O Calvário do Rafael

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 10 dez 2016

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

NandoO Dr. tava se sentindo o dono do mundo, em 1947 com um diploma de medicina, estava realizado. O juramento de Hipócrates ainda estava na ponta da língua. Ele era noivo, a primeira providência de Maria foi apressar o casamento, não podia perder aquele médico em hipótese alguma, foram treze anos de noivado. O Dr. tava tão entusiasmado que só tirava a roupa branca pra fazer as necessidades, tava naquela fase que ninguém podia tossir perto dele sem ter que escutar o diagnóstico. Já tinha retalhado a família toda: era a unha encravada de um, a garganta de outro, todos provaram do seu bisturi. Quando os pacientes de sua casa acabaram, o jeito foi partir para os parentes da noiva. O primeiro escolhido foi Rafael, era um rapaz de mais ou menos quinze anos que caiu de se queixar de uma dor no canal enquanto urinava. O Dr. nem esperou ele terminar de contar os sintomas, grudou-o pelo braço e deu o diagnóstico: “Isto é fimose, nós vamos agora mesmo cortar esse bico de candieiro”. Rafael teve que concordar com a cirurgia mesmo sem querer. Além da noiva do Dr., que era sua prima, sua mãe e mais uma tia fizeram a maior pressão. Se ele recusasse iria ferir os brios do futuro primo. …Leia na íntegra

Briga de “dotô”

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 30 out 2016

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

NandoTodo país considerado desenvolvido tem como prioridade a educação. Um povo educado sente necessidade de melhorar o ambiente em que vive, gerando cada vez mais progresso. Para que o brasileiro se enquadre nesse processo, é necessário se conscientizar de que nem só de médicos, engenheiros e advogados se constitui uma nação. É preciso que eduquemos nossa maneira de educar, pois se continuarmos assim, daqui mais algum tempo o mercado de trabalho vai ficar igual a briga de galo ruim: só dá empate!

O calor tava de matar: 40 graus à sombra, uma fila quilométrica de gente mal humorada; pareciam estar de mal com a vida. E foi nesse ambiente que Dr. Antônio Habeas Corpus (advogado) e Dr. José Óbito Silva (médico) quase que saíram no tapa, além de destruir uma amizade de longos anos. Quem começou o bate-boca foi Dr. Óbito Silva: …Leia na íntegra

Rei morto, rei posto

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 06 fev 2016

Tags:, ,

Por Nando da Costa Lima

Nando

Roduzino Ferrão era um homem distinto, rico e religioso, só tinha um defeito: além das 5 famílias espalhadas pela cidade, tinha mais umas 15 namoradas que nunca se queixaram de nada. A única mulher que dava trabalho ao garanhão era dona Marinalva Ferrão, a oficial. Diz o povo que Roduzino era respeitado só por ser casado com ela, todo mundo tinha medo daquela jararaca. Além de pesar quase duzentos quilos de músculos, era a mãe da ignorância, adorava uma briga. Mesmo sendo “braba” como era, ela não conseguia evitar o descaramento do marido, ele era um retado, era coisa de cinema. De dez mulheres que ele dava em cima, nove ele levava pra cama, era o rei absoluto das mulheres desamparadas. Só ia em velório de homem e já saía do cemitério de braço dado com a viúva.

Um dia Roduzino viu seu reinado ameaçado, é que chegou na cidade um tal de Florisvaldo Silva, pelo que lhe falaram era um sério concorrente, além de não ser casado era poeta. A mulherada frechou em cima, era Flori pra cá, Flori pra lá, Roduzino já tava pra endoidar de ciúmes, pensou até em mandar o rival pro inferno, só não mandou porque ia dar muito na vista, mas devia ter um outro meio de espantar aquele poeta atravessador, era só pensar com calma. Enquanto Roduzino pensava, Florisvaldo gozava das mordomias, por ser poeta, isto aumentava ainda mais a sua popularidade com a mulherada. Já chegava com um verso pronto. …Leia na íntegra

Angu de caroço

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 01 ago 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

