IBGE lança painel com dados de covid-19 por município

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 21 set 2020

Tags:, ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner_oeste_park_setembro-1.gif

A.Brasil (conteúdo)

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lançou hoje (21) o Painel Covid-19 Síntese por Município. Com a plataforma, que está disponível na internet, é possível acessar mapas interativos, selecionar uma localidade de interesse e visualizar, em um único ambiente, 24 indicadores para o planejamento de ações de apoio contra a pandemia para todos os 5.570 municípios do país.

O painel integra informações de pesquisas do IBGE, do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) do Ministério da Saúde e do projeto Brasil.io da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/Brasil.IO). Os dados, que podem ser baixados no formato kml, shp e csv, estão separados em três categorias: população vulnerável (2010 e 2019), capacidade de resposta do sistema de saúde (2019) e acompanhamento da pandemia (2020).

O coordenador de Geografia e Meio Ambiente, Claudio Stenner, disse que a intenção é permitir que a sociedade tenha acesso a um conjunto de informações mais integradas de seu município. “O painel integra diversos indicadores coerentes em relação à pandemia, em um ambiente que permite visualizar, facilmente, as informações no mapa e, a partir dele, comparar com outros municípios e com a unidade da federação de forma interativa”, destacou.

…Leia na íntegra

Governo autoriza concurso do IBGE para até 6,5 mil vagas temporárias

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 14 set 2020

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner_oeste_park_setembro-1.gif

Fonte: A Tarde

Foi autorizado pelo governo federal, a abertura de processo seletivo no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE) para até 6.500 vagas temporárias. A portaria foi publicada na última sexta-feira (11), no Diário Oficial da União.

Segundo o órgão, os profissionais serão contratados a partir de 2021 “para operacionalização das pesquisas permanentes de natureza estatística e geocientífica do IBGE”. As vagas serão para agentes de pesquisa e para supervisores.

De acordo com a portaria do Ministério da Economia, o edital de abertura de inscrições para o processo seletivo será publicado em até 6 meses. O prazo de duração dos contratos deverá ser de até um ano, com possibilidade de prorrogação. O valor das remunerações ainda não foi divulgado.

Mais de 12,5 milhões de brasileiros estão desempregados, aponta IBGE

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Trabalho | Data: 03 jul 2020

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Resenha_Vermelho_600x65.gif

Brasil 61

A taxa de desemprego no Brasil chegou a 12,9%, o equivalente a 12,7 milhões de brasileiros, aponta a última pesquisa Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os dados apontam que a desocupação cresceu 1,2% no trimestre encerrado em maio em relação ao trimestre anterior (dezembro de 2019 a fevereiro de 2020). 

No último levantamento, a taxa de desemprego estava em 11,6%. Segundo a Pnad, o percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar caiu para 49,5%, o menor desde o início da série histórica, que começou em 2012. Já a taxa de informalidade é de 37,6% da população ocupada, o que significa 32,3 milhões e trabalhadores informais. O índice também é o menor da série, iniciada em 2016. A taxa no mesmo trimestre do ano passado era de 41%. 

Na avaliação por atividades, houve redução em nove grupos. O mais afetado foi o de Alojamento e Alimentação, que teve retração de 22,1%. Em seguida vêm o setor de serviços domésticos (-18,7%) e da Construção (-16,4%). O comércio, a indústria e a agricultura também tiveram queda na atividade. 

IBGE anuncia ressarcimento de taxa de inscrição de concurso via aplicativo

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 12 maio 2020

Tags:, ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Resenha_Vermelho_600x65.gif

Fonte:

A partir do dia 19 de maio, o IBGE começará a restituir a taxa de inscrição aos candidatos do processo seletivo simplificado do Censo 2020. A devolução será realizada por meio do aplicativo Carteira Digital bB, do Banco do Brasil, disponível gratuitamente para celulares com sistema Android ou iOS. Com o adiamento do Censo para 2021 em função da pandemia de Covid-19, a seleção para contratar temporariamente 208.695 pessoas foi cancelada em 17 de março.

Não é preciso ser correntista do banco para se cadastrar no aplicativo, que funciona como uma conta de pagamento digital apenas para transferência de valores e não cobra nenhuma taxa ou tarifa para pagamentos, transferências ou saques.

Serão restituídos R$ 2.823.775,95 entre os 100.735 candidatos que pagaram a taxa de inscrição até o cancelamento do processo seletivo. As taxas foram de R$ 35,80 para concorrer a funções de nível médio (agente censitário) e de R$ 23,61 para disputar as vagas de ensino fundamental (recenseador). Os inscritos para mais de um cargo receberão os valores em uma única parcela.

