Deputado Sandro Régis confirma saída do PR: ‘Devo ir para o DEM ou MD’

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia, Política, Sudoeste | Data: 17 maio 2013

Tags:, , , , ,

Por Rodrigo Ferraz

sandro regisEm visita a região Sudoeste nesta sexta-feira (17), quando esteve nas cidades de Poções e Itapetinga, o deputado estadual Sandro Régis (PR), confirmou que irá deixar o partido, já que lideranças da agremiação na Bahia já afirmaram que o PR estará apoiando o PT tanto a nível estadual quanto a nível nacional nas próximas eleições.

“Já entrei com uma solicitação e agora estou apenas aguardando, pois não concordo com os rumos que o meu atual partido está tomando. Tenho duas opções, ir para o Democratas, do prefeito de Salvador, ACM Neto, ou ingressar no MD, o partido da Mobilização Democrática, que surge após uma fusão do PMN e PPS. Vou ouvir as lideranças da oposição na Bahia, a exemplo do ex-governador Paulo Souto e resolver essa situação”, revela.

Fusão PPS-PMN: ‘Vamos nos fortalecer’, diz Frederico Ferraz

0

Publicado por Editor | Colocado em Política, Vit. da Conquista | Data: 30 abr 2013

Tags:, ,

Por Rodrigo Ferraz

ppsconquista-23 (1)Candidato a vice prefeito nas últimas eleições para prefeito de Vitória da Conquista ao lado de Elquisson Soares, o advogado Frederico Ferraz (PPS) esclareceu sobre a fusão aprovada dos partidos PPS e PMN, que acabou criando o partido da Mobilização Democrática (MD).

Segundo Ferraz, o objetivo do MD é reunir a Esquerda Democrática em torno de um bloco de centro-esquerda com o objetivo de promover amplas e profundas reformas democratizantes do sistema politico, do Estado, da sociedade e da economia nacional, de modo a promover um desenvolvimento sustentável, que respeite o meio ambiente e promova políticas sociais para muito além do atual assistencialismo.

“Tenho certeza que esta fusão é boa para o PPS de Vitória da Conquista que vem se fortalecendo no cenário político local e não estará fora desta luta nas eleições de 2014.. É visível que existe a necessidade de renovação no quadro de políticos para que as novas representações passem a atuar de forma efetiva na defesa dos interesses de nossa comunidade. Afinal, sem alternância de poder não se constitui um regime democrático.”