Contrato Social porque é tão importante?

0

Publicado por Editor | Colocado em Economia | Data: 17 jun 2019

Tags:,

Release / Google imagens

Então você deseja abrir uma empresa e não sabe por onde começar, mas de uma coisa tem certeza, vai ser uma sociedade, porque sozinho você pode até ir mais rápido, porém junto com outra ou outras pessoas você vai muito longe. Parabéns Empreendedor, que ótima escolha a sua. Você já sabe que será sociedade, sabe quais são os sócios e agora? Agora você precisa fazer um Contrato Social para esta sociedade. É hora de você buscar um apoio jurídico e redigir um contrato que seja a cara da sua sociedade, que esteja alinhado com todos objetivos da sua empresa. Mas fica tranquilo que irei explicar as principais características do Contrato Social para que você, empreendedor, entenda o porque da necessidade de ter atenção para os mínimos detalhes na abertura da sua empresa.

Podemos afirmar que o Contrato Social é a certidão de nascimento da empresa, pois nele estarão todos os dados básicos do negócio, como os sócios, endereço da sociedade, qual as obrigações de cada sócio, o valor que cada um colocou para abertura da sociedade, as regras para dissolução da sociedade e muitos outros pontos.

No Contrato Social da sociedade podemos inserir por exemplo, quem participa das decisões mais importantes da empresa, como entrada de um novo sócio ou até empréstimos de alto valor e ,ainda, divisão de lucros, dentre outros pontos que são de fundamental importância para a estabilidade da sua empresa.

Imagine a situação, onde um sócio decide sair da sociedade, ou pior, se algum sócio vier a falecer, o que ocorrerá com a empresa? As vezes, estas perguntas não são feitas e consequentemente os resultados são desastrosos para a empresa. A sucessão dos sócios como deve ser feita? Percebam que podemos escrever folhas e mais folhas sobre a necessidade da empresa ter um Contrato Social bem redigido, feito por profissionais especializados no assunto. Entenda que abrir uma empresa e mantê-la “viva” é um grande desafio, principalmente estando em um país repleto de burocracia e normas que na maioria das vezes são feitas para confundir e não esclarecer. Evite, portanto, querer fazer você mesmo seu contrato social, buscando modelos prontos na internet ou na própria junta comercial do seu Estado. Tenha consciência que uma análise jurídica eficiente para o seu negócio, fará com que ele possa estar seguro e você, caro empreendedor, estará livre para pensar na área comercial, logística, financeira, que são as forças motrizes para o seu negócio crescer.

Caio César Almeida

Advogado Tributário e Empresaria

Vendas a prazo no Dia dos Namorados têm leve retração de 0,04%

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia, Geral | Data: 13 jun 2019

A conjuntura econômica atual, que inibe a melhora da confiança do consumidor e vem provocando uma reversão nas expectativas de saída da crise, tem freado uma retomada mais consistente do comércio.

O volume de vendas a prazo na semana que antecedeu o Dia dos Namorados (entre 06 e 12 de junho de 2019) não cresceu, registrando uma pequena variação negativa de 0,04% na comparação com o mesmo período de 2018. Este ano, mais da metade (59%) dos consumidores planejavam pagar os presentes à vista e 39% tinham intenção de parcelar as compras.

Em 2018, houve um crescimento de 3,08% após um ano de forte queda em 2017, que chegou a -7,83%. Em anos anteriores, as variações foram de 3,62% (2016), -0,72% (2015), -5,85% (2014), 6,77% (2013), 3,83% (2012) e -7,69% (211). Os dados são da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Inadimplente brasileiro deve, em média, R$ 3,2 mil, revela indicador CNDL/SPC Brasil

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia, Geral | Data: 12 jun 2019

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelam que, em média, as dívidas em atraso dos inadimplentes superam em mais de três vezes o salário mínimo atual do país.