De acordo com o coordenador de Orçamento e Finanças do IBGE, Antonio Carlos Mantuano, esta foi a solução encontrada para evitar que os candidatos tivessem que se dirigir a uma agência bancária no período de confinamento.

IBGE adia Censo para 2021

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Geral | Data: 18 mar 2020

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Pel_banner_600x65-Resenha-_day.jpg

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE) anunciou nesta terça-feira (17), o adiamento do Censo Demográfico para 2021 diante da evolução de casos de covid-19 no Brasil. A coleta de dados estava prevista para este ano.

Segundo o instituto, o próximo Censo terá como data de referência o dia 31 de julho de 2021 e a coleta será realizada de 1º de agosto a 31 de outubro de 2021. O concurso com 208 mil vagas anunciado para a realização do Censo foi suspenso. Os candidatos que já fizeram o pagamento da inscrição serão reembolsados.

“A decisão (de adiar para 2021) leva em consideração a natureza de coleta da pesquisa, domiciliar e predominantemente presencial, com estimativa de visitas de mais de 180 mil recenseadores a cerca de 71 milhões de domicílios em todo o território nacional”, informou o IBGE em comunicado.

O orçamento que seria destinado ao Censo será transferido para o Ministério da Saúde para combater o avanço do coronavírus, segundo o IBGE. “Em contrapartida, no próximo ano, o Ministério da Saúde realocará orçamento no mesmo montante com vistas a assegurar a realização do Censo pelo IBGE”, garantiu a instituição.

Concurso do IBGE para o Censo 2020 oferece mais de 208 mil vagas

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Brasil, Geral, Trabalho, Vit. da Conquista | Data: 10 mar 2020

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Pel_banner_600x65-Resenha-_day.jpg

Seguem abertas até 24 de março, as inscrições para mais de 208 mil vagas temporárias abertas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para a realização do Censo Demográfico 2020 estão distribuídas em todos os municípios do país.

São dois processos seletivos e um total de 208.695 mil vagas, sendo: 180.557 vagas para a função de recenseador, distribuídas em 5.569 municípios;
22.676 vagas para a função de agente censitário supervisor e 5.462 vagas para a função de agente censitário municipal, distribuídas em 4.612 municípios.

Esses profissionais irão trabalhar na coleta de informações do Censo 2020, entrevistando os moradores de todos domicílios brasileiros. O quadro com a distribuição das vagas oferecidas em cada uma das cidades pode ser consultado no site do IBGE.

IBGE abre mais de 200 mil vagas temporárias para o Censo 2020

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral, Trabalho | Data: 05 mar 2020

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner_e2_piscina-3.gif

Foi aberto pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o processo seletivo para mais de 208 mil vagas temporárias, para a realizar o Censo Demográfico. O contrato pode durar até três meses, podendo ser prorrogado, de acordo com a necessidade para concluir as atividades do Censo. 

Foram publicados dois editais no Diário Oficial da União desta quinta-feira (5).  primeiro oferece 180.557 vagas para a função de recenseador. Os candidatos precisam apenas o ensino fundamental completo. Para esta função, a remuneração será por produção, calculada por setor censitário.

Já o segundo edital prevê 5.462 vagas para a função de agente censitário municipal e 22.676 vagas para a função de agente censitário supervisor. Para estas vagas é necessário ter o ensino médio completo.  Os salários são de R$ 2.100 e R$ 1.700, respectivamente. A previsão de duração do contrato é de até cinco meses, podendo também ser prorrogado.

AS inscrições começam nesta quinta e vão até o dia 24 de março, no site da Cebraspe, que organiza a seleção. 

Inscrições para o processo seletivo do IBGE terminam na próxima semana

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral, Trabalho | Data: 10 out 2019

Tags:, ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner_oeste_park.gif

As inscrições para o concurso do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), devem ser feitas pela internet, até o próximo dia 15 de outubro. As provas serão realizadas em 1.031 municípios no dia 8 de dezembro.

As vagas para Coordenador Censitário Subárea (CCS) exigem nível superior completo em qualquer área do conhecimento, e não apenas nível médio, como constava anteriormente. O instituto abrirá 1.343 postos de trabalho como Coordenador Censitário Subárea (CCS) e outros 1.315 para Agente Censitário Operacional (ACO), distribuídos pelas 27 unidades da federação.

