Libertas quae sera tamen

0

Publicado por Editor | Colocado em Política | Data: 30 out 2018

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Ontem, ao acordar, longe de casa, de onde sai para sufragar meu voto, na cidade serrana que me acolheu há mais de quarenta anos, quando deixei minha soterópolis e nasci como polícia no entorno desta Vitória da Conquista, assisti uma chuva forte que lavou a cidade por horas e fez descer enxurrada, desde o alto da serra do Periperi lavando tudo, levando morro abaixo, a sujeira acumulada nos últimos dias.

Atento aos sinais entendi, como de costume, a mensagem cósmica da consagração do candidato, em quem depositei e deposito minhas esperanças, de promover a necessária assepsia e remover a imundice que vem se acumulando no país, há tanto tempo. E assim ocorreu, Jair Messias Bolsonaro, pela vontade do povo brasileiro, do Japão em diante foi acumulando votos, em enxurrada, capazes de lhe fazer eleito presidente do Brasil.

A campanha, recheada de golpes baixos, sujos, culminando com agressão física ao candidato esfaqueado em praça pública, revelou a face obscura daqueles que tentavam a todo custo se manter no poder, única e exclusiva pretensão do P.artido T.enebroso que levou o país a bancarrota.

Toda uma gama de desmandos foram praticados nesta nação, desde que Lula assumiu o poder, reelegeu-se, enfiou um fantoche no governo e tentou emplacar outro seu protegido, agora na presidência, mesmo preso, condenado por corrupção, com sentença confirmada em instancias superiores.

Frise-se, seu candidato, a quem havia feito prefeito da maior metrópole sul americana, implicado em três dezenas de processos, por improbidade e desvios diversos foi considerado o pior prefeito de São Paulo, mas, a ambição incontida de Luis Inácio sempre insistiu em apostar nos piores nomes, posto, marionetes fazem parte da preferência daqueles que desejam a perpetuação no poder.

José Dirceu, gênio do mal que arquitetou o plano de fazer do Brasil, o centro latino americano da ditadura do proletariado, acertou em quase tudo, todavia, não contava com a personalidade doentia da figura que escolheu, em razão do carisma que guardava Lula, como artífice mor do seu projeto. Criou um monstro que o engoliu, como de resto a toda estrutura trepada sobre um mar de lama, onde afinal se fez afundar.
Além disto, há que referir sobre a mão perfeita do Soberano que, de Roberto Jeferson, ao incongruente Joaquim Barbosa – no mensalão – seguindo na direção do competente Sérgio Moro, suporte máster da operação lava-jato foi revelando as entranhas podres da quadrilha que assaltou o país nos derradeiros anos.

O dinheiro desviado no “petrolão”, os milhares de dólares destinados, via BNDES, a países americanos e a africanos, para viabilizar a corrupção, recursos que poderiam ter sido aplicados no Brasil são prova inconteste, de que o interesse dos petistas nunca foi atender as necessidades do povo brasileiro, na verdade, tão somente guardavam propósito de engordar os bolsos dos falsos patriotas e atender ao projeto de poder fomentado no Foro de são Paulo.

Porém, tudo é finito neste mundo terreno, assim, o tempo do grupo que por quase duas décadas comandou, da pior forma, os desígnios desta terra chegou a seu termo. A partir de janeiro confiamos que outros rumos serão trilhados e poderemos retomar o crescimento, viver dias de prosperidade, segurança e paz vendo as instituições, sobretudo a família, célula mãe da sociedade, fortalecidas. Por isto, mais de cinquenta milhões de brasileiros depositaram seu voto nas urnas e elegeram o capitão como presidente.

A campanha foi dura. Conhecidos e até amigos fraternos entraram em rota de colisão, frente as preferências nos candidatos que ao final polarizaram a disputa, contudo, a hora agora é de entendimento e união de esforços, para apoiar e fiscalizar aquele que foi guindado ao cargo na força da escolha independente. O mau exemplo do derrotado, que no seu discurso, após o resultado, não menciona o vitorioso e nem o cumprimenta, como de praxe, não deve ser seguido, posto revela postura antirepublicana e antidemocrática.

Pouco importa se na Bahia, minha terra, Bolsonaro não foi vitorioso. Em setembro de 1822, quando proclamada a independência brasileira pelo Príncipe Regente, os ventos da liberdade apenas sopraram por aqui, tardiamente, após as pugnas sangrentas dos nossos índios, negros, caboclos e mamelucos, quando muitos perderam suas vidas, para que afinal fosse percorrido o Corredor da Vitória, em dois de julho de 1823.