De acordo com o indicador, o inadimplente brasileiro encerrou o último mês de maio com uma dívida média de R$ 3.239,48, somando todas as pendências em seu nome. O valor é 41% maior que a renda média mensal do trabalhador brasileiro (R$ 2.291, segundo o IBGE). Cada consumidor negativado têm, no geral, duas dívidas em aberto.

Embora a somatória da dívida do brasileiro seja elevada, o levantamento mostra que um percentual relevante de pessoas deve quantias que não chegam a quatro dígitos. Em cada dez consumidores que estão com o CPF inscrito na lista de inadimplentes, quatro (37%) devem até R$ 500 e a maioria dos inadimplentes (53%) possui dívidas que não ultrapassam R$ 1.000. Já 20% devem algum valor entre R$ 1.000 e R$ 2.500, ao passo que 16% devem entre R$ 2.500 e R$ 7.500. As dívidas acima de R$ 7.500 são objeto de preocupação para 10% das pessoas que estão negativadas no Brasil.

…Leia na íntegra

Seis em cada dez brasileiros devem ir às compras no Dia dos Namorados

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia, Geral | Data: 06 jun 2019

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

Ainda em meio a um quadro de atividade econômica desaquecida, o apetite de gastos do brasileiro este ano deve ser mais moderado ao ir às compras no Dia dos Namorados. Um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em todas as capitais mostra que seis em cada dez consumidores (63%) esperam presentear alguém na data, o que representa aproximadamente 98,7 milhões de pessoas — número que se mantém estável na comparação com o ano passado.

Os dados também mostram que em 2018, 57% adquiriram presentes. Para este ano, a expectativa é de que sejam injetados cerca de12,53 bilhões de reais na economia. Em média, o consumidor planeja desembolsar R$ 126,98 com os presentes do Dia dos Namorados, ante R$ 166,87 em 2018 — uma queda de 27,5%, já descontada a inflação acumulada do período. Importante notar que 15% ainda não decidiram o valor que será gasto. Para um terço (34%) dos entrevistados, a intenção é gastar a mesma quantia do ano passado, enquanto 28% mais. Outros 17% esperam diminuir o valor gasto, principalmente as mulheres (26%).  Quanto à forma de pagamento, 59% disseram que pretendem pagar a compra à vista, especialmente em dinheiro (38%) e 39% preferem parcelar.

De acordo com o levantamento, seis em cada dez (63%) consumidores garantem que comprarão um único presente, enquanto 27% pretendem adquirir dois ou mais itens. “O país ainda vive os efeitos de um quadro com altos níveis de desemprego e orçamento apertado. Embora para muitos consumidores o momento seja de conter os gastos, esta é uma data importante, em que o ato de presentear acaba sendo uma demonstração de afeto”, destaca o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

Fórum de Economia do Sudoeste da Bahia acontece nesta terça(21)

0

Publicado por Editor | Colocado em Economia, Geral, Vit. da Conquista | Data: 20 maio 2019

Tags:,

Com uma realização do Movimento Pró Conquistas e do Conselho Regional de Economia, acontece no dia 21 de maio em Vitória da Conquista, o Primeiro Fórum de Economia do Sudoeste da Bahia. O evento é importante para os participantes dialogarem acerca da conjuntura econômica em âmbito municipal/estadual/nacional e os respectivos impactos para os empresários locais.

O objetivo do Fórum é trazer conhecimento sobre  o cenário atual, traçar estratégias e buscar alternativas para ampliar o horizonte, além de contribuir para realização de novos negócios!

Entre os palestrantes estão:Reinaldo Sampaio (presidente do Conselho Regional de Economia – CORECON); Gustavo Pessoti (diretor da SEI); Roberto Paulo (professor de economia da UESB).

Inscrições poder ser realizadas pelo sitehttp://www.proconquistas.com.br/forum/

Primeiro Fórum de Economia do Sudoeste da Bahia acontece em Vitória da Conquista

0

Publicado por Editor | Colocado em Economia, Geral, Vit. da Conquista | Data: 14 maio 2019

Tags:

Com uma realização do Movimento Pró Conquistas e do Conselho Regional de Economia, acontece no dia 21 de maio em Vitória da Conquista, o Primeiro Fórum de Economia do Sudoeste da Bahia. O evento é importante para os participantes dialogarem acerca da conjuntura econômica em âmbito municipal/estadual/nacional e os respectivos impactos para os empresários locais.

