Coordenador do Núcleo Regional de Saúde pede criação de Centro de Zoonoses em Conquista

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Saúde | Data: 24 fev 2015

Tags:, , ,

por Mateus Novais
foto: reprodução Google

diresOs constantes registros de leishmaniose (calaza) na região Sudoeste da Bahia fizeram o coordenador da Vigilância Epidemiológica do Núcleo Regional de Saúde, Eliezer Almeida, se manifestar em prol da criação do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). Para ele, a implantação do espaço na terceira maior cidade do estado é “urgente”.

Os CCZ são unidades de saúde pública que têm como atribuição fundamental prevenir e controlar as doenças que podem ser transmitidas entre os animais e o homem, como raiva, leishmaniose e doença de chagas, desenvolvendo sistemas de vigilância sanitária epidemiológica.

De acordo com o coordenador do Núcleo Regional de Saúde, “Vitória da Conquista é um município referência, que converge outros municípios do sudoeste e o norte de Minas Gerais. E, com o fim das antigas Dires e criação dos Núcleos Regionais de Saúde, Conquista saltou de 19 para 73 municípios atendidos”, declarou à repórter Mônica Cajaíba. Por isso, Eliezer Almeida, afirma que a cidade “deveria começar a pensar em implantar urgentemente um centro de controle de zoonoses para atender toda essa demanda”.

O controle de animais domésticos, população de cães e gatos e animais de grande porte é tarefa importante de uma CCZ. Morcegos, pombos, ratos, mosquitos e outros vetores de transmissão de várias doenças são monitorados pelas unidades CCZ.

Casos de leishmaniose no Sudoeste preocupam; doença pode levar à morte

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Saúde | Data: 24 fev 2015

Tags:, ,

por Mateus Novais

leishmanioseO levantamento dos casos de leishmaniose (calazar) na região Sudoeste da Bahia preocupa as autoridades de saúde do estado. Ao todo, foram registrados 18 casos nas cidades próximas a Vitória da Conquista em 2014. Por se tratar de uma doença “negligenciada”, a preocupação é redobrada, já que pode levar a morte em até dois meses.

A doença é transmitida por um mosquito, que infecta animais domésticos, como cães, e acaba retransmitindo para o ser humano. De acordo com o geógrafo e coordenador da Vigilância Epidemiológica do Núcleo Regional de Saúde, Eliezer Almeida, explica que a doença se torna mais preocupante em crianças e idosos, pela baixa imunidade, e pode levar à morte. “Não há uma estimativa concreta, mas podemos afirmar que, se não houver tratamento, entre 10 dias a 2 meses, a pessoa pode morrer”.

Em entrevista à repórter Mônica Cajaíba, o coordenador explicou que há “doenças que chamamos de negligenciada, como doença de chagas, esquistossomose e outras. Nós temos a dengue, que é uma doença ‘elitizada’, e esquecemos esses outros agravos que é tão importante quanto a dengue. A leishmaniose, por exemplo,está entre as cinco maiores doenças endêmica, segundo a Organização Nacional de Saúde”. Ele ainda salientou que, em cinco municípios da região, incluindo Vitória da Conquista, a “transmissão é intensa”. “Em Barra do Choça houveram 10 casos de leishmaniose tegumentar em 2014 [que provoca graves danos na pele]”. Já em Mirante, houveram 4 casos do tipo visceral [ mais grave e que pode levar a morte], assim como em Vitória da Conquista (2), Tremedal e Pres. Jânio Quadros (1). “Vale ressaltar que, em 2007, Anagé e Caraíbas houve quatro mortes”, finalizou Eliezer Almeida. …Leia na íntegra