Nos próximos dias volto, com o corpo e alma lavadas para o regaço dos meus, os abraços de minha amada e juntos, como fazemos sempre haveremos de caminhar, sob as mesmas arvores seculares que sombrearam os heróis da nossa independência, em direção à Igreja de Nossa Senhora, para agradecer a vitória e rezar, na certeza de que haverá de chegar o dia, em que a Bahia estará também liberta do P.artido dos T.enebrosos.

VDC, 29 de outubro de 2018
Valdir Barbosa

Agradecimento de Valdir Barbosa

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Política | Data: 08 out 2018

Tags:, ,

Por Valdir Barbosa

Amigas e amigos,

Cuido de agradecer, aos 2.640 eleitores que acreditaram nas minhas propostas e referendaram meu nome, nas urnas da Bahia, neste derradeiro pleito.

Sinto-me orgulhoso por isto, na medida em que são pessoas as quais, na esteira do propósito por viver num cenário mais seguro, nesta terra que amamos, onde atualmente grassa tanta violência, portanto, sem nenhum outro tipo de interesse, repercutiram  minha candidatura.

Em especial, para Roberta, minha dedicada mulher, meus filhos, João Gabriel, Gabriela e Rafael Lopes, à sobrinha Ana Paula, bem como a Mateus Almeida, a quem também dedico consideração filial, figuras incansáveis que nos últimos meses entregaram sua vida e sua alma, ao mister de ver exitosa minha pretensão em ocupar uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado, minha inolvidável gratidão.

Estendo este agradecimento, a dezenas de fraternais mulheres e homens, colegas e amigos que de forma idêntica sacrificaram seus interesses, nas derradeiras semanas, desde quando a campanha teve início, com os mesmos propósitos, a quem deixo de nominar para não cometer injustiças, ao não citar quaisquer destes.

Repeitando a decisão dos eleitores, me ponho ao dispor de todos e confio que ainda há esperança. Nesta certeza rogo a Deus ilumine os escolhidos, a fim de que possam realmente operar as mudanças necessárias ao bem estar do povo baiano, cumprindo promessas feitas e repetidas, sobretudo nas áreas essenciais  – educação, saúde e segurança.

Finalizo, sugerindo votem todos com consciência cidadã, no segundo turno, responsável por escolher aquele que irá governar nosso País, nos próximos quatro anos.

Em meu pensar e por tudo sobejamente conhecido, quanto ao perfil dos candidatos concorrentes, Jair Bolsonaro é o melhor nome.

Que Deus nos proteja,

Abraços,

Valdir Barbosa

Valdir Barbosa reafirma candidatura a deputado estadual

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Política | Data: 15 ago 2018

Tags:, ,

banner alfa park
da Redação
Com informações da Assessoria do candidato

Integrante da Polícia Civil, Valdir Barbosa, ex-Delegado Geral do Estado da Bahia, com destacada atuação em Vitória da Conquista e região confirma sua candidatura, a Deputado Estadual, pelo PPS, partido atualmente coligado com o PHS, PSL e PRTB.

Nos próximos dias, juntamente com o Presidente Estadual do PPS e representante na Câmara Municipal de Salvador, vereador Joceval Rodrigues, postulante a uma cadeira na Câmara Federal irão promover encontro nesta cidade, no intuito de celebrar a parceria de ambos, assim como referendar o nome de Claudio Ortis, na direção da Executiva partidária local.

Valdir Barbosa (PPS) coloca o nome como pré-candidato a deputado estadual

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Política | Data: 25 jun 2018

Tags:, , ,

da Redação
Foto: Bocão News

O ex-delegado Geral da Polícia Civil, Valdir Gomes Barbosa, integra a Polinter – Polícia Interestadual na atualidade. Sempre foi um destacado homem da Segurança Pública na Bahia, com destacada atuação nas investigações que ganharam grande repercussão na mídia.

Na política estreou nas eleições de 2016 na condição de candidato a vereador, mas não encarou a campanha como deveria, faltou divulgação, e mesmo assim alcançou boa votação.

O escritor Valdir Gomes Barbosa continua no PPS e anunciou que é pré-candidato a deputado estadual no campo das oposições na Bahia, e em Conquista será mais um pré-candidato em sintonia com o prefeito Herzem Gusmão (MDB).

Agora são 7

Além do ex-delegado Valdir Gomes Barbosa, a cidade de Vitória da Conquista apresenta mais 6 pré-candidatos a deputado estadual, sendo eles: Sheila Carvalho (DEM), João de Aragão Correia Fonseca (PTC), Vonca Gonçalves (PSL), Esmeraldino Correia (PSDB), Gilmar Ferraz (MDB) e Lúcia Rocha (DEM).

