Faculdade Maurício de Nassau emite nota sobre falso arquiteto que estava atuando como professor

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 05 maio 2017

Tags:,

Da Redação

A Faculdade Maurício de Nassau emitiu nota esclarecendo o caso do falso arquiteto que estava atuando como professor na Instituição. Conforme o comunicado, a Instituição “está colaborando com a Polícia Federal e o Conselho de Arquitetura da Bahia”.

“Assim que os fatos forem apurados e esclarecidos pelos órgãos responsáveis, a Instituição tomará as providências necessárias. A Faculdade Maurício de Nassau reforça que tem compromisso com os direitos educacionais de nossos estudantes”, finalizou a nota.

De acordo com as informações divulgadas, foi a própria Faculdade que fez a denúncia junto ao Conselho, dando início à investigação e à ação criminal na Polícia Federal. O indivíduo se passava por “Arquiteto e Urbanista”, atuando como professor especialista da área. Conforme o Conselho de Arquitetura e Urbanismo da Bahia, o homem está sendo acusado de cometer os crimes de falsa identidade,  falso material,  falsidade ideológica, estelionato e uso de documento falso.

 

Falso arquiteto que atuava como professor em Conquista é investigado pela Polícia Federal

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 04 maio 2017

Tags:, ,

Da Redação

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo da Bahia (CAU/BA) representou criminalmente perante o Departamento Regional da Polícia Federal, em Vitória da Conquista, um indivíduo que se passava por “Arquiteto e Urbanista”, inclusive, atuando como professor especialista da área. A ação aconteceu depois de uma fiscalização deflagrada a partir de denúncia formulada pela Faculdade Maurício de Nassau.

O homem está sendo acusado de cometer os crimes de falsa identidade,  falso material,  falsidade ideológica, estelionato e uso de documento falso.Conforme o Conselho, os “documentos comprobatórios indicam que as infrações foram praticadas em concurso material de crimes porquanto além de utilizar identidade e qualificação técnica como arquiteto e urbanista que não possui, ministra aulas em entidade de ensino superior, auferia vantagem indevida de natureza patrimonial, também mantém em erro um número incalculável de pessoas e entidades públicas e privadas”. Agora, o caso está sendo apurado pela Polícia Federal.

Por meio de nota, o Conselho ressaltou que “cumprindo sua missão atua de forma estratégica e articulada, pugna pelas boas práticas da “Arquitetura e Urbanismo’, e colabora, em consequência, com a defesa da sociedade, haja vista a existência de inúmeras e diferentes vítimas que certamente foram alcançadas pela ação criminosa do alegado “Professor Arquiteto”, como os alunos da instituição de ensino em processo de formação acadêmica”.