A função de agente censitário exige que os candidatos tenham concluído o ensino médio. Já as vagas para coordenador censitário exigem, além da conclusão do ensino superior em qualquer área do conhecimento, a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) definitiva ou provisória, dentro do prazo de validade, no mínimo para a categoria B.

IBGE abre processo seletivo com 2,6 mil vagas para o Censo 2020

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Geral, Trabalho | Data: 26 set 2019

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

Fonte:EBC

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira, 25, uma correção no edital do concurso de trabalhadores temporários para o Censo Demográfico 2020. As vagas para Coordenador Censitário Subárea (CCS) exigem nível superior completo em qualquer área do conhecimento, e não apenas nível médio, como constava anteriormente.

O instituto abrirá 1.343 postos de trabalho como Coordenador Censitário Subárea (CCS) e outros 1.315 para Agente Censitário Operacional (ACO), distribuídos pelas 27 unidades da federação. A função de agente censitário exige que os candidatos tenham concluído o ensino médio. Já as vagas para coordenador censitário exigem, além da conclusão do ensino superior em qualquer área do conhecimento, a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) definitiva ou provisória, dentro do prazo de validade, no mínimo para a categoria B.

As inscrições para o concurso devem ser feitas pela internet, até o próximo dia 15 de outubro. As provas serão realizadas em 1.031 municípios no dia 8 de dezembro.

…Leia na íntegra

Brasil tem mais de 210 milhões de habitantes, aponta IBGE

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Geral | Data: 29 ago 2019

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

A população do Brasil ultrapassou a marca de 210 milhões de habitantes, de acordo com dados levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com os dados o País já conta com uma quantidade superior aos 208 milhões registrados em 2018. O número atualizado é de 210.147.125 de habitantes.

Três Estados do Sudeste estão no topo da lista dos mais populosos. São Paulo lidera com 45.919.049 de habitantes. Em seguida, vêm Minas Gerais, com 21.168.791 de habitantes, e Rio de Janeiro, com 17.264.943.

No Nordeste, a Bahia tem a maior população da região, com 14.873.064 de habitantes. No Sul, Paraná e Rio Grande do Sul quase empatam no número de pessoas, com 11.377.239 e 11.433.957 de habitantes, respectivamente. No Norte, o Estado do Pará é o mais populoso, com 8.602.865 de habitantes, e, no Centro-Oeste, é o Estado de Goiás, com 7.018.354. Pela nova estimativa, o Distrito Federal tem 3.015.268 de moradores.

Desemprego recua 0,7 ponto percentual no segundo trimestre de 2019 aponta IBGE

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Geral, Trabalho | Data: 01 ago 2019

Tags:,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Via-Bahia.png

A taxa de desocupação no país caiu de 12,7%, no primeiro trimestre deste ano, para 12%, no trimestre de abril a junho. Isso significa que o desemprego no país apresentou uma redução de 0,7 ponto percentual, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta quarta-feira (31), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A pesquisadora do IBGE, Adriana Beringuy, ressalta que no segundo trimestre do ano, foram preenchidas mais 294 mil vagas com carteira assinada. Segundo ela, o que representa um aumento de 0,9% em comparação com o trimestre anterior.

O número de brasileiros que trabalham por conta própria aumentou 1,6% no segundo trimestre do ano e chegou a 24,1 milhões. “Foi observado um aumento na população ocupada, no emprego. Esse movimento, de certa forma, é um movimento esperado, porque nos primeiros meses do ano podem ocorrer processos de dispensas de trabalhadores temporários, que foram contratados lá no fim de 2018. Chega agora o segundo trimestre, volta-se a observar processos de contratação, de mais pessoas buscando e encontrando trabalho”, conta a pesquisadora do IBGE, Adriana Beringuy.

O número de desalentados, que são as pessoas que desistiram de procurar trabalho, se manteve recorde no percentual da força de trabalho, com 4,4%, o que chega a quase 5 milhões de pessoas.

IBGE abre seleção para o Censo 2020 com vagas temporárias para Bahia

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Brasil, Geral, Vit. da Conquista | Data: 08 jul 2019

Tags:, ,

Foi divulgado nesta segunda-feira (08), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o edital do processo seletivo para preenchimento de 400 vagas temporárias para a realização do Censo Demográfico 2020, sendo 11 para a Bahia. As inscrições podem ser feitas até o dia 23 de julho.