O prefeito Herzem Gusmão avalia como muito positiva a existência de 7 pré-candidaturas as 43 vagas na Assembleia Legislativa da Bahia. “São bons nomes, e devem continuar na disputa. Em julho, espero que uma pesquisa possa balizar e indicar dois nomes com mais condições de continuar na disputa”, tem declarado o prefeito em várias entrevistas à imprensa.

Trinta e Oito Canela Seca

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia | Data: 25 jun 2018

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Na segunda feira desta semana findando, me pus a caminhar, tão logo o sol derramou seus primeiros raios dourando a bela lagoa postada numa das entradas de Itapetinga, cartão postal da cidade que me viu nascer como homem de policia, no abrir dos idos de 1976.

O domingo voara, pois estive na companhia de filha, genro, netos e amigas e amigos, tais quais, Jeremias do INSS, Benjamim Matos, provando as delícias dos acepipes de Joanita Xavier, maga da cozinha naquelas paragens, não tendo sido completa a festa, por conta da pífia apresentação do time brasileiro, frente à Suíça.

Pude ver viatura da Policia Militar, em serviço de ronda passando pelas imediações do Tiro de Guerra, nela – camionete nova, do tipo Ranger – dois prepostos devidamente paramentados e armados convenientemente.

Adiante, vez seguia em marcha acelerada ultrapassei dois senhores, para mim desconhecidos, porém, pude ouvir o teor de seu colóquio e agora cuido de reprisar fala de um destes: “Naquele tempo era fusquinha, um trinta e oito canela seca, nada de colete a prova de balas, nem fuzil, mas o povo respeitava a polícia”. Obviamente, aqueles homens simples tratavam de uma questão realmente preocupante nos dias correntes, a inversão de valores. …Leia na íntegra

Sinais

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 19 jun 2018

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Sempre estive atento aos sinais que brotam em nosso íntimo, desde quando, ainda muito jovem sentia os efeitos daquilo costumeiramente chamado, intuição.

Meu dileto amigo Pedro Lino, parceiro do tempo juvenil, a época do Colégio Antônio Vieira, os intitula bolhas. Segundo diz, elas são levemente estouradas em nosso juízo, a título de advertência, ou indicação ao quanto respeita qual caminho deveremos seguir, na possibilidade de acertar face às suas iluminações.

Estudiosos dos mistérios ligados à transcendência vão além, com base nas verdades da doutrina espírita elevando ainda mais, justificativas capazes de explicar ditos fenômenos. Neste viés pode ocorrer, em contrapartida a influência negativa de entidades obsessoras.

Hoje, me pus diante de uma destas situações e por conta disto estive a salvo de praticar erro imperdoável. Precisei vir a Vitória da Conquista tratar de assuntos pessoais e profissionais, fim de semana estiquei minha visita à rainha da pecuária baiana – Itapetinga – onde pude rever filha, netos e genro, afinal marquei meu retorno de volta para casa, nesta manhã. …Leia na íntegra

Exemplos, Bônus e Ônus

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Vit. da Conquista | Data: 03 jun 2018

Tags:,

por Valdir Barbosa

Creio ter sido o tempo da quarta copa do mundo, destas dezessete que este mês se completarão, do rol de todas havidas desde quando vim ao mundo. Falo, portanto, do certame realizado em 1966.

Digo isto, posto vivia o agitado tempo de adolescente, do qual fui fugindo, após ingressar na Universidade Federal da Bahia, onde cursei Direito, cujo vestibular se deu na abertura da década de setenta, época na qual me pus a alisar bancos acadêmicos, antes de completar dezoito eras.

Rememoro assim, situações que pude testemunhar, dentre outras marcantes vividas na gráfica do velho Gomes, meu saudoso pai, instalada em prédio existente na Ladeira da Praça, antes da construção que até hoje abriga a sede do Corpo de Bombeiros.

Pude vê-lo colocar quase a empurrões, para fora do estabelecimento de onde tirava seu sustento e da família, figura da política municipal do interior do Estado e outra, envolvida com atividades ligadas ao Departamento de Transito, no caso, um despachante. …Leia na íntegra

Mães e Vidas

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 19 maio 2018

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Desde o último final de semana, cujo domingo esteve dedicado por homenagear as mães, toda a imprensa, falada, escrita, televisada, redes sociais à mancheia alimentando manifestações divergentes de políticos, críticos e analistas do comportamento humano, têm voltadas atenções para o episódio da mãe policial, que na porta do colégio onde estuda a filha reagiu diante de agressão perpetrada contra diversas senhoras, postas no local junto a suas crias.

Indivíduo, acerca do qual se soube em seguida ter vasta folha de antecedentes criminais, empunhando perigosamente arma de fogo voltada na direção das vítimas, anuncia um assalto, por provável na intenção de tomar o maior numero de pertences, das pessoas que ali se achavam presentes.

