Governo não terá maioria na CPI da Petrobras

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Política | Data: 26 fev 2015

Tags:, ,

por Mateus Novais

camara-dos-deputadosA Câmara instala nesta quinta-feira, 26, a comissão parlamentar de inquérito que vai investigar o esquema de corrupção envolvendo a Petrobras. Apesar do PT vai ocupar a relatoria da CPI, o ambiente está desfavorável ao governo. O clima entre os deputados é tenso e a composição está relativamente equilibrada entre governistas e oposicionistas.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a CPI será instalada em meio a uma base aliada desarticulada e na iminência dos pedidos da Procuradoria-Geral da República de investigação ou mesmo denúncias contra os parlamentares. Um levantamento feito pelo jornal aponta que, dos 27 integrantes da CPI, 12 apoiaram Dilma Rousseff (PT) nas eleições presidenciais de 2014 e nove apoiaram o senador Aécio Neves (PSDB). Os outros cinco restantes devem manter uma postura independente, discurso também compartilhado pelos aliados do Planalto.

Estiveram com Dilma: João Carlos Bacelar (PR-BA), Leônidas Cristino (PROS-CE), Paulo Magalhães (PSD-BA), Silas Câmara (PSD-AM), Valmir Prascidelli (PT-SP), Luiz Sérgio (PT-RJ), Afonso Florence (PT-BA), Lázaro Botelho (PP-TO), Cacá Leão (PP-BA), Hugo Motta (PMDB-PB), Celso Pansera (PMDB-RJ) e Félix Mendonça Júnior (PDT-BA ).

Aécio foi apoiado por Onyx Lorenzoni (DEM-RS), Paulo Pereira da Silva (SD-SP), André Moura (PSC-SE), Bruno Covas (PSDB-SP), Antonio Imbassahy (PSDB-BA), Júlio Delgado (PSB-MG), Otavio Leite (PSDB-RJ), Rodrigo Martins (PSB-PI), Eliziane Gama (PPS-MA) e Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP).

Dois se colocaram como independentes: Ivan Valente (PSOL-SP) e Altineu Côrtes (PR-RJ). Os deputados Edio Lopes (PMDB-RR) e Kaio Maniçoba (PHS-PE) não foram localizados. Ainda falta uma vaga a ser indicada pelo bloco do PMDB.

A presidência da CPI ficou com o deputado Hugo Motta (PMDB-PB), partido que vive sua maior crise com o Palácio do Planalto. Para agravar ainda mais a situação, ao contrário do ano passado, quando foi instalada uma comissão mista e o governo tinha apoio peemedebista no Senado, esta CPI acontecerá apenas na Câmara, ambiente onde a base está esfacelada.

No início da semana, no entanto, o PT fez acenos ao PMDB em busca de uma reaproximação e recebeu em troca a relatoria da comissão, que será ocupada pelo ex-ministro de Relações Institucionais do primeiro governo Dilma Rousseff, Luiz Sérgio (PT-RJ).

Os comentários estão encerrados.