Vivo continuará sem poder vender novas linhas na região de DDD 77

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Bahia | Data: 11 maio 2015

Tags:, , , ,

por Mateus Novais
imagem ilustrativa

IMG_1549A operadora de telefonia celular Vivo continuará proibida de habilitar novas linhas de aparelhos celulares e serviços de internet móvel 3G e 4G, na região de DDD 77, sob multa diária de R$ 10 mil. É o que determinou o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJ-BA) ao indeferir pedido de liminar da Telefônica Brasil S/A, responsável pela Vivo, que solicitava suspensão de decisão da Justiça do município de Luís Eduardo Magalhães, impetrada pelo Ministério Público estadual (MP-BA), determinando a proibição.

A decisão do presidente do TJ-BA, desembargador Eserval Rocha, mantém os efeitos da medida proibitiva do MP. Nela, a Telefônica é obrigada a se adequar “aos parâmetros estabelecidos pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), no prazo de 45 dias”, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. A medida ainda determina que a empresa “garanta a estabilidade de sinais nas linhas móveis de telefone e internet, já no prazo de 45 dias” e que “apresente dados sobre ampliação de alcance da qualidade do sinal das bases de distribuição da zona rural do Município de Luís Eduardo Magalhães- BA”.

No pedido de suspensão da liminar, a Telefônica sustentou que a decisão “ofende a ordem e a economia públicas, vez que a proibição de comercializar novas linhas e serviços de internet móvel 3G e 4G, em 157 municípios da Bahia gerará danos irreparáveis a cerca de 7.000 revendedores autônomos que dependem de seus produtos e serviços para sobreviver”.

Após gastar R$ 1,2 milhão em fardamento com chip, Prefeitura garante novos uniformes comuns apenas em abril

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Educação | Data: 19 mar 2014

Tags:, , ,

por Mateus Novais

camisa_1O problema com o fardamento escolar também é semelhante aos da falta de carteiras, mas se agrava pelo histórico. Após gastar R$ 1,2 milhão, de 2012 a 2013, no projeto cancelado de chip nos uniforme, os alunos também estão sem receber os novos uniformes para o ano letivo da Rede Municipal de Ensino de 2014.

Os uniformes com chip apresentaram diversas queixas dos pais, como durabilidade das peças, que não teriam resistido às lavagens constantes, e falta de funcionamento do sistema. Além disso, a própria Secretaria Municipal de Educação admitiu que a redução da evasão escolar nas unidades foi de apenas 2%, após a adoção dos uniformes com chip.

Para entregar os uniformes novos, sem chip, para os alunos, o investimento é bem menor do que foi gastado nos últimos dois anos. “O investimento será de aproximadamente de R$ 500 mil”, diz a Prefeitura Municipal, por meio de nota. Segundo a mesma nota, “o fardamento escolar já foi licitado e o contrato assinado. A previsão de entrega é para abril”.

Atualmente a rede municipal de Vitória da Conquista conta com cerca de 42 mil estudantes.

Prefeitura coloca Vitória da Conquista na Folha de São Paulo

0

Publicado por Editor | Colocado em Educação | Data: 21 out 2013

Tags:, , ,

da Redação

Na tentativa de esconder o péssimo desempenho das escolas municipais em Vitória da Conquista, a Prefeitura inventou o chip no uniforme escolar jogando fora mais de R$ 1 milhão. A atual administração, responsável pelo desastre na avaliação do IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, continua patinando sem conseguir implantar um modelo que possa restaurar o ensino fundamental nas escolas do município. O professor não recebe a devida atenção, denúncias de transporte irregular e merenda escolar de baixa qualidade são marcas de um governo que não prioriza a Educação.

A Folha de São Paulo, um dos mais importantes  jornais do Brasil,  destacou recentemente uma matéria sobre a implantação do chip no fardamento escolar  que serviu apenas  para a Prefeitura investir muito dinheiro na propaganda enganosa. O Prefeito Guilherme Menezes (PT), carrega com a sua administração, além do pífio desempenho na Educação, índices vergonhosos na qualidade do SUS refletindo na baixa qualidade no atendimento hospitalar e nas Unidades de Saúde da Família. Confira a reportagem da Folha:
19/10/2013 – 04h00

Cidade baiana abandona projeto de colocar chip em uniforme escolar

Publicidade

MÁRIO BITTENCOURT
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM VITÓRIA DA CONQUISTA (BA)

Ouvir o texto

Uma solução tecnológica pioneira e milionária, que prometia acabar com a evasão escolar em Vitória da Conquista (BA), foi abandonada pela prefeitura.

O projeto de R$ 1,1 milhão que monitorava a chegada e saída de alunos nas escolas através de um chip no uniforme se resume, hoje, a um adereço na manga das camisetas, sem qualquer utilidade.

A ideia era que, quando os alunos passassem pelo portão da escola, os pais recebessem uma mensagem no celular. Um sensor na porta do colégio detectaria o aluno que estivesse usando o uniforme com o chip.

O projeto, contudo, patinou deste o início: pais receberam mensagens com horas de atraso ou até “alarmes falsos”, chips se descosturaram das camisetas e houve atrasos na entrega dos uniformes.

Divulgação – 21.mar.12/Prefeitura de Vitória da Conquista
Aluna com uniforme com chip em escola municipal de Vitória da Conquista (BA); cidade abandonou o projeto
Aluna com uniforme com chip em escola municipal de Vitória da Conquista (BA); cidade abandonou o projeto

EXPECTATIVA

Implantado de forma experimental em 2011, o projeto previa monitorar 17 mil alunos de 25 escolas municipais em 2012, num contrato entre a empresa DaCosta & Chiara e a gestão do prefeito Guilherme Menezes (PT), mas sequer começou a funcionar em alguns colégios. …Leia na íntegra

Projeto dos uniformes com chip poderá ser extinto

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 30 jul 2013

Tags:, , ,

da Redação

chip-uniforme-vitoria-da-conquistaUm ano e quadro meses após a implantação, os uniformes com chips comprados pela Prefeitura de Vitória da Conquista estão se esgotando.

O projeto incluía 25 escolas municipais, atendendo mais de 26 mil estudantes, entre 6 e 14 anos, com custo total de R$1,2 milhão.

Segundo o jornalista Muller Nunes, em matéria publicada no jornal A Semana, o projeto está sendo reavaliado. Segundo a secretaria de educação, existem três possibilidades: abrir licitação para outras empresas com novas tecnologias, fazer os ajustes do projeto ou encerrar.

“Tivemos problemas com as operadoras de telefonia, mensagens não chegavam na hora certa nos celulares dos pais, a conexão de internet também deixou a desejar”, disse o secretário municipal de educação, Ricardo Marques.