Pacientes com anemia falciforme estão revezando medicamento em Conquista

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Saúde | Data: 06 mar 2015

Tags:, , ,


por Mateus Novais
foto: Roberto Silva

dires

O atraso na distribuição de alguns medicamentos ofertados pelo SUS, em Vitória da Conquista, está causando desespero em familiares de pacientes com Anemia Falciforme. Entre o final do ano passado e início deste ano, os pacientes ficaram quatro meses sem receber a medicação ‘hidroxiuréia’, que também é utilizado no tratamento de câncer.

DSC_3074Dona Maria José Meireles (foto), mãe de um adolescente de 13 anos que tem a doença, conta que a distribuição do medicamento para o tratamento da doença está sendo constantemente atrasado pelo Núcleo Regional de Saúde, antiga Dires. “De setembro até janeiro ficamos sem a medicação, só apareceu após procurarmos a Defensoria Pública. Mas era para entregar no dia 27 de fevereiro de novo, só que não tem. Faz uma semana que vamos lá todos os dias e dizem que não tem previsão de chegada”, conta a dona de casa.

A medicação evita que os pacientes sintam dores e previne um possível Acidente Vascular Encefálico. Dona Maria José aponta que são 1500 frascos que chegam a Vitória da Conquista todo mês, e questiona: “Onde está essa medicação?”.

No período da falta do Hidroxiuréia, as famílias não beneficiadas recorriam aos que recebiam o remédio, já que o medicamento não é vendido regularmente nas farmácias. “A mãe que tinha, estava dividindo com outras mães. Por exemplo, meu filho usava por dois dias e passava outros dois dias sem usar para poder ajudar outra mãe que estava em dificuldade”.

Outro problema enfrentado pelas famílias é a falta de médico hematologista para o atendimento pelo SUS, na cidade. “Antes, só tinha consulta em Itabuna. Mas colocaram a Dra. Helen, que nos atendia no hospital Adelmário Santos (Itabuna), aqui no [Hospital] Esaú Matos e no Hospital de Base. Mas, desde o final do ano passado, a Dra. Helen passou a não atender nesses hospitais”. Por este motivo, as crianças estão sendo levadas para se consultar em Salvador.

A anemia falciforme não tem cura, o tratamento é para o restante da vida. Por conta da doença, o filho da dona de casa já passou por uma pneumonia gravíssima, uma trombose e adenoide, além de uma cirurgia para a retida de parte do baço.

Preocupada de enfrentar a situação de novo, Dona Maria José pede que “as autoridades competentes se coloquem no nosso lugar e vejam o que fariam se fosse um dos filhos deles”.

Os comentários estão encerrados.