Prefeitura lança campanha #medeixefalar nos 21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral, Vit. da Conquista | Data: 23 nov 2021

Tags:, , ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é e2-pagadores-de-aluguel.gif

Secom/PMVC

Durante muito tempo a violência contra a mulher foi invisibilizada devido à resistência na intervenção por ser considerada “problema de família e de casal” e como consequência as mulheres foram reduzidas ao silêncio. Por isso, este ano a Prefeitura, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social (Semdes), escolheu o tema #medeixefalar que remete a ruptura do silêncio imposto às mulheres.

Apesar do silenciamento histórico da violência de gênero, os números da Delegacia de Atendimento à Mulher e do Centro de Referência da Mulher Albertina Vasconcelos (Crav) refletem uma realidade que ainda persiste em Vitória da Conquista e em todo território nacional. De janeiro a outubro de 2021, foram registrados 1.565 boletins de ocorrência na Delegacia Especializada da Mulher, já o Crav realizou neste mesmo período 1.343 atendimentos, sendo 185 novos acolhimentos (atendimento à mulher que procura o serviço pela primeira vez).

Com informação e ação é possível uma mudança de realidade, para tal a ONU propõe uma mobilização global pelo fim da violência de gênero. Segundo a coordenadora de Políticas para Mulheres, Dayana Evelinne Andrade, o ciclo de violência pode começar com uma simples interdição de fala, depois um xingamento, em seguida uma agressão física, podendo levar ao feminicídio, o último ato de uma escalada de violência. “Este ano infelizmente registramos um feminicídio que poderia ter sido evitado com uma rede de apoio mais eficaz e com a mobilização de todos. Por isso, vamos desenvolver ações que contemplam os locais de lazer da sociedade conquistense, além dos territórios de atuação do Sistema Único de Assistência Social- SUAS, do Transporte Público e das Unidades de Saúde do município. Estamos mobilizando a Associação de Bares e Restaurantes para que fiquem atentos a todos os tipos de violência contra mulher que podem ocorrer em seus estabelecimentos e os representantes dos Condomínios residenciais” explicou Dayana.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Social, Michael Farias, a violência contra a mulher deve ser debatida sempre. “Precisamos desconstruir os discursos que sustentam esse tipo de prática em nossa sociedade, por isso, é urgente darmos voz a todas as mulheres que sofrem violência, mas isso só acontecerá se falarmos sobre o assunto, debatermos todos os dias, para isso estamos realizando ações em todas as unidades socioassistenciais e também em parceria com outras secretarias”, declarou Michael.

A programação começa nesta terça-feira (23) e encerra no dia 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos.

Veja aqui a programação.

Conquista: Atividades presenciais e remotas discutem 21 de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres

0

Publicado por Editor 2 | Colocado em Segurança, Vit. da Conquista | Data: 11 dez 2020

Tags:, ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 22-12-02-image-2.png

Durante 21 dias, a Prefeitura de Vitória da Conquista promoveu e participou de ações virtuais e presenciais da campanha 21 de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Com o tema: “Isolamento social não é solidão! Você tem proteção”,  o Centro Municipal de Direitos Humanos, por meio da Coordenação de Políticas Públicas para as Mulheres, buscou informar e mobilizar toda a sociedade a cerca da necessidade do enfrentamento às situações violência contra as mulheres que aumentaram durante a pandemia.

“É necessário falar sobre violência contra as mulheres principalmente neste momento de pandemia em que vimos aumentar o número de casos em todo Brasil. A pandemia expôs esse grande problema que durante muito tempo ficou invisível aos nossos olhos, por isso, mesmo com a dificuldade de reunir a população para discutir sobre o tema, estamos intensificando informações de forma remota e realizando reuniões em grupos menores”, esclareceu a coordenadora Políticas Públicas para Mulheres, Dayana Andrade.

…Leia na íntegra