A arte imita a vida, a vida imita a arte

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 19 fev 2019

Tags:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

Por Valdir Barbosa

As ruas de Maracangalha, canto imortalizado na música do magistral Caymmi voltaram a viver, no fim de semana que voou, tempos de gloria, tal qual nos idos em que a usina Cinco Rios fumaçava suas chaminés a todo vapor tornando pujante o lugar, onde borbulhava prosperidade, alegria, animação e festa. Época do Cine Maracangalha, de espetáculos circenses, quando a economia gerando riqueza trazia de arrasto, manifestações artísticas e culturais de todos os matizes.

Sim, sob a égide da VM filmes e Santo Guerreiro foi possível reunir ali, sábado e domingo passados, produtores, diretores, técnicos e artistas do quilate de RADA REZEDÁ, BETO MAGNO, ROSEANE PINHEIRO, MÔNICA SAN GALO, GEORGE DINIZ e DOUGLAS, VITORIA MAGNO, além de valores induvidosamente futurosos, dentre estes, crianças e adolescentes, nomes que haverão de brilhar nos palcos cênicos da TV, teatro e cinema de nosso Estado, figuras que certamente rasgarão fronteiras, para fulgurar em toda terra brasilis, quiçá, mundo afora, tudo isto, para rodar cenas do Curta Metragem, MARACANGALHA EU VOU, baseado em texto do inesquecível Bebert de Castro. No topo das consagradas estrelas presentes, MARCOS WAINBERG, responsável pela direção do filme.

Os residentes de agora assistiram embevecidos, a movimentação dos artistas e demais envolvidos no trabalho, num vai e vem que iniciou desde quando primeiros raios de sol rasgaram a manhã do sábado último, até quando, ao cair da tarde de domingo houve apoteótico encerramento das tomadas, nos pés das ruínas daquela velha usina, antes razão de tudo, ao som da voz maviosa de Mônica San Galo e acordes da Lira local regida pela maestrina Sônia Oliver, na embocadura de seu saxofone.

Nesta hora, enquanto todos quantos participaram das gravações bailaram em torno da belíssima Anália (Roseane) embalados pela música tema (obviamente, a marca posta por Dorival), lágrimas de emoção brotadas dos olhos de Rada vinham na forma mais límpida e pura de agradecimento a Deus, por tudo quanto afinal realizado.

Findas as cenas, a fanfarra seguiu tocando em direção à rua principal para encerrar o cortejo, frente ao armazém de Bosco, um dos locais nos quais a trama se desenrolou, ponto que ainda guarda características antigas insculpidas na película produzida. Vale reprisar trecho do texto: “… MARACANGALHA… a terra do massapé, da Trilha do Besouro Mangangá, Dos Rosa, de Dona Marita, a melhor cozinheira da cidade, de Dona Eremita do Bandolim, de Aloísio, o Belo; de Renato do Alambique, de Dona Nininha de Nozinho, famosa porque bateu um prato de feijoada no mesmo dia em que saiu do hospital depois de operada… num é que ela viveu mais dez anos? Ahhh, claro, de Alô Boys, Bié, Come Pele, Assombra Onça, Colodina louca, afff… é, muita gente viu! A terra da Usina Cinco Rios, verdadeira responsável por nossas histórias…”.

Quando a noite acendia a lua fui um dos que dançando e cantando aguentou subir a ladeira, passando pela praça do violão, até o ponto onde a orquestra parou de tocar em definitivo, como dito, aos pés da venda de Bosco.

Mas, não só fui testemunha de todas estas nuances, na verdade, na esteira de privilégio concedido por Rezedá e Magno integrei a caravana daqueles que interpretaram Maracangalha, eu vou. Fui dirigido por Wainberg, atendi aos conselhos de Rada e Beto, as câmeras de George e Douglas focaram em mim, o microfone sensível de Vitória captou minha voz contracenando com os demais atores incorporando, imaginem, o Delegado da cidade, no tempo daquele tempo.

Senti-me a própria autoridade do sitio onde fervilhava a vida, ao talante da Usina Cinco Rios, então, esqueci por momentos que o destino me concedeu a possibilidade de atuar, nas derradeiras quatro décadas que se foram, protagonizando um homem de polícia, dono de insígnia que levarei até a eternidade, mesmo porque dela lhe devo ter trazido.

Ontem, depois das despedidas, quando finalmente o pano desceu e voltava para casa, na estrada que conduzia mais uma vez o guerreiro a seu repouso entendi a verdade inscrita numa máxima insofismável.  A ARTE IMITA A VIDA, A VIDA IMITA A ARTE.  

P. S.: Como especialista em segurança devo dizer: Imponderável não parabenizar o prefeito de São Sebastião do Passé, Dr. Breno Konrard Moreira, pelo inestimável apoio, sem o qual, provavelmente, seria impossível aos realizadores do filme fazer com que a obra se tornasse realidade. Sensibilidade de gestores que tais, preocupados com cultura, esporte e lazer, vetores indispensáveis para afastar de caminhos tortuosos os jovens, futuro das gerações que vão ficando para trás, faz a diferença. A ele e toda a sua equipe, dos mais graduados assessores, aos mais simples, sobretudo, aqueles que permaneceram horas cuidando da segurança, do trânsito, em favor das atividades, registro os mais sinceros agradecimentos.

Salvador, 18 de fevereiro de 2019

valdir barbosa

Os comentários estão encerrados.