Com 374.051 vacinados contra o coronavírus, a Bahia é um dos estados com o maior número de imunizados

0

Publicado por Editor 2 | Colocado em Bahia, Saúde, Sudoeste, Vit. da Conquista | Data: 15 fev 2021

Tags:, ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 22-12-02-image-2.png

Neste domingo (14), o boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) sobre a Covid-19 registrou 61 óbitos. Apesar das mortes terem ocorrido em diversas datas, a confirmação e registro foram contabilizados hoje. Na última semana, os números demonstraram uma tendência de crescimento dos óbitos e de quadros clínicos mais graves, o que tem ampliado a taxa de ocupação nas UTIs. Neste cenário, o Governo da Bahia abriu novos leitos de terapia intensiva nos municípios de Camaçari, Seabra e Barra nos últimos dias e estão previstas ampliações nas cidades de Ilhéus e Porto Seguro, em um esforço para reduzir a pressão na rede assistencial.

A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

O número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 10.735, representando uma letalidade de 1,70%. Dentre os óbitos, 56,56% ocorreram no sexo masculino e 43,44% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 55,19% corresponderam a parda, seguidos por branca com 20,09%, preta com 14,55%, amarela com 0,60%, indígena com 0,14% e não há informação em 9,43% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 70,71%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (74,51%).

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 2.584 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,4) e 2.124 recuperados (+0,4%). Dos 629.849 casos confirmados desde o início da pandemia, 603.722 já são considerados recuperados e 15.392 encontram-se ativos.

…Leia na íntegra

O que muda com a chegada da vacina de Oxford ao país?

0

Publicado por Editor | Colocado em Geral | Data: 23 jan 2021

Tags:, , ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner-redes-sociais-ano-novo.gif

r7.com

A vacina de Oxford está incorporada ao programa nacional de imunização
A vacina de Oxford está incorporada ao programa nacional de imunização
RUSSELL CHEYNE/REUTERS – 07.01.2021

Dois milhões de doses da vacina de Oxford que seriam usados para abrir o plano de vacinação contra a covid-19 do governo federal chegaram com quase uma semana de atraso da Índia, na sexta-feira (22) ao Brasil.

O uso emergencial desse lote de vacina já está aprovado desde o último domingo (17) e o plano de vacinação nacional está em andamento no país desde segunda-feira (18), sendo realizado a partir dos 6 milhões de doses da CoronaVac, liberados concomitantemente à vacina de Oxford.

Mas o que muda agora com a chegada da vacina de Oxford ao país? “Recebemos 2 milhões de doses, sendo possível vacinar mais 1 milhão de brasileiros. Então, a conta é: 6 milhões de doses iniciais, mais esses 2 milhões, que dá 8 milhões, além de 4 milhões que devem chegar ao país no final de janeiro ou começo de fevereiro, resultando em 12 milhões, o que permitirá vacinar 6 milhões de brasileiros”, explica o infectologista Renato Kfouri, primeiro-secretário da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações).

Esses 6 milhões de brasileiros incluem trabalhadores da saúde (5,8 milhões), indígenas (cerca de 400 mil) e idosos institucionalizados (cerca de 200 mil), conforme destaca Kfouri. “Creio que, nessa primeira fase, até meados de fevereiro poderemos oferecer essa primeira dose a toda essa população, guardando já a segunda dose para elas”, afirma. “A expectativa é que as remessas continuem chegando para que seja possível vacinar os idosos”, acrescenta.

Ele explica que, no momento, as vacinas de Oxford vão para esses grupos, juntamente com a CoronaVac. Mas, em uma próxima fase, serão destinadas a regiões mais longínquas, de difícil acesso, devido ao maior intervalo entre as doses. O intervalo da CoronaVac é de 28 dias e da vacina de Oxford, de três meses.  

Esse intervalo maior da vacina de Oxford é uma “vantagem logística”, segundo o infectologista. “Primeiramente, porque ao receber mais doses, se acelera o processo de vacinação, vacina mais gente com menos doses. E, e segundo, em regiões com menos acesso, que precisa de um tempo maior de deslocamento, esse intervalo facilita também”, afirma.

A infectologista Rosana Richtmann, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo, ressalta que a chegada da vacina de Oxford é “um respiro”. “A chegada da vacina de Oxford nos dá mais um respiro, uma tranquilidade. Em especial, porque é uma vacina que a gente vai conseguir usar todas elas na primeira dose, pois o intervalo para a segunda dose é muito maior, de até três meses, então dá muito mais tempo de vacinar o maior número de pessoas”, afirma a infectologista Rosana Richtmann, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo.

“É claro que é totalmente insuficiente ainda. O Brasil tem como missão agora ir atrás de mais vacinas, de mais fornecedores, melhorar sua relação diplomática com todo mundo para a gente poder garantir o maior número possível de vacinas para nosso país”, completa. 

Desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, a vacina de Oxford será produzida no Brasil pela Bio-Manguinhos, laboratório da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro.

