Cerca de 500 alunos participam de cursos ilegais de pós-graduação em Conquista e região

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Educação | Data: 12 ago 2015

Tags:, ,

por Mateus Novais

Admissao Pos Graduacao Mercosul 060foto: Ascom Câmara

A revalidação e admissão de diplomas adquiridos em instituição de ensino do Mercosul tem se tornado um problema para profissionais de todo o Brasil. Um acordo entre os países membros do bloco comercial, ao qual o Brasil faz parte, permite a mobilidade de estudantes, porém, legislações locais travam o processo de efetivação desses diplomas.

A falta de regulação e, consequentemente, de informação tem causado outros inconvenientes aos que buscam a especialização. Cursos estão emitindo certificados em parceria com universidades do exterior; o que é ilegal. O presidente da Associação Nacional dos Pós-Graduados em Instituições Estrangeiras de Ensino Superior, Dr. Vicente Celestino, alerta que na região de Conquista há cerca de 500 alunos em cursos sem respaldo legal. Segundo Celestino, “os cursos que oferecem parceria com universidades do exterior são ilegais. Quem quer fazer um curso no estrangeiro tem que fazer lá no exterior”.

O tema foi discutido em uma audiência pública na Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista, nessa terça-feira (11), e reuniu representantes de várias categorias ligas à Educação. Dentro das divergências de opinião, um consenso: a discussão tem que ser ampliada para que o investimento feito por milhares de profissionais não sejam jogados no lixo e que o conhecimento não seja perdido.

Para o presidente da Associação Brasileira de Pós-Graduados no Mercosul, Dr. Carlos Estephanio, a situação na Bahia é caótica. “São 2,6 mestres por cada mil habitantes, entre 25 a 64 anos, e menos de um doutor por cada mil. No cenário nacional são 1,4 doutores por mil habitantes no Brasil”. Ainda segundo Estephanio “há uma clara reserva de mercado” na pós-graduação do país. “Os mestres e doutores brasileiros se acham mais competentes do que os brasileiros do Mercosul”.

Os comentários estão encerrados.