Prefeitura de Anagé rebate acusação de irregularidade na aplicação de recursos da Educação

0

Publicado por Mateus Novais | Colocado em Sudoeste | Data: 07 ago 2015

Tags:, , , ,

por Mateus Novais

DSC_0706O procurador do município de Anagé, Dr. Alexandre Pereira (foto) esteve no programa Resenha Geral, desta sexta-feira (7), e rebateu as acusações feitas por uma servidora daquela cidade contra a Administração Municipal. Segundo Alexandre, não há perseguição política contra a professora Elciana Soares, que também atua como funcionária técnica-administrativo.

De acordo com o procurador, o Sinserv, pela portaria do Ministério da Educação, que regulamenta a matéria, deveria indicar o representante mediante processo eletivo, o que não foi feito. “Após a senhora Elciana Soares ter sido nomeada, uma filiada ao sindicato questionou o fato. Em seguida, teve uma assembleia no sindicato, onde ficou decidido que deveria ter uma eleição. A professora Elciana, participou, disputou e não foi eleita. Restou à prefeita municipal anular o decreto, já que cabe a Administração anular os atos ilegais. E foi feita uma nova composição do Conselho do Fundeb, já observando a decisão do ato da categoria”.

O procurador do município de Anagé também descartou uma possibilidade de uma conciliação entre a Prefeitura e o Sindicato para a permanência da professora no Conselho. “Essa decisão é do Sindicato. E o Sindicato não indicou a professora. Então, não caberia à prefeita fazer qualquer tipo de ingerência no sindicato”.

Sobre as denúncias apresentadas pela professora, de uso indevido dos recursos, o representante da Administração Municipal de Anagé garantiu que elas são falsas. “O inquérito civil-publico está instaurado pelo Ministério Público Federal, nós estamos prestando todas as informações, juntando todos os documentos, para mostrar a forma proba, correta que tem sido gerido os recursos do município de Anagé. Pedimos também providências ao Ministério Público a cerca de uma série de inverdades que transborda esse processo e que deve ser objeto de investigação”, finalizou Alexandre Pereira.

Os comentários estão encerrados.