A vacina usa uma tecnologia chamada vetor viral não replicante. Em vez de utilizar o próprio coronavírus para estimular a resposta imune no corpo, como as vacinas convencionais, ela usa um adenovírus que causa resfriado em chipanzés, modificado em laboratório, não sendo capaz de se replicar em células humanas.

Fragmentos do coronavírus, especificamente a proteína spike, são acopladas a esse adenovírus por meio de engenharia genética, funcionando como veículo para que os fragmentos do Sars-Cov-2 estimulem uma resposta imunológica no organismo.

Por ser um vírus desconhecido ao corpo humano, há uma tendência de gerar uma resposta imunológica robusta, segundo o infectologista Munir Ayub, da Sociedade Brasileira de Infectologia, afirmou em entrevista ao R7. Mas, por outro lado, segundo ele, por se tratar de uma tecnologia sofisticada, nem todos os laboratórios seriam capazes de produzir esse tipo de vacina.

Os testes começaram no Brasil em 20 de junho e englobaram cerca de 10 mil pessoas. Os testes globais chegaram a ser suspensos em setembro de 2020 depois que uma voluntária no Reino Unido ter apresentado reação adversa grave, mielite transversa, uma manifestação neurológica que afeta os nervos periféricos da coluna. Mas os testes foram retomados dias depois, após análise de um comitê independente, que definiu a doença como idiopática, ou seja, que se manifesta espontaneamente ou é de origem desconhecida.

A eficácia média da vacina de Oxford é de 70,4% de acordo com resultados preliminares da terceira e última fase de testes dos estudos clínicos publicada no periódio científico Lancet. A proteção foi de 62,1% para os voluntários que receberam duas doses completas do imunizante e subiu para 90% entre aqueles que receberam meia dose seguida de uma dose completa no intervalo de um mês. Nenhum dos voluntários imunizados apresentou quadro grave de covid-19.

Prefeitura de Conquista divulga boletins informando quantidade de pessoas vacinadas contra a Covid-19, o “vacinômetro”

0

Publicado por Editor 2 | Colocado em Saúde, Vit. da Conquista | Data: 22 jan 2021

Tags:, , , ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 22-12-02-image-2.png

Desde que as 4.040 doses de vacina contra o novo coronavírus, a CoronaVac, chegaram na madrugada da última terça-feira (19), no Aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista, foram encaminhadas para o Núcleo Regional de Saúde, e então para a sala de refrigeração da Secretaria Municipal da Saúde, que no mesmo dia, no período da tarde, deu início à Campanha de Vacinação contra a Covid-19 no município. A primeira pessoa a chegar para ser vacinada foi a técnica em enfermagem Luzenasia Beiginho de Sousa, de 33 anos, que atua no Centro de Atenção Municipal Covid-19.

Desde então a campanha teve continuidade no Comando Regional da Polícia Militar. Nesta primeira etapa foram priorizados os profissionais da saúde que atuam na linha de frente de combate à pandemia. E nesta sexta-feira (22) foram inclusos também idosos que vivem em casas de acolhimento.

Visando dar ainda mais transparência no processo de imunização contra a Covid no município de Vitória da Conquista, a SMS passou a divulgar um boletim informando a quantidade de pessoas vacinadas contra o coronavírus diariamente. De acordo com o “vacinômetro” como foi batizado o boletim, na terça-feira (19) 376 pessoas foram vacinadas, na quarta-feira (20) foram 722 pessoas e na quinta-feira (21) foram 427 pessoas, totalizando 1.527 cidadãos que tomaram a primeira dose da Coronavac.

…Leia na íntegra

Multivacinação e imunização contra a poliomielite tem início essa semana em todo país

0

Publicado por Editor | Colocado em Brasil, Geral | Data: 07 out 2020

Tags:, ,

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é banner_oeste_park_setembro-1.gif

Fonte: Brasil 61

A Campanha Nacional de multivacinação já começou em todo país. Todas as crianças poderão atualizar a caderneta de vacinação, ou seja, tomar as doses atrasadas e ainda receber a imunização contra a poliomielite.

Estima-se que mais 11 milhões de crianças, de um a cinco anos, sejam protegidas da poliomielite este ano no país. A meta do Ministério da Saúde é de imunizar 95% do público-alvo.

Durante a campanha, os profissionais em saúde vão atualizar a caderneta de vacinação das crianças e adolescentes com até 15 anos. Ao todo, os postos de saúde terão mais de 14 tipos de vacinas de proteção contra aproximadamente 20 doenças, como a tuberculose, paralisia infantil e febre amarela.

A campanha vai até o dia 30 de outubro e as vacinas estarão disponíveis para a população nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) de todo país. Os profissionais em saúde estão orientados a preparar ambientes seguros contra o Covid-19. A recomendação é que cada criança seja acompanhada por apenas um adulto, como forma de evitar aglomerações nos postos de vacinação.