Toda cena é registrada com nitidez, por câmera de segurança e suas imagens revelam a postura decidida da mulher. Ela saca pistola guardada na bolsa que trazia consigo e dispara algumas vezes contra o agressor que se prostra ao solo deixando cair atrás de si, o objeto beligerante, com uso do qual, segundos antes pretendia concluir a ação criminosa. …Leia na íntegra

Dia Das Mães

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 13 maio 2018

Tags:,

                                         

Por Valdir Barbosa
Hoje, segundo domingo de maio caindo no dia 13, época em que se convencionou dedicar às mães, duas datas magnas também são comemoradas.

Na Cova da Iria, em 13 de maio de 1917, a Mãe das Mães aparecia pela vez primeira aos pastores meninos, fenômeno que se repetiu por seis meses seguidos, lhes revelando três segredos. Ali foi construído Templo, em louvor ao milagre, agora, palco de romarias incessantes, destarte, até lá, milhares pessoas vindas de todas as partes do mundo rezam sem parar, diante do cenário abençoado.

Da varanda do meu canto, prolongar do ambiente onde escrevo estas linhas, me permito ver a capela de N. S. de Fátima, contígua ao colégio no qual obtive as bases do conhecimento e aparas de meu caráter, palco no qual transitei dos cinco aos dezessete anos, o secular Antonio Vieira, Santuário igualmente construído em Sua Glória.

Nesta mesma data, no Rio de Janeiro, naquele idos de 1888, a mãe dos cativos, com sua pena áurea, decreta o fim da escravidão. Nos horrores dos navios negreiros, nas lidas sob o chicote dos feitores – malfeitores -, milhares de seres humanos arrancados de suas pátrias sofreram por séculos, as agruras impiedosas da sujeição.

Nos versos de Castro Alves, nas vozes de José do Patrocínio, Joaquim Nabuco, André Rebouças, Luis Gama e outros abolicionistas, a energia contagiante de seus ideais atravessou os muros da intransigência, até que a Princesa Isabel rasgou corajosamente os tempos de iniquidade, rompendo grilhões.

Assim são todas as mães a quem nesse dia rendemos homenagens. Seus segredos revelados, ou não, em cada berço de qualquer nascituro, por mais humilde seja a realidade do recém-chegado têm a dimensão de um milagre, apenas factível de ser concretizado, na sublimação da condição materna.

E suas mensagens, a par do manto protetor que jamais deixa de abrigar o filho, não se repetem mês a mês. Elas são perenes cânticos de estímulo, estradas de atenção, fortes de abrigo, mares de ternura, noites de vigílias, madrugadas de espera, ondas de esperanças, exemplos de superação.

Escravas por opção, no ato de se dar sem reservas, declinam da alforria quando entregues aos senhores vindos de suas entranhas, portanto, ligados a si mesmas por laços impossíveis de partir. A servidão pela maternidade não lhes faz sentir reprimidas, por maiores sejam os sacrifícios decorrentes dela – abrigar no ventre, por no mundo, amamentar, curtir noites insones. Os jugos desde a tenra idade indo adiante sem linha de chegada, não lhes causa revolta, jamais pretenderão estar libertas deste encargo, mesmo porque darão tudo, se preciso for, na ânsia de continuar outorgando-lhes amor, como disse Gibran.

Louvando N. S. de Fátima, laureando Princesa Isabel, lembrando minha doce mãe, minhas irmãs, mães como ela, as mães de meus filhos, enteados e minha esposa, cativa de João, seu grande amor – sou mero e orgulhoso apêndice no cenário – brado em alto e bom som, com a alma repleta de emoção e jubilo, por tê-las reencontrado neste plano passageiro:

FELIZ DIAS DAS MÃES A TODAS AS MÃES DO UNIVERSO.

Cruzada Cidadã

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 06 maio 2018

Tags:,

                                         

Por Valdir Barbosa

A nação inteira sofre com o aumento assustador da violência.  Praticamente regra sem exceção, certo é, nos quatro cantos desta terra continental, crimes dos mais variados potenciais ofensivos assolam o país, deixando um rastro de destruição gerando angustia e medo.

Rincões longínquos, pequenas cidades interioranas, antes pacatas, cantos paradisíacos, litorais tranquilos, ilhas bucólicas, antigos refúgios de muitos que buscavam paz e tranquilidade, de repente se transformam em palcos de crimes hediondos, cenas de assaltos com cunho cinematográfico.

