Secretaria de Saúde de Poções rebate nota da Prefeitura de Conquista

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Saúde | Data: 11 dez 2015

Tags:, , , , ,

por Mateus Novais
foto: arquivo BRG

DSC_0610

A morte de um idoso dentro do Cemae de Vitória da Conquista continua gerando controvérsias. Um comunicado da Prefeitura de Vitória da Conquista sugere um ‘equívoco’ do motorista da ambulância de Poções como atenuante para que o estado do paciente evoluísse para morte. A nota causou um grande mal estar na Prefeitura de Poções, que aponta uma sequência de erros, incluindo em Vitória da Conquista, durante o atendimento ao senhor João Amaral.

Ao BLOG DA RESENHA GERAL, a coordenadora de Transporte da Secretaria Municipal de Saúde de Poções, Elisangela Silva, informou que querem culpar o motorista e inocentar várias pessoas da responsabilidade pelo erro no atendimento. “Houve erro de todas as partes. O motorista não deveria nem sair da cidade sem um acompanhante da área de saúde, mas infelizmente essas coisas acontecem. Mas estão querendo culpar o motorista por algo que poderia ser evitado com bom senso”, apontou Elisangela Silva.

“Nós já abrimos um processo de sindicância interna para apurar possíveis irregularidades. E já suspendemos o motorista até que o processo seja concluído. Mas deixamos claro que o Hospital São Lucas [onde o paciente estava internado] deve apurar porque um paciente em tratamento oncológico avançado foi liberado para consulta sem a companhia de um profissional de saúde. Também tem que apurar porque uma unidade de saúde [Cemae] não acionou o SAMU para encaminhar o paciente para uma unidade de referência, já que sabiam que o paciente estava em tratamento”, concluiu a coordenadora de Transportes da Secretaria de Saúde.

Confira abaixo a versão apresentada pela Secretaria Municipal de Saúde de Poções sobre a série de erros que terminou com a morte do senhor João Amaral dentro do Cemae:

O paciente estava em tratamento oncológico no Hospital São Lucas, uma unidade filantrópica daqui da cidade. Eles solicitaram uma ambulância à Prefeitura para o deslocamento de um paciente para uma consulta no Hospital Afrânio Peixoto, em Conquista, e nosso motorista levou o paciente junto com um acompanhante da família.

Quando chegaram no Afrânio, informaram para o acompanhante que a consulta não seria ali e indicaram que poderia ser no Cemae – já que na autorização marcava o nome do Cemae. Então, o paciente foi encaminhado para o Cemae.

Durante a espera na recepção, o motorista da ambulância informou que teria que retornar para Poções, porque seu turno teria chegado ao fim. Mas ele informou que outro colega iria retornar para buscá-los após a consulta e chegou a deixar seu número de contato. No meio do caminho, o acompanhante ligou dizendo que a consulta não seria no Cemae, mas, sim, no Afrânio. Aí, o motorista entrou em contato com outro colega para ir buscar o paciente. A segunda ambulância encaminhou outro paciente de transferência para o Hospital de Base e depois seguiu para o Cemae.

No Cemae, perceberam que a segunda ambulância não conseguiria comportar o paciente, pois ele teria que vir deitado. Então solicitaram que a primeira ambulância retornasse – ainda assim, o segundo motorista continuou no local até que seu colega chegasse. Infelizmente, o estado de saúde do paciente evoluiu para óbito antes que a ambulância correta chegasse.

Os comentários estão encerrados.