O objetivo do Fórum é trazer conhecimento sobre  o cenário atual, traçar estratégias e buscar alternativas para ampliar o horizonte, além de contribuir para realização de novos negócios!

Entre os palestrantes estão:Reinaldo Sampaio (presidente do Conselho Regional de Economia – CORECON); Gustavo Pessoti (diretor da SEI); Roberto Paulo (professor de economia da UESB).

Inscrições poder ser realizadas pelo sitehttp://www.proconquistas.com.br/forum/

Comércio de Conquista funciona em horário especial para o Dia das Mães

0

Publicado por Editor | Colocado em Economia, Geral, Vit. da Conquista | Data: 06 maio 2019

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

O amor de mãe é incondicional. É a forma de amor mais clara e simples de se observar. Nos pequenos gestos, nas preocupações diárias, nos conselhos e até mesmo naquela bronca que no fundo é para o nosso bem.

Dia das Mães é mais do que um dia especial, é o dia de reconhecer que não importa quanto tempo passe, você sempre vai ter um colo para contar sobre seu dia.

E para nenhuma mamãe ficar sem presente, o comércio de Conquista vai funcionar no sábado, 11, véspera do Dia das Mães, das 8h às 18h.

Atividade do comércio cresce 2,33%

0

Publicado por Editor | Colocado em Economia, Vit. da Conquista | Data: 27 abr 2019

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Reprodução do site da CDL

Alta é maior do que a observada em março do ano passado. Para especialistas do SPC Brasil, trajetória é de retomada lenta e inadimplência elevada impõe limites a expansão das vendas a prazo

O comércio varejista segue em trajetória de recuperação, mas a passos lentos. Dados apurados pelo Indicador de Atividade do Varejo da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostram que as consultas para vendas a prazo cresceram 2,33% no acumulado em 12 meses até março deste ano. No mesmo período do ano passado, as vendas do segmento haviam crescido 1,49%. Já nos anos anteriores, em plena recessão econômica, os dados estavam no negativo, com queda de -4,49% em 2017, -4,39% em 2016 e -0,84% em 2015.

a

O Indicador de Atividade do Comércio é construído a partir do volume de consultas de CPFs e é um termômetro da intenção de compras a prazo por parte do consumidor, abrangendo os segmentos varejistas de supermercados, lojas de roupas, calçados e acessórios, móveis e eletrodomésticos, entre outros.

Outro dado também apurado pelo indicador é o nível de atividade no comércio atacadista. Nesse caso, que não leva em consideração a venda de veículos e motocicletas, o crescimento no acumulado em 12 meses até março foi de 4,73%. O dado sucedesse outras duas altas observadas neste ano, como a expansão de 5,29% em janeiro e 5,66% em fevereiro.

Na avaliação do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, o desempenho das vendas tem esboçado uma reação nos últimos meses, mas apesar da trajetória de recuperação, ainda não retornou para o nível de antes da crise. “A atividade varejista foi impulsionada pela melhora da confiança dos consumidores e dos empresários após o desfecho das eleições, mas ainda enfrentará novos desafios, como a persistência do desemprego em patamar elevado e da massa salarial que somente agora voltou ao patamar pré-crise. A inflação sob controle é um fator positivo para a expansão das vendas, mas a inadimplência limita o acesso das famílias ao crédito, prejudicando as vendas a prazo”, analisa o presidente.

