Covid-19: Feira de Santana começa a investigar Hospital de Campanha; um dos motivos é nota superfaturada de lavanderia

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Geral | Data: 15 abr 2021

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner_blog_728x90px_SEVILHA_PEL-1.gif

bnews (Conteúdo)

Nesta quinta-feira (14), a prefeitura de Feira de Santana vai investigar possíveis irregularidades no Hospital de Campanha. O anúncio da investigação foi feito pelo prefeito Colbert Filho (MDB).

“Nossa responsabilidade é fiscalizar e avaliar o uso correto desses recursos públicos. Recentemente nossa contabilidade identificou notas fiscais e serviços prestados que levantaram algumas dúvidas. Já comunicamos a empresa do fato e estamos aguardando as devidas explicações”, diz o prefeito.  Administrado pela empresa S3 Saúde, que tem como razão social Associação de Proteção a Maternidade e a Infância de Ubaíra, o hospital funciona na antiga maternidade Mater Dei, desde junho de 2020 para tratar pacientes contaminados pela Covid-19.

Segundo Colbert, o Governo Municipal está solicitando da empresa S3 Saúde explicações acerca de inconsistências em algumas notas fiscais apresentadas na prestação de contas. Ele explica que o hospital é gerido pela empresa privada escolhida mediante licitação. Porém, cabe a Prefeitura fiscalizar a aplicação dos recursos públicos. “A prefeitura não hesitará em usar de todos os meios legais, se necessário for, para coibir qualquer irregularidade ou fazer apurações”, disse o prefeito.

O Blog do Velame apurou que, em auditoria interna, a contabilidade da Prefeitura identificou possíveis irregularidades em notas fiscais dos serviços de lavanderia, laboratório e alimentação. A suspeita é de superfaturamento e cobrança de serviços não prestados. Atualmente, o Hospital de Campanha feirense possui 50 leitos clínicos e 18 leitos de UTI e custa aos cofres públicos valores que superam os R$ 20 milhões. Em julho de 2020, o Blog do Velame já havia alertado em uma reportagem sobre os custos do hospital. 

A unidade que cuida exclusivamente de pacientes com covid-19, é administrada pela empresa S3 Saúde, que tem como razão social Associação de Proteção a Maternidade e a Infância de Ubaíra, e funciona na antiga maternidade Mater Dei, desde julho de 2020. Apesar do prefeito não ter divulgado detalhes, o Blog do Velame apurou que, em uma auditoria interna, a Prefeitura de Feira identificou possíveis irregularidades em notas fiscais dos serviços de lavanderia, laboratório, alimentação e aluguel de equipamentos. A suspeita é de superfaturamento e cobrança de serviços não prestados.

Em uma das notas fiscais que o blog teve acesso com exclusividade, o valor de R$ 57 mil por serviços de lavandeira chama atenção por serem equivalentes ao curto período de 1 a 21 de junho de 2020.  O Hospital começou a receber pacientes apenas no dia 4 de junho. Na época, a unidade tinha apenas 8 leitos de UTI e 30 leitos clínicos com lotação interior a 60%.  Nesse período, a empresa JML Lavanderias, que fica localizada em Aracaju, distante 350 quilômetros de Feira de Santana, era a responsável pelo serviço do Hospital e teria supostamente lavado mais de 11 mil quilos de roupa.

Os comentários estão encerrados.