Memória: II/ 27 anos de Vida do Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima

0

Publicado por Editor | Colocado em Cultura | Data: 15 jul 2013

Tags:, ,

Por Alberto David

 

Alberto DavidPasseava pelas manhãs ensolaradas desta cidade pelos idos de l985. Fazia o trajeto que dava de frente com o Centro de Cultura. Lá estava ele um gigante em concreto e cimento armado, dando a impressão de uma grandiosa escultura pós-moderna pensava. Um centro de Cultura para Vitória da Conquista!

Em 5 de junho de l986 era dado como inaugurado o nosso Centro de Cultura com o quadro administrativo composto de dezoito funcionários , um Diretor e um Coordenador ambos nomeados pelo então governador  do Estado. A Casa era novidade em Conquista e levava o nome do poeta maior de nossa terra Camillo de Jesus Lima numa homenagem justíssima deste poeta brilhante e que, infelizmente, poucos conquistenses o conhecem.

Quanto aos funcionários fundadores dali ,  digo do Centro de Cultura Camillo de Jesus lima, desempenharam os  seus  papéis, feito com muito Amor. Acredito. A mim em particular, por ser um artista  foi  o inverso  era muito marcado cheguei  a devolver o cargo a quem me delegou, a pressão era muito. Mas não aceitaram. Refleti (…). Permaneceria. Ocuparia o meu espaço e com o tempo essa coisa nojenta “inveja” passaria, e seria uma oportunidade de ajudar aos iniciantes… Inclusive pelo nosso trabalho chegamos  ao  Centro de Cultura Diretor então quando  a Universidade do Sudoeste conveniado com a Fundação para gerir este órgão ,  convidado e  nomeado pelo Magnífico; outra vez, quando, da Fundação Cultural da Bahia convidado por Antonio Buriti,  Presidente desta Fundação , para mais uma vez Diretor do centro de Cultura , Fecho parênteses. Que calem-se, agora !

Hoje o Centro de Cultura tem como Diretor Daniel Santos, nomeado através da sua competência, suas qualidades administrativas  e artista, até então estudava na Espanha , mas optou por domar o Centro de Cultura ante um momento cruciante e com  desenvoltura , caráter  e coragem .  Há de surpreender a todos, para dar vida a este órgão, abençoado pelo nome do Poeta.

Não poderíamos deixar de falar um pouco destes funcionários fundadores efetivos que hoje ficaram apenas quatro, que estão em atividades cada um ocupando os seus lugares, e valores, evidente que destes quatro  a maior parte já  termina seu preito , logo aposenta mas deixa seu nome  e seus serviços prestados a esta Casa. E consciente do dever cumprido. É o que vale!

Pulando de parágrafo, dentre vários projetos que esta Casa proporcionou durante o ínterim de 27 anos de vida na cultura de Conquista, fica a ênfase para  os projetos dos Salões Regionais de Artes Plásticas da  Fundação Cultural da Bahia, a partir destes movimentos, houve um despertar, uma efervescência de talentos, que surgiam a cada  salão, um novo conceito de artes Plásticas chegaram para os expectadores, tais como as instalações, performance e outras variedades  visuais inusitadas que deixavam os espectadores  boquiabertos ,outros assombrados, mas era o progresso nas artes, alcunhada de  arte contemporânea, por outro, lado surgiram como meteoros luminosos nomes que começavam despontar lá fora, a exemplo dos artistas Alex Emannoel, Rogéria Maciel, J. Murilo, Mônica Medina, Sérgio Souto e o maior deles  Airsom Heráclito; e muitos outros  , me alegro em fazer parte destes movimentos  com um exaustivo trabalho, como “funcionários do Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima” .

Com os Salões Regionais o Centro de Cultura tomou novos rumos; cidade já citada com “Cidade do Frio“; “Cidade das rosas“, então, agora era: o Planalto da Cor“  tenho consciência do dever cumprido e de saber que dei tudo de mim para o desenvolvimento e progresso das artes visuais a Vitória da Conquista e evidente ao Centro de Cultura .

Na oportunidade e aviso aos artistas conquistenses que haverá ainda este ano, mais um Salão de Artes Plásticas  , desta vez como provedor a SECULT- Secretaria da Cultura da  Bahia . Vamos trabalhar!

Os comentários estão encerrados.