As vagas são para o cargo de Analista Censitário e exigem nível superior completo em diversas áreas de conhecimento, como Ciências Contábeis, Ciências Sociais e Jornalismo, com contrato previsto para durar até 12 meses. Os contratados receberão remuneração de R$ 4,2 mil, auxílio-alimentação, auxílio-transporte, férias e 13º salário proporcionais.

Para se inscrever, é preciso acessar o site do Instituto AOCP, organizador do processo seletivo.  O valor da inscrição é de R$ 64.

Há vagas reservadas a pessoas com deficiência e pessoas que se autodeclaram pretas ou pardas, dentro dos porcentuais definidos na legislação.

IBGE: questionários do Censo 2020 sofrem redução

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Geral | Data: 29 maio 2019

Tags:,

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), informou nesta terça-feira que o Censo 2020 terá questionários menores do que os aplicados no Censo 2010.

Conforme o órgão, o questionário completo passará a ter 76 perguntas, em vez das 112 previstas no último teste feito pelo corpo técnico,  um corte de 30%. O IBGE reconhece o contexto de restrição orçamentária, mas afirma que a mudança está em sintonia com a tendência internacional de “otimização da operação censitária”.

A verba estimada inicialmente para o Censo 2020 foi de aproximadamente R$3,1 bilhões, mas o IBGE trabalha atualmente com uma redução de 25%. A meta é investir em torno de R$2,3 bilhões. A presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, nega ter recebido qualquer orientação do governo federal para reduzir os questionários.

IBGE vai contratar 234 mil profissionais temporários para Censo 2020

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 07 maio 2019

Tags:, ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-candeias-premium.gif


O Ministério da Economia autorizou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a contratar até 234,4 mil trabalhadores temporários para atuar no Censo Demográfico 2020. .

Os profissionais poderão ser contratados a partir de janeiro do ano que vem, mediante processo seletivo cujo edital deverá ser publicado em até seis meses.

Os contratos terão duração de um ano, mas poderão ser prorrogados, com base nas necessidades de conclusão das atividades. O valor das remunerações será definido pelo IBGE.

Confira as vagas previstas:

…Leia na íntegra

IBGE deve contratar mais de 200 pessoas para o Censo Experimental em 2019

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Geral | Data: 25 mar 2019

Tags:, , ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é PEL-1.gif

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi autorizado, pelo Ministério da Economia a contratar 209 profissionais para atuar no Censo Experimental 2019. As contratações, que serão temporárias, podem ser feitas a partir de julho deste ano.

De acordo com portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU), as contratações somente serão formalizadas mediante disponibilidade de dotações orçamentárias específicas, e o recrutamento dos profissionais dependerá de prévia aprovação dos candidatos em processo seletivo simplificado. O edital para inscrições no concurso deverá ser publicado em até seis meses.

Ainda segundo a norma, o IBGE definirá a remuneração dos profissionais a serem contratados. Além disso, o prazo de duração dos contratos deverá ser de até um ano, podendo ser prorrogado se devidamente justificado com base nas necessidades de conclusão das atividades relacionadas ao censo experimental.

No Brasil, 10% mais ricos ganham cerca de 17,6 vezes mais que os 40% mais pobres, aponta IBGE

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Economia | Data: 06 dez 2018

Tags:, , , ,

Reprodução do site da CDL

Enquanto rendimento médio mensal dos mais ricos em 2017 foi de R$ 6.629, para os mais pobres foi de R$ 376. Grupo dos 10% mais ricos concentram 43,1% da renda do país

Um levantamento divulgado nesta quarta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) evidencia o quanto permanece desigual a distribuição de renda no Brasil. Na média nacional, os mais ricos chegam a receber 17,6 vezes mais que os mais pobres. Na divisão por capitais, essa diferença chega a 34,3 vezes (marca registrada por Salvador).

Segundo o IBGE, o rendimento médio mensal (incluindo, além da renda proveniente do trabalho, os rendimentos de aposentadoria, pensão, aluguel, programas sociais etc) per capita domiciliar em 2017 foi de R$ 6.629 para a parcela que representa os 10% dos brasileiros mais ricos. Já entre a parcela dos 40% mais pobres, o rendimento médio foi de apenas R$ 376.

A Região Nordeste é que apresenta a maior desigualdade nesta comparação. Nos estados nordestinos, os 10% mais ricos ganhavam cerca de 20,6 vezes mais que os 40% mais pobres no ano passado.

Em seguida, vem a Região Norte, com uma diferença de 18,4 vezes, o Centro-Oeste, com uma diferença de 16,3 vezes, o Sudeste, com 11,4 vezes. A menor desigualdade foi observada na Região Sul, onde os mais ricos ganhavam cerca de 11,4 vezes mais que os mais pobres.

