Ministério da Saúde notifica 924.238 casos prováveis de dengue em 2020

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Geral | Data: 17 set 2020

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Resenha_Vermelho_600x65.gif

Fonte: Brasil 61

A crise sanitária causada pela pandemia voltou a atenção da população para os cuidados preventivos contra a Covid-19. Outra conhecida doença, no entanto, vem apresentando números altos em 2020. Entre 29 de dezembro do ano passado e agosto deste ano, o Ministério da Saúde registrou 924.238 casos prováveis de dengue em todo o país, com taxa de incidência de 439,8 diagnósticos por 100 mil habitantes. 

Entre as regiões do Brasil, Centro-Oeste apresentou a maior taxa com 1.159 diagnósticos por 100 mil habitantes, seguida das regiões Sul (929,2 casos/100 mil habitantes); Sudeste (339,1 casos/100 mil habitantes); Nordeste (240,7 casos/100 mil habitantes) e Norte (106,7 casos/100 mil habitantes). No cenário entre os estados, Acre, Bahia, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal tiveram incidências acima da apresentada no país como um todo. 

No sul do Brasil, o Paraná também esteve acima da média nacional. O estado teve 227.724 casos confirmados até julho deste ano, segundo a Secretaria Estadual de Saúde. A chefe da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores da pasta, Emanuelle Pouzato, destaca que a maior parte dos criadouros identificados no estado estava dentro dos domicílios e chama atenção para a importância dos cuidados dentro de casa. 

“No período anterior de avaliação, verificamos nos nossos trabalhos que 80% dos criadouros que foram encontrados eram removíveis. São aqueles locais em que, muitas vezes, as pessoas têm pratos, garrafas, tampas, vasos, que possam acumular água. São recipientes que podem ser eliminados do ambiente. Uma vez que conseguimos fazer a eliminação desses materiais, é um criadouro a menos para o mosquito”, diz chefe da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores. 

Emanuelle Pouzato também ressalta que o mosquito Aedes Aegypti tem se adaptado a diferentes ambientes para poder sobreviver. “Muitas vezes foram encontradas larvas do mosquito em locais onde não se encontrava, como fossas que não estavam bem vedadas. É importante, neste momento, que a população esteja engajada na eliminação dos criadouros que são passíveis de eliminação”, completa. 

Os comentários estão encerrados.