Fonte: CNDL

Cartão de crédito clonado é principal fraude sofrida por consumidores nos últimos 12 meses

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 26 abr 2019

Tags:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Reprodução do site da CDL

Quase nove milhões de brasileiros foram vítimas de golpes entre março do ano passado e este ano. SPC Brasil dá dicas para evitar prejuízos com ação de estelionatários e libera monitoramento de CPF gratuito por 30 dias

O cartão de crédito é hoje uma das formas mais populares de pagamento no mundo inteiro, principalmente pelas facilidades que oferece. Mas seu uso exige alguns cuidados. Um levantamento feito pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que 8,9 milhões de brasileiros foram vítimas de fraude nos últimos 12 meses, sendo que a maior parte dessas ocorrências (41%) está ligada à clonagem de cartão de crédito.

Já o segundo golpe mais comum observado pelo estudo é o recebimento de boletos falsos, com 13% das menções. Além desses tipos de fraudes, também aparecem clonagem de cartão de débito, contratação de empréstimos e financiamento, todos com o mesmo nível de incidência (11%), respectivamente.

De acordo com o levantamento, metade (48%) das fraudes se deu em transações ou compras feitas pela internet. Outros 20% dos golpes aconteceram nas operações realizadas em agências bancárias ou financeiras e 15% em lojas físicas.  Quanto às principais consequências enfrentadas pelas vítimas de ações fraudulentas estão as compras indevidas em nome da pessoa (37%) e os prejuízos financeiros (24%). Há ainda problemas relacionados à perda de tempo com processos burocráticos para regularizar a situação e a inclusão em cadastros de inadimplentes, deixando a pessoa com o nome sujo e impossibilitando a realização de compras por meio do crédito — ambas situações com 22% das citações.

Crimes como esses podem causar sérios danos ao consumidor que tem suas informações pessoais utilizadas para fins fraudulentos. Na avaliação do superintendente de produtos e operações do SPC Brasil, Nival Martins, os transtornos ocasionados por estelionatários podem comprometer não apenas a saúde financeira dos consumidores que acabam caindo nesses golpes. “Além dos prejuízos financeiros, existe o constrangimento de, muitas vezes, ser incluído indevidamente em cadastros de devedores. Sem contar a burocracia para abrir boletim de ocorrência e avisar os órgãos competentes sobre o ocorrido”, alerta.

SPC Brasil dá dicas para o consumidor evitar risco de fraudes:

  • Antes de fazer qualquer compra, certifique-se sobre a idoneidade do estabelecimento comercial. Pesquise sobre a reputação da empresa e redobre atenção em sites de comércio eletrônico. Os canais de venda virtuais são obrigados a fornecer dados, como razão social, endereço, telefone e CNPJ;
  • Desconfie de produtos com preço muito abaixo do praticado pelo mercado e sempre exija nota fiscal. Essas atitudes resguardam o consumidor, caso ele tenha que fazer uma eventual troca do produto ou venha pedir algum ressarcimento;
  • Nunca forneça dados pessoais ou bancários por telefone. Caso tenha de atualizar algum cadastro, procure pessoalmente a instituição financeira ou ligue diretamente para o serviço de atendimento ao consumidor;
  • Em caso de perda, roubo, furto ou extravio de documentos pessoais, como CPF, CNPJ, certidão de nascimento, cheques e cartões de crédito, é necessário que a vítima realize o Boletim de Ocorrência (B.O.). Com o boletim de ocorrência em mãos, o consumidor deve comparecer, pessoalmente, em um balcão de atendimento do SPC Brasil com um documento de identificação para fazer um ‘Alerta de Documentos’ — serviço que é gratuito.

O SPC Brasil também liberou por 30 dias grátis o ‘SPC Avisa’, que faz o monitoramento de CPFs para evitar fraudes. Com o serviço, o consumidor é avisado por e-mail, em até 24 horas, sobre qualquer movimentação em seu documento, como consultas para a realização de compras a prazo, verificação de nome restrito, inclusão de registros de inadimplência, alteração de dados cadastrais, entre outros.

Fonte: CNDL

5 escolhas inteligentes para mulheres inteligentes

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 17 mar 2019

Tags:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

Reprodução do site da CDL

Feliz semana da mulher! Preparamos um guia que vai deixá-la ainda mais empoderada financeiramente!