Por estados e capitais

A desigualdade se amplia ainda mais quando se diminuiu o recorte territorial. Ao se analisar as 27 unidades da federação, o Amazonas tem os 10% mais ricos com rendimentos 30,1 vezes maiores que os 40% mais pobres. Já Santa Catarina tem a menor desigualde, sendo a diferença de rendimento entre estes dois grupos de 8,6 vezes.

Já na análise das capitais, observa-se que a diferença chega a 34,3 vezes em Salvador, a maior do país. Lá, enquanto os 10% mais ricos tiveram rendimento médio de R$ 8.895, o dos 40% mais pobres foi de R$ 280.

A menor desigualdade entre as capitais foi observada em Florianópolis, onde os mais ricos ganhavam em média R$ 9.180, o que representa 8,6 vezes mais que os mais pobres, cujo rendimento médio foi de R$ 880.

Mais ricos concentram 43,1% da massa de rendimento

Segundo o levantamento divulgado pelo IBGE, em 2017 o grupo dos 10% com os maiores rendimentos concentrava 43,1% de toda a massa rendimento, que é a soma de toda a renda do país. Já o grupo dos 40% com os menores rendimentos detiveram apenas 12,3% da massa.

Em 2016, o grupo mais rico concentrava 42,9% da massa de rendimento, enquanto o mais pobre detinha 12,4%. “A variação não é muito expressiva, mas a gente está analisando só dois anos”, ponderou o pesquisador Leonardo Athias.

Considerando a diferença da massa de rendimento, há regiões em que a parcela dos 10% mais ricos detinha cerca de 5,5 vezes mais que os 40% mais pobres.

Índice de Palma

A partir da análise da concentração da massa de rendimento se chega ao Índice de Palma, indicador que apresenta a razão do rendimento apropriado pelo décimo mais rico em comparação com os quatro décimos mais pobres do país.

O Índice de Palma no Brasil em 2017 ficou em 3,51. Isso significa que os 10% mais ricos tinham massa de rendimento cerca de 3,5 vezes maior que os dos 40% mais pobres. Em 2016, esse índice era de 3,47.

A análise regional do indicador permite perceber que a região Sul é a com a menor desigualdade na concentração de renda, tendo Índice de Palma de 2,79 em 2017. Dentre as demais regiões, o índice variou entre 3,32 no Sudeste e 3,85 no Nordeste, a mais desigual. O Norte ficou com índice próximo ao nacional, de 3,52. Já o índice do Centro-Oeste ficou em 3,68.

Fonte: G1 (leia na íntegra aqui)

 

Bahia registra queda na estimativa do número de habitantes, segundo IBGE

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 29 ago 2018

Tags:,

Banner marcelo santana

Da Redação


O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a Estimativas de População 2018. Segundo os dados, a Bahia registrou uma queda na estimativa do número de habitantes. Conforme o IBGE, houve uma redução de 3,5% (que equivale a menos 531.830 pessoas) em relação à estimativa de 2017, que trazia o estado com 15.344.447 habitantes.

Esta redução na projeção populacional do estado impactou as estimativas de todos os municípios. A estimativa de Vitória da Conquista, por exemplo, caiu 2,82%, ou seja saiu de 348.718 habitantes em 2017, para 338.885. Ainda segundo o IBGE, a revisão do cálculo foi motivada pela redução no componente natalidade, pois o número de nascimentos registrados entre os anos de 2000 e 2016 foi menor do que previa a projeção anterior, de 2013.

As Estimativas de população do IBGE são projeções das populações de todos os municípios brasileiros por um método matemático. Resultam da distribuição das populações projetadas para os estados (a partir de indicadores de nascimentos, mortes e migração), segundo a tendência de crescimento demográfico de cada município, delineada nos dois últimos Censos Demográficos (2000 e 2010). Também incorporam eventuais alterações de limites territoriais.

As estimativas populacionais municipais são um dos parâmetros utilizados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) no cálculo do Fundo de Participação de Estados e Municípios (FPE e FPM) e são fundamentais para o cálculo de indicadores econômicos e sociodemográficos.

Nos últimos 4 anos, 88,5% das cidades baianas enfrentaram seca, aponta IBGE

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Meio Ambiente | Data: 05 jul 2018

Tags:, ,

G1

Entre os anos de 2013 e 2017, 369 dos 417 municípios baianos (88,5% do total) informaram ter sofrido episódios de seca, segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais (MUNIC), divulgada nesta quinta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A proporção, conforme o levantamento, é superior às médias nacional — no mesmo período, 48,1% dos municípios brasileiros enfrentaram seca — e do Nordeste (82,6%).

