Pároco de Veredinha vai à Câmara Municipal cobrar melhorias para localidade

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 03 jun 2016

Tags:, ,

por Mateus Novais

IMG_0317Nesta sexta-feira (3), o Padre Lenito de Jesus, responsável pela paróquia São José Operário da região de Veredinha, esteve na Câmara Municipal para fazer uma série de cobranças à Prefeitura Municipal. O pároco de Veredinha quer que o governo disponibilize recursos para a construção de barragem, disponibilização de sinal de telefonia móvel, abastecimento de água, atendimento dos Correios à região e implantação de um cartório. “Lá falta tudo. É preciso ter atenção mínima com o povo”, disse o padre.

O Padre Lenito pediu à Câmara que aumente a fiscalização à aplicação de verbas na região de Veredinha. Segundo ele, algumas obras não foram entregues naquela localidade, como pavimentação da estrada de Veredinha ao povoado de Vítor Brito. “Essa é uma missão e uma função dos vereadores”, disse o padre que apontou haver R$ 373 mil em recursos para obras na região, que ainda não foram aplicados pelo poder público.

Ele cobrou a disponibilização do sinal de celular na região de Veredinha. “É uma vergonha ali não ter um sinal de celular”, reclamou o padre Lenito. “Nem os telefones residenciais, para quem pode, estamos tendo”, emendou. Outra cobrança foi o abastecimento de água. “Chegaram os canos e o povo entrou pelo cano. A água não chegou para nós”, disse.

O pároco também reivindicou o atendimento dos Correios na região. Segundo ele, para receber as correspondências, a população local precisa vir à sede do município para recolhê-las na unidade dos Correios. Além disso, ele pediu que seja implantado um cartório, já que o serviço que havia em Inhobim foi fechado.

Quanto à pavimentação, ele pediu que não seja utilizado asfalto, para evitar que o solo seja impermeabilizado e também a contaminação dos lençóis freáticos da região. “Nós precisamos respeitar o meio ambiente, as ruas precisam ser paralelepípedo”, solicitou o padre. Ele cobrou ainda escolas agrícolas para a comunidade rural.

Os comentários estão encerrados.