NandoAqui pra nós… Eu acho que a CBF tá querendo acabar com o futebol brasileiro. Tão querendo oficializar outra modalidade de esporte no país (talvez o dominó ou palitinho), é a única coisa que podemos imaginar depois da Copa. Não dá pra entender como se tira um técnico prepotente, egocêntrico e mal-educado e se coloca um mal-educado, egocêntrico e prepotente. Escolhido por um comerciante indicado pra coordenar todas as seleções. Vendo o histórico do ex-goleiro Gilmar, só um idiota não reconhece que na realidade ele é comerciante, foi goleiro por acaso. Quando contratou um treinador desempregado e desacreditado pelo povo, já foi com a intenção de influenciar diretamente em todas as atitudes que um técnico desses deve tomar. Dunga não vai escalar ninguém sem antes ter o aval de Gilmar. Talvez Gilmar o deixe convocar Fred, não como jogador, mas como assistente para evitar que o centroavante que menos pegou na bola na história das Copas passe os próximos quatro anos isolado como ele. É aquela velha história: Uma mão lava a outra. …Leia na íntegra

Solidão

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 18 jul 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

Nando

 

A vida é tão misteriosa que nem dá para entender se a longevidade é um prêmio ou um castigo… Aquela maldita tosse o perseguia como um caçador obstinado, foram anos de tortura. Não era uma tosse comum, era como se fosse um relógio de parede defeituoso que a cada cinco minutos disparava doze badaladas. Ela já nem mais falava… A tosse compulsiva era o único som que ainda produzia, a juventude e o amor de ambos já tinham dado espaço à tolerância mesmo antes dela ficar doente, apenas se suportavam! Já não havia mais segredos, as virtudes e os defeitos foram postos sobre a mesa naqueles quarenta anos de vida em comum, era tudo a mesma coisa… Quando a doença dela veio quebrar a monotonia daquele relacionamento, como toda novidade, até ressuscitou sua cordialidade, mas à medida que o mau se agravava tornando-a cada vez mais inativa e sobrecarregando seus dias, ia se revoltando com a situação, uma revolta comum a todos que passam a vida fazendo planos para o futuro e finalmente descobrem que a penúria é o grande final. E aquela tosse sequenciada sempre levava seu pensamento, não ao que foi, ao que poderia ter sido …Leia na íntegra

Eu só sei dançar forró…

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 27 jun 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

NandoDeixa a política de lado, vamos falar de música.

Eu prefiro Miles Davis… Esta frase geralmente é pronunciada displicentemente pelo dono da casa com ar de “intelectual” balançando a mão esquerda e com um copo de whisky de vinte anos estragado por muito gelo e guaraná, na mão direita… O discurso dos políticos profissionais do nosso país é mutável com o gosto musical de novo rico recebendo visita. Se o visitante pertence a uma família que tem dinheiro há mais de um século eles só escutam música clássica, caso a visita tenha “enricado” nasgestões de Vargas, eles preferem escutar Jazz. Se o convidado ganhou dinheiro na construção de Brasília, época de JK, o som não podia ser outro senão a Bossa-Nova. Mas se o visitante ficou “cheio da grana” depois da ditadura militar imposta em 64, aí eles só escutam músicas de protesto feitas na época. …Leia na íntegra

Calundu

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral, Vit. da Conquista | Data: 30 maio 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima


Nando Este BBE nós ditos racionais, aqueles que tudo que fazemos é esperando algo em troca. Que só gostamos de quem possa nos adiantar de alguma forma. Que só ajudamos quando tem alguém olhando e que este alguém possa contar ou fazer algo por você. Somos todos hipócritas fadados à mediocridade e quando conseguimos dar um passo acima da média passamos a nos achar. A questionar sobrenomes, medir poderes, julgar-se capaz de julgar, criticar e não admitir críticas, persistir nos erros desde que este lhe traga algum tipo de lucro. De chamar de gênios aos que dizem o que nos agradam… Que também são uns merdas que aderem ao status de gênio e sobem em pedestais imaginários. Fama, sucesso, dinheiro eis as metas da grande maioria dos ditos cidadãos de bem. O sonho de consumo da raça. …Leia na íntegra

O Rejeitado

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 11 abr 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