O número de lares brasileiros chefiados exclusivamente por mulheres só aumenta a cada nova pesquisa. Dados de uma pesquisa realizada pela Escola Nacional de Seguros, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que, em 2015, quase 30 milhões de famílias tinham as mulheres no comando das finanças e da organização do lar. Ainda de acordo com os dados do IBGE, entre 2001 e 2015 essa proporção mais que dobrou, aumentando 105%.

Se, por um lado, essas estatísticas indicam que as mulheres têm conquistado cada vez mais autonomia e ganhado espaço no mercado de trabalho para desenvolverem suas carreiras, por outro apontam também uma necessidade de aplicação de princípios da educação financeira pelo universo feminino.

Assim como os homens, as mulheres também precisam aprender a poupar, investir, construir reservas e, principalmente, a fazer um uso responsável de seus recursos, sejam elas chefes de família ou não.

A seguir, confira 5 escolhas inteligentes para você ser ainda mais realizada financeiramente:

1a escolha: poupar e investir
Iniciando uma carteira de investimentos
Como investir dinheiro? Investir não é tão complicado quanto algumas pessoas fazem parecer. Com pesquisa e informação você pode dar o primeiro passo sozinha.

…Leia na íntegra

Número de inadimplentes que regularizaram dívidas cresce 11,5%

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 10 mar 2019

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

Reprodução do site da CDL

Apesar da melhora na recuperação de crédito no acumulado em 12 meses, alta de janeiro é insuficiente para reverter cenário de inadimplência elevada; 79% dos que foram negativados em janeiro são reincidentes. Em média, devedores voltam a atrasar uma conta após 96 dias

Com a retomada da economia a passos lentos, o cenário de recuperação de crédito entre os consumidores começa a dar sinais de melhora. Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito ao Crédito (SPC Brasil) mostra que cresceu 11,5% o volume de brasileiros inadimplentes que regularizaram suas pendências e, que por isso, sairam do cadastro de devedores. Os dados do Indicador de Recuperação de Crédito são de janeiro de 2019 e dizem respeito ao acumulado em 12 meses. Em janeiro de 2018, houve uma queda de -0,7% na quantidade de consumidores que pagaram dívidas em atraso, resultado negativo que se repetiu em igual período de 2017 (- 2,2%) e de 2016 (-2,5%). A última vez que o dado ficou no azul foi em janeiro de 2015, cuja alta fora de 6,2%, também no acumulado em 12 meses.

Do total de devedores que recuperaram crédito no mês passado, 41% residem na região Sudeste e 31% moram no Nordeste. Em terceiro lugar aparece a região Sul (11%), seguida do Centro-oeste (8%) e Norte (6%). Já o número de dívidas que foram retiradas do cadastro de inadimplência mediante pagamento cresceu 9,6% no acumulado em 12 meses. Há um ano, esse dado representava uma queda de 5,1%.

O levantamento ainda mostra que entre os devedores que recuperaram crédito em janeiro, a maior parte (24%) tem entre 30 e 39 anos. Outros 22% estão na faixa de 50 a 64 anos e 13% possuem idade acima de 64 anos. O Indicador de Recuperação de Crédito aponta que não há diferença significativa entre os gêneros: 51% dos que pagaram as dívidas são mulheres, ao passo que 49% são homens.

Na avaliação da economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o dado positivo observado neste início de ano acompanha a tendência de melhora gradual da economia, mas ainda é insuficiente para reverter o quadro geral de inadimplência elevada no país. “O número de inadimplentes que estão conseguindo honrar compromissos atrasados vem aumentando. Só que ao mesmo tempo, também cresce a quantidade de novos devedores. Isso faz com que a inadimplência continue elevada. Para os próximos meses, o movimento da inadimplência dependerá da evolução do crédito e de outras variáveis macroeconômicas como o desemprego e renda. A melhora desses dois últimos pontos poderá fazer a recuperação de crédito avançar mais do que o número de novos negativados, culminando na queda da inadimplência”, explica a economista.