No estado, no ano passado, nove em cada 10 municípios (89,0% ou 371, em números absolutos) sofreram as consequências de algum impacto ambiental — terceiro maior percentual de cidades atingidas por danos ambientais entre os estados brasileiros.

A Bahia ficou abaixo apenas do Espírito Santo, onde 93,6% dos municípios relataram impactos ambientais, e Ceará (92,9%).

No país como um todo, 3.800 dos 5.570 municípios (68,2%) informaram ter sofrido impactos de danos ambientais em 2017.

Na Bahia, a seca, aponta o IGBE, foi “de longe o desastre natural mais frequente”. Em seguida, aparecem os alagamentos (relatados por 20,6% dos municípios), enxurradas ou inundações bruscas (em 18,9% das cidades) e os processos erosivos acelerados (em 18,7% dos municípios).

O desastre natural menos informado pelos municípios do estado foi o escorregamento ou deslizamento de encosta, que ocorreu em menos de 1 em cada 10 cidades (41 ao todo, ou 9,8% do total).

Os impactos ambientais relacionados a condições climáticas extremas (secas, enxurradas), atingiram 6 em cada 10 municípios no estado (61,2%) em 2017 – quinto maior percentual do país.

O segundo tipo de impacto ambiental mais frequente foi o desmatamento, informado por quase 4 em cada 10 municípios baianos (39,3% ou 164 em números absolutos). Foi o segundo maior percentual dentre os estados, abaixo apenas do Pará, onde 45,8% dos municípios informaram ter sofrido impactos relacionados ao desmatamento.

A frequência desse tipo de problema ambiental entre os municípios baianos também ficou bem acima da média nacional: no Brasil como um todo, 18,3% dos 5.570 municípios informaram ter sofrido impactos do desmatamento no ano passado.

Nos municípios baianos, os impactos ambientais menos relatados foram aqueles ligados à poluição do ar (por 15 cidades) e à existência de moradia em situação de risco ambiental (por 14 municípios).

…Leia na íntegra

Vitória da Conquista tem o 5º maior PIB da Bahia

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 14 dez 2017

Tags:,

Da Redação


O  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta quinta (14), o ranking do Produto Interno Bruto (PIB) dos municípios brasileiros. De acordo com os dados, Vitória da Conquista possui o 5º maior PIB da Bahia, considerando a relação do PIB por habitantes (PIB per capita). O levantamento considera o intervalo entre 2014 e 2015.

Na lista estadual dos maiores PIB, constam Salvador, com R$ 57, Camaçari, com R$ 20,3 bilhões; Feira de Santana, com R$ 11,9 bilhões; São Francisco do Conde, com R$ 8,6 bilhões; Vitória da Conquista (R$ 5,7 bilhões); Lauro de Freitas (R$ 5,6 bilhões); Simões Filho (R$ 4,56 milhões), Luís Eduardo Magalhães (R$ 4,35 milhões); Itabuna (R$ 3,84 milhões); e Barreiras (R$ 3,71 milhões).

Ainda conforme o levantamento, as cidades do interior têm ganhado participação no PIB. Salvador, por exemplo, apesar de ser responsável por pouco mais de um 1/5 da economia do estado, foi o município que mais perdeu participação no PIB baiano.

Vitória da Conquista tem mais de 348 mil habitantes, afirma IBGE

0

Publicado por Editor | Colocado em Vit. da Conquista | Data: 30 ago 2017

Tags:,

Da Redação


Vitória da Conquista conta, atualmente, com 348.718 habitantes. O dado faz parte das estimativas das populações residentes nos 5.570 municípios brasileiros, com data de referência em 1º de julho de 2017, que foi divulgado nesta quarta(30), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o Instituto, o houve um aumento de 0,76%, em relação à quantidade de habitantes que residiam na cidade conquistense em 2016.

O crescimento da população de Vitória da Conquista é semelhante a do resto do país. Em mais da metade dos municípios (53,6%), as taxas de crescimento populacional foram inferiores a 1%. Feira de Santana, a maior cidade do interior, por exemplo, aumentou em 0,77% a população local, tendo 627.477 moradores em relação a 622.639 da última contagem.

Conforme o IBGE, a diminuição da taxa populacional nos municípios é uma tendência que vem ocorrendo nos últimos anos e decorre da redução da fecundidade e da migração.