Comandante do Exército confirma morte de 10 militares no Haiti

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 13 jan 2010

Uol

O comando do Exército brasileiro confirmou no início da tarde desta quarta-feira (13) que 10 militares brasileiros morreram vítimas no Haiti.

Segundo o comando do Exército, dois dos feridos estão em estado grave e foram transferidos para a República Dominicana.

Até agora, o Exército confirmou o nome de quatro mortos no terremoto de 7 graus na escala Richter que devastou o país mais pobre da América Latina. São eles o sargento Davi Ramos de Lima, o tenente Bruno Ribeiro Mário e os soldados Antônio José Anacleto e Tiago Anaya Detimermani. Eles são do 5º Batalhão de Infantaria Leve sediado em Lorena, interior de São Paulo.

O militar, que embarca neste momento para o Haiti, informou que a médica Zilda Arns, 75, foi soterrada. Arns era fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, que integrava missão no país caribenho. (Conheça a trajetória de Zilda Arns).

Ainda não há números oficiais de vítimas e prejuízos, mas os relatos que chegam pelas agências de notícias informam que diversos edifícios desabaram no país, inclusive o palácio presidencial da capital Porto Príncipe.

Sem levantamentos oficiais e em meio a um colapso nas comunicações, fontes médicas e humanitárias preparam-se para a possibilidade de haver milhares de mortos, incluindo estrangeiros de diversas nacionalidades que fazem parte da força de paz das Nações Unidas, liderada há cinco anos pelo Brasil. Diversos países e entidades internacionais mobilizam-se para ajudar o país.

De acordo com as agências internacionais, vários feridos aguardam ajuda médica pelas ruas da capital haitiana. A comunicação com o país ainda é muito precária. O prédio da Organização das Nações Unidas (ONU) desmoronou pelos tremores desta terça-feira.

Danos às instalações brasileiras
O Brasil comanda cerca de 7.000 soldados da força de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti, enviada ao país em 2004, e tem 1.266 militares na área, dos quais 250 são da engenharia do Exército.

Em nota oficial na noite desta terça-feira, o Ministério da Defesa do Brasil informou que houve “ocorrência de danos materiais em algumas instalações usadas por brasileiros”. O informe indica, entretanto, que o balanço desses danos será feito somente nesta quarta-feira (13).

O escritório da embaixada teve muitos danos. Os militares brasileiros estão em uma planície onde não há construções altas, então ali não há tanto perigo. Mas a área da chancelaria sofreu bastante”, disse o embaixador do Brasil no país, Igor Kipman, em entrevista à rádio CBN.

O representante do Brasil no Haiti também afirmou que houve danos sérios em inúmeros imóveis na capital do país. O embaixador informou que sua volta ao Haiti, onde vive há dois anos, estava prevista para a próxima quinta-feira (14), mas deve decidir nesta quarta se antecipa sua volta ou se permanece no Brasil.

Brasileiro diz que situação está complicada
O professor Antropologia Omar Ribeiro Thomaz e sete alunos da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) estão em Porto Príncipe desde o dia 31 de dezembro para uma pesquisa de campo no Haiti. No blog do grupo, eles disseram que a situação na cidade “está bem complicada” e que “o terremoto foi muito forte”.

“Todo nosso grupo está bem, todos os integrantes estão agora no centro de Porto Príncipe, juntos e sem nenhum arranhão. Estamos nos preparando para ajudar amanhã na remoção de escombros ou qualquer outra forma possível”, escreveu Daniel Felipe Quaresma dos Santos.

Telefone emergencial
O Ministério de Relações Exteriores brasileiro criou nesta terça-feira uma sala de crise, com funcionamento 24 horas, para atender as vítimas do forte terremoto que atingiu o Haiti. Relatos apontam que houve grande destruição na capital Porto Príncipe, que tem 1 milhão de habitantes.

Os seguintes telefones foram abertos pelo Itamaraty: 61 3411-8803/ 61 3411-8805 / 61 3411-8808 / 61 3411-8817 / 61 3411-9718 ou 61 8197-2284.