79% dos que foram negativados em janeiro são reincidentes, sendo que 28% haviam regularizado uma dívida no último ano

O levantamento ainda mostra que, em muitos casos, a inadimplência não é um evento isolado. Do total de consumidores que foram negativados no último mês de janeiro, 79% são reincidentes, ou seja, já haviam aparecido no cadastro de devedores ao longo dos últimos 12 meses. Nesses casos, 28% haviam regularizado a dívida anterior, enquanto 51% ainda estavam com uma dívida pendente. Os 20% restantes de pessoas que se tornaram inadimplentes em janeiro não estiveram com restrições no CPF ao longo dos últimos 12 meses e, por isso, não são considerados reincidentes.

Outro dado observado é que, o tempo médio decorrido entre o vencimento de uma dívida para a outra é de 96 dias, em média. Isso significa que, depois de pouco mais de três meses após ficar inadimplentes, o consumidor volta a atrasar o pagamento de uma segunda conta.

A economista Marcela Kawauti chama a atenção para o cuidado que o consumidor deve tomar ao fechar um acordo com credores, a fim de evitar que haja novos atrasos. “Um dos principais erros cometidos em uma renegociação de dívida é aceitar os termos do acordo sem avaliar sua capacidade de pagamento. Se o consumidor atrasar as parcelas acordadas, nada impede dele ver seu nome voltar para a lista de inadimplentes. Então é preciso ter plena consciência de que o combinado será cumprido e não ter medo de fazer uma contraproposta dentro de suas condições”, alerta a economista.

Fonte: CNDL

Veja quando serão pagos os atrasados do INSS neste ano

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 05 mar 2019

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

Marcela Marcos
do Agora

Os segurados que têm atrasados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para receber na Justiça sejam eles precatórios ou RPVs (Requisições de Pequeno Valor) devem ficar atentos às datas em que os valores deverão cair na conta.

No caso dos precatórios, que são valores acima de 60 salários mínimos, o montante será creditado em abril, segundo o CJF (Conselho da Justiça Federal). Ao todo, serão pagos R$ 6,4 bilhões em atrasados previdenciários referentes a ações de concessão ou revisão de aposentadoria, pensão ou auxílio.

Para receber em 2019, é preciso que o atrasado tenha sido liberado pelo juiz entre os dias 2 de julho de 2017 e 1º de julho de 2018.

Essa grana é paga apenas uma vez por ano. Por lei, o governo tem até dezembro para liberar os valores, mas, pelo segundo ano seguido depois da crise econômica, o dinheiro sairá em abril.e

Só 1 em 10 brasileiros acima dos 60 anos estão na ativa

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 04 mar 2019

Tags:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Fernanda Brigatti
do Agora

Os brasileiros com 60 anos ou mais correspondem a 19% das pessoas em idade de trabalhar, mas somente 8% estão na ativa. Com a reforma da Previdência, esse número vai ter que subir, pois os cinquentões estão na mira do governo. A proposta é definir idade mínima de 65 anos (homens) e 62 (mulheres) no benefício.

No último trimestre de 2018, 93 milhões de brasileiros estavam trabalhando, nem todos com carteira assinada. Desse total, 7,5 milhões têm a partir de 60 anos, segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do último trimestre de 2018. Os idosos são quase 16% da população. Em 2015, último ano em que a informação foi divulgada pelo IBGE, 5,188 milhões de aposentados trabalhavam.

Seguir no mercado após os 60 anos, porém, pode não ser tão fácil. A coordenadora do curso de capacitação em RH da FGV (Fundação Getulio Vargas) e mentora de carreiras Anna Cherubina diz que são muitos os desafios em um mercado que está em profunda transformação.e

Prévia da inflação registra menor taxa para fevereiro desde Plano Real

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 22 fev 2019

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

Reprodução do site da CDL

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, registrou uma taxa de 0,34% em fevereiro deste ano, a menor para meses de fevereiro desde o Plano Real, implantado em 1994. A taxa é, no entanto, superior à registrada em janeiro(0,3%).

