Prefeitura e Caixa se reúnem mensalmente para operar convênios

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 21 nov 2017

Tags:, , ,

da Redação

Na tarde desta segunda-feira (20), técnicos da Prefeitura, e da Caixa Econômica Federal estiveram reunidos para facilitar e agilizar a liberação de recursos provenientes de convênios que são firmados com o Governo Federal.

As reuniões vêm acontecendo mensalmente, e conta com as presenças do prefeito Herzem Gusmão (PMDB) e Ismael Boaventura Neto, Superintendente da CEF – secretários Esmeraldino Correia (Mobilidade Urbana), José Antonio (Infraestrutura) e Marcos Ferreira (Gabinete Civil), e mais os  engenheiros do Governo Municipal e da Caixa. A Emurc foi representada pelo presidente Marcelo Guerra.

Empréstimo

Além dos recursos já em operação, com financiamento para a Perimetral, Av. Olívia Flores, Av. Bartolomeu de Gusmão, Av. Regis Pacheco e terminal de ônibus da Av. Lauro de Freitas, e outros, a Prefeitura iniciou entendimento com a CEF para viabilizar empréstimos para pavimentação e drenagem que poderão chegar a R$ 70 milhões.

Idosos são os que mais desistem de convênio

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil | Data: 13 ago 2016

Tags:, , ,

da Redação
Com informações do Agora (SP)

PlanoOs usuários mais velhos são os que mais desistem dos planos de saúde, segundo pesquisa realizada pelo Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor). O estudo ouviu 641 consumidores entre os dias 5 de maio e 5 de junho, na internet.

Desse total, 55% dos que cancelaram o contrato tinham mais de 49 anos no caso dos planos individuais. Nos coletivos, o número salta para quase 60%. À medida que a idade avança, também sobe a desistência: 35% dos que haviam cancelado o plano tinham mais de 59 anos.

Para o gerente técnico do Idec, Carlos Thadeu de Oliveira, a queda de renda nessa faixa etária explica os motivos da desistência. “Os consumidores mais velhos se veem obrigados a desistir do plano de saúde justamente no momento em que mais precisam de cuidados médicos por falta de capacidade de pagamento”, avalia.