Alerta de conscientização no mês de combate ao fumo: câncer de pulmão é o mais letal desde 1985

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 26 ago 2021

Tags:, ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-e2-engenharia.gif

Silencioso, o câncer de pulmão é a principal causa de morte relacionada à doença no mundo desde 1985, sendo o segundo mais comum em homens e mulheres no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Apenas em 2020, o Brasil registrou 30 mil novos casos e 29 mil mortes pela doença e, de acordo com estimativas do Inca, até 2024 mais de 30 mil brasileiros serão diagnosticados anualmente com câncer de pulmão. 

Também é importante destacar o cenário pandêmico e os reflexos da Covid-19 sobre o tema.  Um estudo recente da Fiocruz em parceria com a Unicamp revelou que cerca de 35% dos fumantes brasileiros aumentaram o consumo de cigarros durante a pandemia, fato que potencializa a importância da conscientização sobre o combate ao fumo. 

“Mais de 85% dos cânceres de pulmão estão relacionados ao hábito de fumar. Ainda há uma parte considerável da população que faz uso de cigarros e afins no Brasil, inclusive os mais novos com o uso do narguilé”, enfatiza o cirurgião torácico do Instituto Conquistense de Oncologia (Icon), Dr. Rafael Sodré. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que, uma sessão de narguilé pode equivaler à exposição de componentes tóxicos presentes na fumaça de 100 cigarros. 

CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO

Conscientizar a população sobre a necessidade primordial de mudança dessa realidade é o símbolo deste mês de agosto, em que se comemora o Agosto Branco e, no dia 29, o Dia Nacional de Combate ao Fumo. O cirurgião do Icon ressalta que um dos principais desafios em relação à doença é o diagnóstico precoce, e que a principal forma de prevenção contra o câncer de pulmão é não fumar. 

Dr Rafael Sodré

E, para pacientes já diagnosticados com a doença, o cirurgião aponta os melhores caminhos: “oferecer o melhor tratamento possível no momento do diagnóstico, desde tratamentos com quimioterapia, imunoterapia ou radioterapia até cirurgia. Lembrando sempre do envolvimento do time multidisciplinar na tomada de decisões”, finaliza.

Os comentários estão encerrados.