O dado foi divulgado hoje (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com a prévia de fevereiro, o IPCA-15 acumula taxas de 0,64% no ano e de 3,73% em 12 meses.

Educação

Na prévia de fevereiro, a maior inflação foi registrada no grupo de despesas educação (3,52%), que sofreu com os reajustes de mensalidades escolares, que costumam ser feitos no início do ano. Os cursos regulares subiram 4,6% e os cursos diversos, 3,16%.

Também registraram inflação os grupos alimentação e bebidas (0,64%), saúde e cuidados pessoais (0,56%), artigos de residência (0,47%), despesas pessoais (0,3%), habitação (0,18%) e comunicação (0,05%).

Por outro lado, os grupos de despesas vestuário e transportes registraram deflação (queda de preços) e ajudaram a frear a inflação. Os custos com vestuário caíram 0,92%. Já os transportes ficaram 0,46% mais baratos, devido às quedas de preços da gasolina (2,43%), etanol (1,31%) e óleo diesel (0,15%).

Fonte: Agência Brasil

Quatro em cada dez brasileiros que vendem vale-refeição usam valor para pagar contas

0

Publicado por Editor | Colocado em Economia | Data: 17 fev 2019

Tags:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Reprodução do site da CDL

Prática é adotada por 39% dos trabalhadores, embora comercialização seja inapropriada. Mais da metade extrapola valor mensal do benefício e 33% admitem fazer uso com frequência para outras finalidades

Embora a comercialização do ‘vale-refeição’ ou ‘vale-alimentação’ seja uma prática inapropriada, ela tem sido bastante comum entre os trabalhadores brasileiros. De acordo com um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 39% dos consumidores que recebem o benefício possuem o hábito de vender seus tíquetes, dos quais quatro em cada dez (44%) usam o valor para pagar as contas. Por outro lado, 61% garantem nunca recorrer a essa prática — percentual que é maior nas classes A e B (75%).

…Leia na íntegra

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 16 fev 2019

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Reprodução do site da CDL

Setor de hipermercados puxou alta

As vendas do varejo acumularam alta de 2,3% em 2018. Foi o melhor resultado para o setor desde 2013, quando havia crescido 4,3%.

Os dados foram divulgados nesta 4ª feira (13.fev.2019) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Esse foi o 2º ano de resultado positivo no comércio. Mesmo com o avanço, o IBGE avalia que o crescimento acumulado nos últimos 2 anos não foi suficiente para recuperar a queda de 10,3% em 2015 e 2016.

A instituição coloca também que as vendas perderam fôlego no 2º semestre do ano passado. “Foi 1 semestre marcado pela alta do dólar, por incertezas diante do período eleitoral e pela recuperação da greve dos caminhoneiros”, explica a gerente da pesquisa, Isabella Nunes.

Em dezembro, o setor registrou queda de 2,2% frente a novembro, na série com ajuste sazonal. Já em relação a dezembro do ano anterior (série sem ajuste), o volume de vendas cresceu 0,6%.

3 ATIVIDADES PUXARAM ALTA 

…Leia na íntegra

Atividade econômica do Brasil tem crescimento de 1,15%

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia, Geral | Data: 15 fev 2019

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Da Redação

Fonte:A.Brasil

Foi divulgado nesta quinta-feira (15), pelo Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), um crescimento na economia brasileira de 1,15% em 2018.

No último trimestre do ano, comparado ao período anterior, o crescimento ficou em 0,20%, de acordo com dado dessazonalizado (ajustado para o período). O quarto trimestre comparado a igual período de 2017 apresentou crescimento de 1,53%. Em dezembro, frente a novembro de 2018, houve expansão de 0,21%. Na comparação com o último mês do ano passado e dezembro de 2017, o crescimento chegou a 0,18%.

O IBC-Br é uma forma de avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar suas decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic. O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos.