São prepostos policiais impedidos de deixar quartéis e delegacias, enquanto dezenas de indivíduos sitiam cidades, por horas, portando armas potentes, artefatos explosivos, com enorme poder destrutivo, para arrasar agencias bancárias, tesourarias de empresas responsáveis por segurança de valores, dos quais conseguem subtrair quantias vultosas, cujos recursos são utilizados em favor dos delinquentes.

Além disto, ditos numerários financiam facções, enquanto seus líderes, mesmo encarcerados desafiam o poder publico comandando, sobretudo, o trafico pesado de drogas, quiçá o maior dos flagelos da sociedade moderna, sem duvida, fator da ensandecida violência que grassa impiedosamente. …Leia na íntegra

Cem anos do mestre

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia | Data: 20 mar 2018

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Ainda não era setenta. Falo de mil novecentos e setenta. Quis o destino, pelos corredores jesuítas, vieirenses pudesse seguir ao encontro de um grande homem, assim como meu pai. Sim, desde então entendi que a grandeza do caráter, o brilho da inteligência são características singulares, capazes de fazer figuras com pouco mais de metro e meio, gigantes em tudo.

No Colégio Antônio Vieira, onde pude encontrar as bases responsáveis por ser letrado, me tornei amigo de alma siamesa, sua filha, Ângela Chaves, amizade que conservo até hoje e para todo sempre, mesmo porque, o cosmos reserva passado presente e futuro, àqueles que nunca deixaram e deixarão de caminhar lado a lado.

Digo do Mestre Raul Chaves. Acordava ele, quando o relógio badalava próximo às dez da manhã. Seu café, sempre servido no quarto da casa linda postada ao limiar da Avenida Centenário, era sagrado. Lembro-me, certa feita, levado pelo professor a congresso na capital pernambucana, dentre figuras hoje representativas do cenário técnico jurídico da Bahia, a exemplo do ínclito Professor Fernando Santana, de meu caríssimo amigo, Conselheiro Pedro Lino, além de Ângela e outra figura inolvidável, Lucy,  funcionário do hotel recusou entregar o repasto matinal, nos aposentos onde ele se achava, não prestavam dito serviço. Pude ouvi-lo dizer, “há mais de trinta anos meu desjejum é servido na cama onde durmo” e, diante das suas assertivas veementes, nada restou, senão quebrar o protocolo da hospedaria. …Leia na íntegra

Feliz ano novo

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 31 dez 2017

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Myself

No limiar de nova etapa, outro ano chegando, penso sobre o divisível tempo e na individualidade do ser, fatores deveras importantes, responsáveis por colorir a vida da forma especialíssima, sob a qual ela se apresenta e nos ensina, através do óbvio. Aliás, muitas vezes deixamos de viver momentos significativos, pela incapacidade de entender o simples, por não saber que na simplicidade reside o segredo da realização.

Quem dividiu o tempo em milésimos de segundos, e tudo que existe é obra do Magnânimo, o fez na plenitude de Augusta sabedoria. Fosse o tempo um bloco indivisível, nada debaixo do sol teria força e beleza, posto que a dinâmica da vida faz tudo ser diferente a cada instante sendo responsável por apagar as trevas acendendo, no instante seguinte ao opaco, luzes renováveis. Por mais que a noite pareça interminável, ela sempre irá sucumbir a claridade do dia, onde reside a certeza da esperança imortal.

Assim como a fração do tempo é diversa do anterior e daquele por vir, cada alma guardada no invólucro material dos humanos é única. Não haverá, por mais siameses sejam dois seres, inexistirá em qualquer vivente gêmeo, aparentemente idêntico, a despeito de perfeita similitude, igualdade plena entre pares, duas pessoas iguais. Cada homem e mulher é único, nos quereres, anseios, desejos, ambições, vontades, dúvidas, verdades e mentiras. Destarte, assim como o tempo é inexorável e irretornável, o ser humano é inexplicável e particularíssimo, portanto, ambos são admiráveis e tentadores.
Vive-se, muitas vezes, na saudade das eras passadas e no desejo de pretender antecipar fatos do futuro esquecendo de fazer história no presente. …Leia na íntegra

Viva a Vida

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 29 nov 2017

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Dizem que o tempo passa rápido, na verdade ele, o tempo, não caminha rápido nem devagar, sua dinâmica se basta por si mesma, induvidosamente viaja na velocidade certa, perfeita e acabada. A ansiedade do ser humano é quem responde por estas situações que dão a algo tão justo, uma feição destorcida. Seres capazes de meditar, mergulhar nas nuances escondidas no espírito atemporal vivo em cada uma das criaturas, sabem disto.

Ontem decidi voltar no tempo, da forma como faço vez em quando e mergulhei nas praias dos meus primeiros banhos profissionais. Assim também o fiz na direção da realidade onde plantei uma das sementes amorosas, dentre tantas deste meu viver um tanto alucinado e renasci no relicário das memórias.

