Operação Malloy: sindicalista de Barra da Estiva é preso e funcionário do INSS de Conquista afastado

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Polícia | Data: 29 abr 2015

Tags:, , , , ,

por Mateus Novais

DSC_3043

A ‘Operação Malloy’ da Polícia Federal desarticulou uma quadrilha que usava sindicatos rurais para obter aposentadorias rurais de forma fraudulenta. Na ação, foi preso o presidente do Sindicato dos Pequenos Produtores Rurais de Barra da Estiva, Carivaldo de Castro Caires, e revelado a participação de um funcionário do INSS de Vitória da Conquista.

De acordo com o delegado Marcelo Siqueira (foto), chefe da PF em Conquista, as investigações tiveram início em 2012, a partir da suspeita de fraude em benefícios. A fraude funcionava da seguinte forma: por meio dos sindicatos rurais, eram emitidas para terceiros, de forma irregular, a Declaração de Atividade Rural.  De posse do documento falso, que usavam para comprovar a função de trabalhador rural, os fraudadores podiam requerer junto ao INSS os benefícios sociais. “Tem taxistas e até empresários recebendo aposentadorias como se fossem trabalhadores rurais”, afirmou o delegado.

O presidente do Sindicato de Barra da Estiva foi preso preventivamente e encaminhado para o Presídio Nilton Gonçalves. Já o funcionário do INSS de Conquista, apontado como o responsável por orientar os envolvidos sobre os trâmites necessários para obter as aposentadorias fraudulentas, não teve o nome revelado. Ele prestou depoimento e já foi afastado de suas funções por ordem judicial.

Ao todo, foram cumpridos 1 mandado de prisão, 11 de busca e apreensão, 4 de condução coercitiva, dentre outras medidas, nas cidades de Vitória da Conquista, Anagé, Ituaçu e Barra da Estiva. Segundo o delegado, as investigações continuam e mais prisões podem ser realizadas. “Vamos analisar o material apreendido. A investigação apenas começou”, frisou o delegado. A gerência do INSS em Vitória da Conquista colaborou com as investigações, fornecendo dados e pessoal.

PF cumpre 16 mandados de prisão e apreensão contra sindicatos rurais de Conquista e região

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Polícia | Data: 28 abr 2015

Tags:, , , ,

por Mateus Novais

DSC_3043A Polícia Federal em Vitória da Conquista desarticulou um grupo criminoso que se utilizava de Sindicatos Rurais para fraudar benefícios previdenciários, em especial aposentadoria rural. Nesta terça-feira (28), foram cumpridos 1 mandado de prisão, 11 de busca e apreensão, 4 de condução coercitiva, dentre outras medidas, nas cidades de Vitória da Conquista, Anagé, Ituaçu e Barra da Estiva.

Segundo o delegado chefe da Polícia Federal, Dr. Marcelo Siqueira (foto), a fraude consistia na emissão de Declaração de Atividade Rural falsa [de responsabilidade dos sindicatos], montagem de documentação, além de orientação aos requerentes e testemunhas de como estes deveriam se portar ao requererem os benefícios indevidos.

O foco principal foram os Sindicatos dos Pequenos Produtores Rurais dessas cidades e seus representantes, além de servidor(es) do INSS. Os envolvidos irão responder por diversos crimes, dentre eles falsidade ideológica, estelionato, falsificação de documentos públicos e privados, além de associação criminosa, com penas que, se somadas, podem chegar a mais de 19 anos de reclusão.

A operação, intitulada ‘Malloy’, em referência um personagem de um filme da década de 50, que fazia de um sindicato um verdadeiro “balcão de negócios” escusos, teve o apoio do Ministério da Previdência Social e da gerência do INSS local.

Itapetinga: produtores rurais dizem que estão preparados para um possível confronto

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Sudoeste | Data: 13 fev 2014

Tags:, , ,

por Mateus Novais

indiosOs produtores estão apreensivos com as invasões que estão ocorrendo nas fazendas do município de Itapetinga. Em menos de dez dias oito propriedades rurais foram invadidas por um suposto grupo de índios.

O produtor rural Cláudiomario Apolônio de Oliveira informou que os invasores chegaram disfarçados de segurança e coagiram os funcionários da fazenda. “Chegaram seis homens montados em motos, falaram para meu vaqueiro que estava vindo um grupo de baderneiros da região de Palmares e que eles estavam ali para proteger a integridade das pessoas e do rebanho. Eu falei que não precisava dessa proteção e que eles fossem embora. Eles saíram prometendo voltar, e disseram que iam conversar com a galera dele para ver de que forma resolvia isso”.

Alguns produtores já estão contratando segurança particular para proteger as fazendas de possíveis invasões. Essa situação aumenta ainda mais os riscos de um confronto. “Nós já esperamos muito, a coisa está agravando e nós vamos nos prevenir. Chegar onde eu cheguei, com a idade que eu estou. Daqui pra frente seja o que Deus quiser. Mas eu não deixo invadir minha fazenda”, disse o produtor rural Dedé Moreira.

Grupo autointitulado indígena invade fazendas em Itapetinga

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Sudoeste | Data: 11 fev 2014

Tags:, , , ,

por Mateus Novais

indiosUm grupo que se auto intitula indígena invadiu fazendas de Itapetinga na última sexta-feira (7) e estão causando apreensão nos proprietários de terras da região. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal expediu decisão que devolvia 54,1 mil hectares de terras na região de Itajú do Colônia (foto), próximo de Itapetinga.

Havia especulação que os mesmos índios de Itajú do Colônia estavam realizando invasões, agora, em Itapetinga. Mas, segundo o presidente do Sindicato Rural de Itapetinga, Adriano Alcântara, ao contrário do que aconteceu naquela cidade, “a FUNAI e as lideranças indígenas não reconhecem essa ação com legitimidade nenhuma. O que, no nosso entender, caracteriza uma ação isolada de um grupo que não podem ser chamado de indígena porque não está sob a proteção da FUNAI”.

O presidente do sindicato garante que “as terras de Itapetinga tem título de posse e que não reside qualquer questionamento judicial”. Ele também diz temer pela segurança do local. “Nós estamos em Salvador para pedir com urgência o reforço policial para o local para evitar que novas ações desse tipo aconteçam, para desocupar as fazendas que foram invadidas, evitar que se estabeleça o clima de guerra e que tragédias venham a acontecer”, finalizou.