Segundo testemunhas, o terremoto devastou o centro da capital, incluindo o Palácio Nacional, a Catedral e a sede das Nações Unidas. Fontes médicas dizem esperar centenas de mortos. O contato por telefone com o Haiti é difícil.

Um cinegrafista ligado à agência de notícias Associated Press disse que presenciou o desabamento de um hospital. Segundo o cinegrafista, o hospital desabou em Pétionville, subúrbio de Porto Príncipe, e era possível ouvir pessoas pedindo socorro.

Outro repórter da agência Reuters afirmou que viu dezenas de mortos e feridos entre os escombros espalhados pelas ruas. “Tudo começou a tremer, as pessoas gritavam, casas começaram a cair… está um caos total”, disse o repórter Joseph Guyler Delva.

Local do tremor
De acordo com medição preliminar do Serviço Geológico dos Estados Unidos, o terremoto aconteceu a cerca de 10 km de profundidade, a 22 km da capital haitiana, que tem mais de 1 milhão de habitantes. Um terremoto dessa magnitude é capaz de provocar danos graves. O terremoto foi seguido de outros tremores, sendo dois de magnitudes de 5,9 e 5,5.
O tremor foi sentido com força em quase todo o território da República Dominicana, país situado na ilha de Hispaniola, como o Haiti, e também no leste de Cuba, mas ainda não se sabe se provocou grandes danos, salvo cortes temporários no fornecimento de energia elétrica.

Em entrevista concedida à rede de televisão “CNN”, o embaixador do Haiti nos Estados Unidos, Raymond Joseph, disse que as consequências do terremoto pode ter tido proporções “catastróficas”. “A única coisa que posso fazer agora é rezar e confiar em que o pior não aconteça”, disse.

Ajuda externa
O presidente dos EUA, Barack Obama, manifestou-se e disse que seus “pensamentos e preces” estão com o povo haitiano. “Estamos monitorando de perto a situação e estamos prontos para ajudar o povo do Haiti”, disse, em nota. República Dominicana, França, Colômbia e Venezuela também já se comprometeram a ajudar o Haiti.

O BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) anunciou um subsídio de emergência de US$ 200 mil para fornecer comida, água, remédios e abrigo para as vítimas do terremoto, que poderia ter causado centenas de mortos, disseram testemunhas. “Estamos acompanhando de perto a situação e estamos prontos para ajudar o Haiti a lidar com esta catástrofe”, disse o presidente do banco, Luis Alberto Moreno. “Estamos em contato com outros doadores, para partilhar informações e coordenar as ações de resposta.”

A própria ONU (Organização das Nações Unidas), com sede nos Estados Unidos, anunciou que está preparando um enorme esforço internacional no Haiti, enquanto seus funcionários tentavam em vão entrar em contato com seus representantes no país. As comunicações no país foram afetadas.

“Tentamos entrar em contato com as nossas equipes no terreno, mas temos problemas de comunicação, o que não é surpreendente depois de uma catástrofe como essa”, disse o porta-voz do Escritório de Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA), Stephanie Bunker.

Bunker disse que a OCHA tinha enviado mensagens de aviso para diferentes locais em todo o mundo com o objetivo de preparar uma mobilização excepcional de ajuda ao Haiti.

Histórico de tremores na região
O terremoto desta terça foi um dos mais fortes já registrados no Haiti e na República Dominicana, que compartilham a ilha caribenha de Hispaniola.

“Desde o terremoto de 4 de agosto de 1946, que foi de 8,1 graus, não tínhamos registrado, pelo menos em nosso país, um fenômeno tão grande como este”, afirmou o diretor do Instituto Sismológico Universitário da República Dominicana, Eugenio Polanco.

Outro forte terremoto no país ocorreu na noite de 22 de setembro de 2003, quando a terra tremeu a uma escala de 6,5 graus e derrubou um centro educativo, além de ter danificado seriamente outros prédios na cidade de Puerto Plata.

“Na ocasião, não ocorreu uma catástrofe nessa escola porque foi de noite e não havia alunos”, afirmou Polanco.

Escreva um Comentário

Faça o login para publicar um comentário.