Netos, filha e genro amorosos cuidaram de fazer, entre pessoas muito caras, um banquete para mim, então, fui recebido como rei, no canto onde são hoje estes descendentes, tudo quanto não seria capaz de entender assim seriam, desde quando as coisas viajam em progressão, tal qual círculos concêntricos. O cenário aparentemente igual revela uma espiral ascendente imponderável, aos que disto não entendem, capaz de continuar na sua evolução irreversível.

E o dia voou, como voam pássaros detentores da capacidade de seguir, sempre acima das nuvens brancas ilustrando o céu. Nos eflúvios das doses de alegria, misturados entre conversas e sons especiais, sob goles de bebidas finas e iguarias supimpas, as horas passaram dentro do seu tempo exato flutuando na esteira da felicidade que não atrasa nem adianta, tal relógio suíço. …Leia na íntegra

Saudades e saudades (Homenagem a Paulinho Baiano)

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 28 out 2017

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Fiquei de encontrar meu caríssimo Leo, amizade que herdei do pai, Leônidas Cardoso, quando deputado, líder do governo, responsável por me fazer designado Delegado Regional de Polícia, nesta querida Vitória da Conquista, isto na década de oitenta.

Pus-me então de pé, na manhã de ontem, no canto onde me abrigo, a pousada instalada no alto da serra do Periperi envolvida de um lado pela Br 116 e por outro, pelo Cristo que abraça a cidade aos seus pés. Após o repasto matinal segui andando em destino a Diamantina, revenda de veículos onde o moço é executivo.
Beirava dez horas quando parti, sob sol forte que esquentou a cidade durante todo o dia findo tendo decidido, da forma como faço nas oportunidades em que empreendo caminhadas com maior grau de dificuldade, dividir mentalmente o percurso em quadrantes que vão sendo paulatinamente alcançados, de forma por fazer parecer mais leve o sacrifício de atingir a meta pretendida.

Mal sabia que estava prestes a viajar num roteiro, capaz de me fazer entender que existem tipos diferentes de saudade. Saindo em passos largos, logo após iniciar a descida, ainda na área do hotel defini como primeiro destino, a praça onde existe pequeno mercado de flores, ponto de táxi, encruzilhada que leva transeuntes aos quatro cantos da cidade e ali cheguei. Continuei varando a Laudiceia Gusmão já pensando no próximo alvo e continuei ligeiro.

Adiante, cruzei a Regis Pacheco, sob o viaduto cognominado pelo povo, Bigode de Pedral, assim, minutos depois vislumbrei o segundo objetivo, justo a confluência que esbarra na capela do São Vicente. Porém, apesar de haver velado na ermida, muitos amigos que já se foram, todos inesquecíveis, o pensamento pulou para o lado oposto da rua e me vi diante do corpo inerte de Chico Viola, na manhã que cheguei para seu velório. Senti uma saudade sem dor, ouvi os acordes do violão preso ao seu peito, nas tertúlias tantas às quais nos entregamos e meus passos se deixaram embalar pelos boleros tão bem cantados por ele. …Leia na íntegra

Dezoito anos depois

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Vit. da Conquista | Data: 29 set 2017

Tags:,

Por Valdir Gomes Barbosa

Os meninos mais gulosos ainda lambiam os dedos sentados ao chão, frente aos pratos, onde foi servido caruru oferecido aos Ibejis. Refrigerantes findavam nos copos de plástico e os caramelos, responsáveis por arrematar o repasto aqueciam a algazarra própria da efeméride onde os Santos Meninos – São Cosme e São Damião – são reverenciados todos os anos, quando ela seguiu para cumprir seu grande desiderato e o maior dos privilégios, dádiva apenas concedida às mulheres. Ser mãe.

Atendida pela obstetra e enfermeiras responsáveis pelo parto, na mesma casa de saúde palco de sua vida laboral, por alguns anos, tudo fazia crer que o trabalho seria rápido, assim, o filho ansiado viria no 27 de setembro, mas, não haveria que ser. Apenas muitas horas depois do dia seguinte, finalmente, João, o Gabriel de Roberta inspirou pela primeira vez uma lufada de oxigênio serrano marcando sua presença nestes tempos da contemporaneidade.

