Itapetinga: Adab proíbe município de confinar jumentos; caso ocorre após maus-tratos

0

Publicado por Editor | Colocado em Sudoeste | Data: 01 nov 2018

Tags:, , ,

Da Redação


A Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) proibiu o confinamento de jumentos em Itapetinga.  A decisão foi tomada depois que um guarda municipal de Itororó, município vizinho, flagrou nove jumentos mortos em uma estrada de chão, na última segunda-feira (29).

Conforme as informações divulgadas, um caminhão que levava os animais para o frigorífico parou na estrada e deixou os jegues mortos. Além dos jumentos mortos, o caminhão estava com mais 53 bichos, todos sem comida ou água. O caso foi registrado na Polícia Civil. A partir de agora, segundo a Adab, os animais devem ser encaminhados diretamente para o abate.

Em Itapetinga, o Frigorífico Sudoeste presta serviço de abate para a empresa chinesa Cuifeng Lee desde agosto. A estimativa é que mais de 4 mil animais tenham sido abatidos desde então. O frigorífico ficou fechado há um ano e foi reaberto apenas para abater jumentos. A Adab diz que o estabelecimento é legal.

Itapetinga: frigorífico é proibido de confinar jumentos acima da capacidade

0

Publicado por Editor | Colocado em Sudoeste | Data: 25 set 2018

Tags:, ,

Da Redação


A Justiça proibiu que o Frigorífico Regional Sudoeste, responsável pelo abate dos jumentos em Itapetinga, adquira e confina os animais em quantidade superior à capacidade de abate do estabelecimento. No início de setembro, 200 animais morreram em decorrência de maus-tratos, na fazenda de criação da empresa.

Ainda com base na determinação judicial, o frigorífico não pode transportar ou receber os equinos que estejam sem a Guia de Trânsito Animal (GTA), devidamente emitida pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab). Além disso, tanto o frigorífico quanto a Cuifeng Lin, empresa à qual pertencem os jumentos, devem providenciar o bem-estar dos animais, disponibilizando alimentação, hidratação e acompanhamento médico-veterinário.

Os animais que sejam recusados ao abate por fiscais do Ministério da Pecuária, Agricultura e Abastecimento (Mapa) deverão ser presos em local adequado, com tratamento de acordo com as normas sanitárias, até que eles sejam liberados, seja para abate ou para outra destinação apropriada.

Segundo a Justiça, em caso de descumprimento das determinações as empresas podem ter suas atividades suspensas. A decisão foi publicada na última sexta-feira (21), mas só foi divulgada na segunda (24).