistar apoios para se tornar o vice de Dilma.

Escreva um Comentário

Faça o login para publicar um comentário.