Acostumada constantemente a luta, ao sacrifício, ao enfrentamento das dificuldades com a audácia retirada das entranhas d’alma, não desistiu um só instante e superou todas as dores. A guerreira que veio de longe preparada para ir além, no momento que foi preciso fazer força para sentir rasgar suas penetras físicas e dar vida ao sentido da sua própria vida não capitulou. Desta forma continua e continuará agindo, até quando vida tiver. …Leia na íntegra

Domingos Souza

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Vit. da Conquista | Data: 04 set 2017

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Como homem de polícia pude conviver, desde quando ensaiei meus primeiros passos na carreira, com profissionais responsáveis por levar ao publico, noticias vindas dos bastidores, onde a pugna entre responsáveis pelo combate ao crime e os protagonistas do equivoco, à luz da lei, é a tônica.
Lembro-me de Juracy, radialista da emissora AM de Itapetinga, onde debutei no mister, além de  outros daquelas plagas e tempos, olvidados por conta dos lapsos normais impostos aos quase septuagenários, como eu, para confessar que fui marcado por atuações de ícones, tais como, Walmir Palma, Alberto Miranda, Moacir Ribeiro e tantos seguidores, na difícil arte de fazer matérias policiais.
Poderia falar de muitos outros, desta plêiade de figuras representativas da imprensa escrita baiana daquele tempo, assim como Raimundo Vieira que mourejou nas duas frentes de batalha – foi escrivão de polícia e repórter policial, hoje atuando no TRE da Bahia -, além dos irmãos Cristovão e Cristovaldo Rodrigues.
Mas, meu lembrar a tantos personagens responsáveis por fazer do filho de Gomes, Valdir Barbosa, tem a ver com a passagem de Domingos Souza. Ontem, quando rememorava com os Moreira histórias da velha soterópolis, no restaurante quase centenário da família, Vicente de Paula, outra destas fortalezas da informação, com sua voz metálica inconfundível gritou da porta: “Estão sabendo, Domingos viajou!”.
Há tempos, Dominguinhos deixara de atuar. Pouco importam as razões motivadoras de sua retirada do cenário laboral. Os porquês de cada qual, apenas interessa a si mesmos, quiçá, muitos de nós vimos com tempo de validade para fazer, marcar, pontuar e depois, por mais sejam discordantes as opiniões em torno do caminho pelo qual optamos seguir, precisamos estar inebriados nos nossos próprios eflúvios aguardando a hora de retornar as plagas infinitas, quem sabe, para vir outra vez ainda mais  atuantes.
Souza tinha que partir de forma tanto trágica, afinal, mesmo que pareça paradoxal, a um bom repórter de polícia vale ser matéria, no derradeiro suspiro, como vítima de fatalidade, pelo menos enquanto transeunte, transeuntes que somos todos nesta terra de provas e testes.
Sua simplicidade e inteligência, aliadas a sensibilidade digna dos augustos, o fez diferenciado no agora que findou. Matéria escrita quando de atuação deste seu saudoso amigo, nos idos de noventa e quatro atestam ditas virtudes.
Mando lembranças, caro amigo, aos recentemente chegados no mundo etéreo, Medrados, Alcides, Laranjeira e outros tantos que também lhe têm estima impar. Dia destes, com certeza haveremos de nos encontrar.
Salvador, 3 de setembro de 2017
Valdir Barbosa
 
“Tribuna da Bahia, 27 de maio de 1994
Domingos Souza,
Editoria do segundo caderno

…Leia na íntegra

Ser polícia

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 14 ago 2017

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Dia destes, meu querido neto, Gabriel, em cujas veias corre o sangue das duas instituições policiais que honram a Bahia – o avô é este calejado homem de polícia civil e o pai, oficial da briosa corporação coirmã – me perguntou, do alto da sua santa inocência e sapiente curiosidade infantil. Vovô, o que é ser policial.
Admirou-me a cobrança, muito embora, por obvio, tenha aguçado seu interesse, a pugna permanente do pai, integrante de equipe especializada da Polícia Militar, com atuação nas terras do cacau e entorno, ausente de casa por longos dias, a enfrentar os desafios todos, conhecidos das mulheres e homens de polícia, idênticos em todo país e porque não  dizer mundo afora.
Também, quiçá, seu questionamento guarde motivos, mesmo sendo ainda pequeno, em face das histórias hoje contadas pelo pai de sua genitora, pois a vida nos reserva momentos de fazer história e ao final contá-las. Vivo hoje o privilégio do doce momento de rememorar.
Pensei em começar dizendo, o quanto ser polícia exige grande dose de vigilância, ao lembrar frase que alguns atribuem a Shakespeare: “A eterna vigilância é o preço da segurança. Pois, alguns devem velar enquanto outros dormem”. Todavia, acreditei devesse ser o mais simples possível, para tentar explicar aquela criança, por mais complexa seja a atividade policial, por mais que sejam enormes os desafios e riscos dela inerentes e pretendi, na fração de segundos responsáveis por separar a indagação do resultado esperado, falar da beleza escondida no ato de fazer polícia.

