Comerciantes criticam métodos de escolha da Prefeitura sobre Shopping Popular

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 11 mar 2015

Tags:, , ,


por Mateus Novais*
foto: Ascom Câmara

shopping-popular-1

Na Audiência Pública desta terça-feira (10), no plenário da Câmara Municipal de Vitória da Conquista (CMVC), os comerciantes da Praça da Bandeira apresentaram os problemas gerados pelos métodos de escolha dos permissionários para ocupar o Shopping Popular. O principal questionamento se trata do não beneficiamento de casais que trabalhavam em boxes separados.

shopping-popularA comerciante Alcione Correia (foto) foi a primeira a fazer uso da Plenária. Ela afirmou que tem uma permissão no solo da prefeitura há 10 anos e disse que “fui informada verbalmente que não serei relocada por ser casada com um também permissionário”. Finalizou seu pronunciamento criticando que quando o político quer o voto “quer de toda a família”.

A comerciante Natrízia Marques reclamou da avaliação feita pela Comissão. Segundo Maques, o órgão alega que ela não trabalha na Praça da Bandeira e que, por isso, não teria direito a um box no Shopping Popular. “Eu tenho mais de 200 testemunhas que provam que eu trabalho na praça”. Ela afirmou que é feirante desde criança, tendo tomado chuva e enfrentado enxurrada e esgoto na praça e que sua situação é regular: “Minha documentação está toda em dia. Eu estive ausente [da praça] alguns dias, mas meu box nunca ficou parado”.

A também feirante Gisele Durval reclama o direito de acesso a um box por já trabalhar há mais de dez anos na Praça da Bandeira. Ela explicou que somente o marido foi contemplado e que a Comissão tem proibido a distribuição de boxes para casais. Segundo Durval, ela e o marido já eram feirantes antes do casamento o que garantiria o direito dos dois. “Tenho dois filhos. Quem vai pagar as minhas contas?”, questionou a comerciante que se sente injustiçada por ser mulher.

Essa é mesma situação de Geraldo Silva, que também é casado com uma feirante. Ele informou que conheceu a esposa trabalhando na feira e que cada um têm direito a um box. “Ser casado com uma permissionária vai me impedir de receber um box”, detalhou. Silva reclamou também da demora da Comissão em dar respostas. O feirante entregou um dossiê, explicando sua situação, no dia cinco de dezembro de 2014 e até o momento não obteve retorno.

*informações Ascom Câmara de Vereadores

Os comentários estão encerrados.