Câmara homenageia mulheres com Diploma Mulher Cidadã Loreta Valadares

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral, Vit. da Conquista | Data: 10 mar 2020

Tags:, ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner_e2_piscina-3.gif

Para marcar as comemorações legislativas pelo Dia Internacional da Mulher, comemorado no domingo passado, 8 de março, a Câmara Municipal de Vitória da Conquista (CMVC) realizará nesta quarta-feira, 11, às 8h30, uma Sessão Solene para a entrega do Diploma Mulher-Cidadã Loreta Valadares.

Na oportunidade seis mulheres receberão a honraria:

Ivaneide Rosa de Jesus – nascida em 28 de setembro de 1973, é psicóloga, com especialização em Educação e Diversidade de Etnias e Gênero pela Uesb. Ingressou na Polícia Militar no ano 2000 e desde então vem desenvolvendo papel importante junto à corporação e a sociedade civil.

Foi a primeira sargento feminina a trabalhar na 5ª companhia especial da polícia militar. Fez parte do curso de capacitação de instrutora do Proerd atendendo em um ano mais de 3.500 crianças. Atualmente vem desenvolvendo diversas ações sociais e projetos que proporcionam melhorias a comunidade. É responsável pela parte social da 78º CIPM e atualmente também comanda a Ronda Escolar.

Vitória Aparecida Sales de Araújo – Após o diagnóstico de autismo de seu filho, Vitória começou a estudar sobre as terapias adequadas para autistas, bem como os atendimentos oferecidos pelo município, e assim tomou conhecimento do alto índice de pessoas com TEA e da escassez de vagas oferecidas pelo SUS.

Vitória juntou-se a um grupo de mães e fundou a Acaepa (Associação Conquistense para Atendimento Especializado à Pessoa Autista), com o objetivo de atender as necessidades dessas crianças e a missão de viabilizar o atendimento especializado mediante um conjunto integrado de ações numa perspectiva interdisciplinar e multifuncional. Hoje a instituição presta acompanhamento específico a 62 autistas e suas famílias.

Klébia Cordeiro Dias – há 22 anos, após dar a luz ao seu único filho João Kleber, que no segundo dia de vida teve uma hipoglicemia comprometendo o seu desenvolvimento, o diagnóstico dado pelos médicos de que a criança não iria andar nem falar, fez com que ela decidisse tornar-se pedagoga para tentar incluí-lo na escola. Sem sucesso. Sua próxima tentativa foi deixar para traz sua família, casa, e foi para São Paulo em busca de conhecimento para ajudar no desenvolvimento do seu filho, e não fazia ideia da grandiosidade que havia por trás do desafio de ajudar ao próximo.

Pós graduada em psicomotricidade, tornou-se palestrante e professora no ensino superior. Com todo conhecimento adquirido, Klébia resolveu ajudar famílias que passavam pela mesma situação e fundou o Instituto Lar dos Kerubins, uma instituição sem fins lucrativos que auxilia famílias.

Hoje a instituição atende crianças com deficiências como: transtorno mental, síndrome de down, autismo, entre outros, e presta serviços gratuitos para famílias carentes de Vitória da Conquista e região, utilizando o cavalo como mediador no processo terapêutico.

Jaqueline Maia Ferraz – médica ginecologista, trabalha há mais de 30 anos nessa área. Atua como ginecologista sempre se dedicando à saúde da mulher. Desde o início de sua carreira, percebeu a dificuldade que as suas pacientes enfrentavam quando o assunto era sexualidade e por esse motivo ingressou na pós graduação em sexualidade humana. A partir de então vem se dedicando a ajudar mulheres nas questões da sexualidade e do empoderamento feminino, através de palestras e atendimento individualizado.

Desde 2018 é parceira do projeto Célula Máter da Uesb, realizando palestras e orientando mulheres vítimas de violência.

Julieta Maria Cardoso Palmeira – médica geriatra, ela ingressou no movimento estudantil e de mulheres na década de 70, quando também iniciou sua atuação na União Brasileira de Mulheres.

Participou ativamente do movimento que reivindicou a criação da Secretaria de Políticas Para as Mulheres do Estado da Bahia em 2011.

Atuou no Movimento pela Democratização da Mídia, tendo participado da criação do Conselho Estadual da Comunicação Social da Bahia. Faz parte do Movimento de Blogueiras e Ativistas Digitais Progressistas e integra o Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé.

Desde janeiro de 2017 é secretária de Politicas para as Mulheres do Estado da Bahia, realizando diversos trabalhos de enfrentamento à violência contra a mulher como a ação Respeita as Mina e Quem Ama Abraça.

Rosália Celestina Santana Araújo – em 1948 iniciou na fazenda Ubuzeiro, em Livramento, a sua vida dedicada à educação, até completar seus 70 anos de idade quando se aposentou.

Em 1977 mudou-se de Livramento para Conquista e nesse mesmo ano, foi convidada para dar aulas de Língua Portuguesa, Redação e Literatura Brasileira em um curso de pré vestibular recém inaugurado no Educandário Juvêncio Terra e neste educandário ela ficou durante 17 anos e meio, quando, juntamente com os colegas Raymundo Vianna, Nilton Cheles e Joseval Andrade, foi concretizado o sonho desses educadores: nasceu o Colégio Opção e posteriormente a Faculdade Independente do Nordeste – Fainor.

Mesmo aposentada e já com seus 90 anos de idade, continua participando da vida da educação no nosso município

O Diploma – Todos os anos, seguindo o rito da Resolução nº 41/2005, a CMVC homenageia com o Siploma Mulher Cidadã Loreta Valadares mulheres que, no município de Vitória da Conquista, tenham oferecido ou oferecem contribuição relevante à defesa dos direitos das mulheres e questões de gênero.

Loreta Valadares, mulher que dá nome ao Diploma, foi uma feminista e ativista política que lutou contra a Ditadura Militar, instalada em 1964. Ela nasceu em Porto Alegre, mas mudou-se para Salvador aos seis anos. Loreta foi presa política e exilada no período da Ditadura Militar. Em 1980 retorna ao Brasil e se torna professora de Ciência Política da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia, assim permanecendo até se aposentar anos depois. Em 2005, um ano após sua morte, recebe a homenagem emprestando seu nome ao Centro de Referência Loreta Valadares – Prevenção e Atenção a Mulheres em Situação de Violência (CRLV), primeiro da Bahia, que funciona na cidade de Salvador. No mesmo ano, a CMVC estabelece o Diploma Mulher-Cidadã Loreta Valadares.

Os comentários estão encerrados.