…Leia na íntegra

Os dois Medrados (Hora de medrar)

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 22 jul 2017

Tags:,

Por Valdir Barbosa

O ano. 1977. Ainda engatinhando como delegado de polícia e agindo como funcionário comissionado, na cidade de Itapetinga, onde plantei as raízes que frutificaram minha carreira desenvolvi a primeira investigação representativa cuidando de apurar crime de homicídio, do qual foi vitima o jornalista conquistense, Noé de Oliveira Neto.

Na época do fato, feriados do início de novembro, me levaram com familiares da companheira com quem convivia, mãe de Gabriela, filha querida, nesta semana completando quarenta anos, até casa de veraneio na Barra de Itaípe, bucólico lugar localizado em frente a Ilhéus, nesga de terra postada entre o mar e um dos rios que deságuam naquele ponto do oceano. Não havia ainda a ponte que hoje conduz os viajantes às praias do norte ilheense, Itacaré e sítios seguintes.

Por determinação do Superintendente da Polícia Civil, cargo equivalente ao Delegado Geral na atualidade, comunicada por militar do Batalhão da Policia Militar sediado bem em frente ao ponto onde aportavam canoas, responsáveis por transportar passageiros de um lado para o outro do rio deixei os prazeres aos quais me havia entregue partindo em busca do objetivo funcional. Este quadro se repetiu dezenas de vezes tempos adiante, afinal, a função do homem de polícia é um sacerdócio. …Leia na íntegra

Braço onipotente

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 15 jul 2017

Tags:,

Por Valdir Gomes Barbosa

Assistindo e ouvindo comentários vindos de diversas fontes, imprensa falada, escrita e televisada, amigos, antigos colegas dos tempos acadêmicos, companheiros atuais de profissão, conhecidos e desconhecidos, mestres e estudiosos do direito, após a condenação em primeira instancia do ex-Presidente Lula, me pus a pensar sobre aspectos que envolvem a questão, porém, por uma ótica transcendente, quiçá, em meu sentir, por conta dos ensinamentos cotidianos que absorvo no dia a dia do lar vindos da parte de minha doce comparte, espírita convicta, praticante, aplicada pesquisadora da doutrina, obreira na Federação Espírita da Bahia.

Ao que capto nestes permanentes aprendizados de fé cumpre afirmar, Luís Inácio, conterrâneo do rei Gonzaga, homem nascido de origens humildes perdeu a oportunidade de crescer, para alcançar patamares elevados, no plano etéreo de onde vimos e para onde vamos todos os viventes, passantes neste campo de provas e expiações. Muitos podem pensar em privilégios a ele concedidos pela organização cósmica, no simples fato de ter ascendido, um retirante nordestino, metalúrgico de profissão, à condição de chefe do governo de seu país, por duas vezes consecutivas, responsável ainda por eleger Presidente findo o segundo mandato, subordinada da sua confiança, todavia, em verdade, este imaginário afortunado jogou fora a missão que lhe foi ofertada, de resgatar dívidas passadas, no exercício do múnus. …Leia na íntegra

Cosme

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 09 jul 2017

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Pus-me, no inicio da semana que vai findando, para as bandas do extremo sul de nossa terra. Compromisso profissional impunha reunisse com cliente, a quem presto consultoria pontual naquelas bandas e assim pude chegar, nas asas de companhia aérea, a Porto Seguro seguindo dali até Eunápolis, onde efetivamente se deu o encontro. Mal sabia que por conta disto, o destino reservava a este calejado homem de polícia, surpresa alentadora, responsável por emocionar e alegrar meu espírito, fazendo bater mais forte o coração dentro do velho peito e marearem os olhos que tantas coisas já viram, neste mundão de meu Deus.

Findo um período longo de licença premio ao qual tenho direito e buscarei, logo após esta benesse deixar a vida pública, desde quando é chegado o tempo de fazê-lo, destarte, aproveito o conhecimento adquirido, ao longo de mais de quatro décadas, no sentido de atender as consultorias que presto, junto aos clientes que confiam na minha expertise.

Concluídas as obrigações, naquele que já foi o maior distrito do país retornei com destino a Vitória da Conquista, onde tenho raízes profundas fincadas, na companhia do causídico radicado naquele rincão, Aderbaldo Avelar, que fora por via terrestre até onde me achava, desde quando mereço sua assessoria neste mister sobre o qual estamos debruçados, da forma como recorro a profissionais diversos, Brasil afora, os quais, dependendo de seus perfis ou das tarefas que hoje me são confiadas, na seara privada, cuidam de fazer meus labores mais suaves e definitivamente exitosos. …Leia na íntegra