Inadimplência das empresas fecha 2018 com alta de 7,44%, mas desacelera em quatro das cinco regiões

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 14 fev 2019

Tags:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Reprodução do site da CDL

Recuperação de crédito cresce quase 12% no acumulado de 2018. Com ano pouco melhor nas vendas, empresas ganharam fôlego para regularizar contas. Entre empresas que não conseguem honrar compromissos, 46% atuam no comércio

O número de empresas com contas em atraso e registradas no cadastro de inadimplentes apresentou crescimento de 7,44% no fechamento de 2018 na comparação com 2017, mas o ritmo de alta perdeu força em quatro das cinco regiões analisadas. Já o número de dívidas contraídas em nome de pessoas jurídicas avançou 4,89% em dezembro na comparação anual. Os dados são da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

De acordo com o indicador, na região Norte, o crescimento do número de empresas com contas sem pagar foi apenas 0,78%, a menor entre todas as regiões brasileiras. No Centro-Oeste, foi de 2,10%, enquanto no Nordeste, a alta foi de 2,35% e no Sul, de 3,71% – todas abaixo da média nacional e menores do que o percentual observado no auge da crise econômica, quando girava em torno de 10%. No ano passado, a única região a destoar foi o Sudeste, que encerrou o ano de 2018 com alta de 13,03% na quantidade de empresas inadimplentes.

…Leia na íntegra

Mais de 20% dos MEIs baianos têm idade acima dos 50 anos

0

Publicado por Editor | Colocado em Economia | Data: 12 fev 2019

Tags:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Reprodução da CDL

Quer empreender após a aposentadoria? CORREIO dá dicas para tirar o seu negócio do papel

Depois de trabalhar por quase 30 anos em uma agência de turismo e acumular bagagem também em companhias aéreas, o aposentado Jorge Gomes, de 69 anos, abriu há um ano seu próprio negócio. E a área para empreender não poderia ser outra: “Não queria ficar parado. Montei minha agência de viagens home-office, mantive os meus contatos e apostei na oferta de pacotes para pequenos grupos, seguros de viagem e passagens aéreas”, afirma.

Aposentado há um ano, o gerente de atendimento acostumado a acompanhar excursões para a Disney agora cuida da sua empresa, que vai muito bem, obrigado. “O único investimento que precisei fazer foi a compra de um notebook. Comecei devagarinho, mas hoje a JB Tour já responde por 60% da minha renda mensal”.

…Leia na íntegra

Desemprego elevado faz disparar o número de MEIs

0

Publicado por Editor | Colocado em Economia | Data: 05 fev 2019

Tags:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif

Reprodução do site da CDL

No ano passado foram abertas 2,6 milhões de novas empresas no País, uma quantidade 14% maior do que em 2017, segundo levantamento feito pela Boa Vista com base nos registros da Receita Federal. A maioria das novas companhias (77,3%) é formada por empresas no formato de Microempreendedor Individual (MEIs). São empresas praticamente de uma pessoa só, com faturamento anual de, no máximo, R$ 81 mil.

O aumento no número de MEIs no ano passado em relação ao ano anterior foi 19,3%. É a maior variação no volume de novas MEIs desde 2013, quando o levantamento começou a ser realizado pela Boa Vista. Flávio Calife, economista da Boa Vista e responsável pelo levantamento, acredita que o número de MEIs cresceu acima da média do número total de empresas abertas no mesmo período por causa da reação ainda muito lenta do mercado de trabalho na abertura de vagas destruídas pela crise. “O desemprego elevado sustentou a abertura de MEIs”, afirma.

Quando se avalia a composição das novas empresas por setor, o serviço liderou com 58,7%, seguido pelo comércio (32,9%). Calife diz que o serviço liderou porque esse é o setor mais flexível da economia. “Quem perde o emprego, abre uma consultoria”, exemplifica o economista. A maior fatia de aberturas de novas companhias está em regiões com maior atividade econômica, como o Sudeste (15,6%) e o Sul (14.9%)- lá o a região Norte ficou na lanterna, com 2,1% do total de empresas abertas no período.No ano passado foram abertas 2,6 milhões de novas empresas no País, 77% em forma de MEI.Fonte: Estadão Conteúdo, São Paulo