Nando Este BB

“Nóisintelectuaussemos a base do saber, sem nóis nada vai pra frente, na política todos querem o nosso apoio, a igreja faz questão de estar sempre em paz com nóis, queremos ou não, samos a elite de qualquer sistema”. Clarivaldo abriu a seção da academia em alto estilo, ele tavaretado porque tanto a direita quanto a esquerda dispensaram seu apoio, não queriam nem o voto daquele jumento engravatado. O tema do discurso era a influência do intelectual nas sociedades progressistas, o português tava meio maltratado, mas os intelectuais autênticos sempre são mais desligados, talvez já o sejam para dar ênfase à marca tão cobiçada em nosso país.Digo isso porque aqui os intelectuais se “acham”, mas são inofensivos, se julgam tão superiores que às vezes são confundidos com os loucos. São como os poetas, estes por pior que sejam pra mim sempre serão bons, pelo fato de tentarem agradar através de uma das mais belas manifestações humanas. …Leia na íntegra

Pescando piranhas

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 04 abr 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

Nando Este BBEram amigos há mais de trinta anos, todos na faixa dos sessenta, apesar de divergirem em vários pontos e serem profissionais em áreas diferentes, tinham algo em comum: eram fanáticos por pescaria e adoravam piranhas (dos dois tipos). Todo final de ano tinham um programa que era sagrado, deixavam as esposas em casa e ficavam um mês na beira do rio São Francisco, era o mesmo que estar no céu. A pescaria do grupo era famosa na cidade, eles levavam de tudo: fogão, geladeira, cozinheiro, enfermeiro. Eram dois caminhões carregados de mordomias, mas o melhor que eles levavam eram as putas, estas eram escolhidas a dedo no decorrer dos dois mil quilômetros percorridos do lugar onde moravam até o local da pescaria. …Leia na íntegra

A lucidez é a loucura policiada

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 17 mar 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

NandoPensou até em sair voando para finalizar o ato com mais classe… Mas os que não transcendem ao que já foi dito não entenderam nada! Até riram ao vê-la citar Pessoa num momento que só lágrima não bastasse para enfeitar o pavão da partida e selar sua união com o surreal! Foi quando o anjo fundiu-se ao diabo e caminhou sem pressa pelas ruas desse manicômio a céu aberto disfarçado de cidade, aqui a lógica não tem sentido!.. Andou naturalmente como se fosse um simples mortal comemorando e explicando que o homem vale o que caga! A moralidade sucumbi ao ronco da barriga faminta! Não valia mais a pena sonhar, a esperança mudou pra casa do caralho, perto do céu! É longe!.. …Leia na íntegra

‘Cê’ lembra?..

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 07 mar 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

NandoApesar de já terem passados mais de cinquenta anos, eu lembro como se fosse hoje “dotô”, era julho e o frio daquele ano tava de matar, até quem era da terra não estava suportando a friagem. O Sr. e seu colega chegavam a bater o queixo quando o vento entrava pela capota do Jeep, a professora que vinha de carona não sabia se tremia ou se fazia pose pra vocês. Ela estava indo pra ocupar uma vaga no recém-inaugurado ginásio da cidade. O Sr. e o outro Dr. faziam uma dupla diferente, um era baixo e branco o outro moreno e alto, um tratava de xoxota e o outro do coração! A professora falava tão difícil que eu não entendia quase nada, ela chamava carteiro de estafeta e motorista de cinesiforo, até hoje eu não descobri se era latim ou “ingreis”. Mas foram vocês que atiçaram a moça, foram logo dizendo que eram solteiros, tava estampado na cara dos dois a vontade de passar uma noite com aquela formosura. O entusiasmo aumentou quando vocês pararam no bar de dona Noca pra beber uma jurubeba. Seu amigo fez questão de conferir a garrafa pra ver se era da legítima, e você como todo baixinho invocado tomou duas garrafas, ficou mais conversador que novo rico dando bronca num subalterno. …Leia na íntegra

Abraço Negado

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 21 fev 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

NandoEu pensava que tudo seria diferente, mas até os sonhos envelhecem e às vezes até machucam mesmo quando realizados.

O baque que o tempo deu em meu pensamento naquela despedida fria e sem palavras apagou nossos momentos que para mim eram intocáveis. Só fizemos nos olhar nunca mais nos vimos. Nem deu tempo de desatar o nó que ficou amarrotado, roto. Como o rosto enrugado e maltratado de quem ficou para contar a história mesclandoa exatidão dos fatos com mentiras… E aquele abraço fraterno consciente de que não haveria retorno que deixei de te dar quando estava para partir me serviu de lição… …Leia na íntegra

O Beletrista

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 16 fev 2014

Tags:, , ,

Por Nando da Costa Lima

NandoFoi em Remosópolis, terra do “coroné”, que apareceu Dr. Argemiro e logo se tornou advogado e puxa-saco oficial do “coroné”Remoso. Não perdia tempo pra um discurso em homenagem ao velho, tido por ele, como se fosse seu próprio pai, citação que deixava sua mãe corada. Ela tinha lá suas duvidas se não era o próprio.

Foi dele a ideia de formar uma academia de letras em Remosópolis, pois achava que o “coroné” merecia uma colocação de destaque no mundo das letras, além de ser um velho sonho seu ser chamado de acadêmico, só Dr. era muito pouco para um homem que passou 12 anos para se formar em direito na capital mundial da pedras preciosas  e também maior produtora de advogados do país. Só existia um pequeno problema: pra ser acadêmico tinha que ter obras publicadas, mas isso ele resolveu em trinta dias. Com o financiamento do padrinho, publicou neste curto espaço de tempo, os seguintes livros: “Coronel Remoso, o Grande”, “A vida do coronel Remoso” e por último “Coronel Remoso, meu pai”, o homenageado retribuiu publicando, de sua autoria: “Eu, Coronel Remoso, sou mais eu nessa porra”. Ficando assim os dois como os primeiros a ocuparem cadeiras na academia, as outras foram ocupadas pelo padre que havia escrito um manual “Como rezar o Pai nosso” e, o romance “O meu consolo são as beatas”, o dono do armazém por ter escrito a poesia “Fiado só amanhã”, e o delegado que escreveu a polêmica obra “Como prender um ladrão pobre sem comprometer a vida dos ricos”. A oposição passava o dia criticando a aberração proposta pelo Dr. . Não era normal uma academia de letras nas mãos de semianalfabetos daquela marca, quanto mais com o coronel na presidência. …Leia na íntegra

Delirium Tremens

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 02 ago 2013

Tags:, ,

Por Nando da Costa Lima

Nando C. Lima  Como todo dono de boteco, só tinha uma coisa que Damião gostava mais que aumentar as contas da freguesia e fuxicar, era a birita! Vendia uma e bebia duas, já estava naquele estado em que o tornozelo fica parecendo um pilão. Mas era uma cachaça tranquila, não enchia o saco de ninguém…, a não ser sua mulher que toda noite acordava com ele aos gritos pedindo pra tirar a cobra de cima da cama. Marinalva já estava acostumada, nem abria os olhos, sabia que aquilo não passava de alucinação de pinga. Ela até tentou levá-lo ao médico, mas ele recusou terminantemente, pegaria mal confessar pra um médico que estava tendo alucinação, logo ele um comerciante de bebidas, além do mais seria o fim de linha pra sua fama de bom bebedor, era melhor conviver com a cobra imaginária que suportar as gozações dos amigos. Mesmo assim ela conseguiu uma consulta em casa com uma psicóloga, doutora Monalisa examinou o “bebum” e deduziu “que o paciente em questão teve uma transição desconexa do Id pressionando o Ego e desencadeando uma Cobrafobia crônica, o réptil já havia se instalado no inconsciente do paciente, causando um transtorno bipolar psico-cobrófico, um caso raríssimo.” Ninguém entendeu nada que a doutora falou e a cobra continuou aparecendo, ela até crescia… parar de beber nem pensar! O homem gostava tanto do álcool que passava as horas de folga fazendo experiências etílicas. Pra ele se não existisse álcool, o mundo morria de tristeza. Já imaginou um carnaval sem cachaça? …Leia na íntegra