Trinta e Oito Canela Seca

0

Publicado por Editor | Colocado em Bahia | Data: 25 jun 2018

Tags:,

Por Valdir Barbosa

Na segunda feira desta semana findando, me pus a caminhar, tão logo o sol derramou seus primeiros raios dourando a bela lagoa postada numa das entradas de Itapetinga, cartão postal da cidade que me viu nascer como homem de policia, no abrir dos idos de 1976.

O domingo voara, pois estive na companhia de filha, genro, netos e amigas e amigos, tais quais, Jeremias do INSS, Benjamim Matos, provando as delícias dos acepipes de Joanita Xavier, maga da cozinha naquelas paragens, não tendo sido completa a festa, por conta da pífia apresentação do time brasileiro, frente à Suíça.

Pude ver viatura da Policia Militar, em serviço de ronda passando pelas imediações do Tiro de Guerra, nela – camionete nova, do tipo Ranger – dois prepostos devidamente paramentados e armados convenientemente.

Adiante, vez seguia em marcha acelerada ultrapassei dois senhores, para mim desconhecidos, porém, pude ouvir o teor de seu colóquio e agora cuido de reprisar fala de um destes: “Naquele tempo era fusquinha, um trinta e oito canela seca, nada de colete a prova de balas, nem fuzil, mas o povo respeitava a polícia”. Obviamente, aqueles homens simples tratavam de uma questão realmente preocupante nos dias correntes, a inversão de valores.

Esta realidade perversa é calcada, dentre outros fatores, na certeza de impunidade, nos exemplos negativos, sobretudo, dos que comandam ou comandaram os desígnios do País e muitos Estados da Federação ocupando cargos executivos; de grande maioria das figuras responsáveis por legislar, em todas as esferas, fazendo-o em causa própria; dos personagens incumbidos de julgar, mormente nas mais altas cortes, os quais decidem, não em favor da lei fazendo justiça, mas, em benefício dos responsáveis por indicá-los aos elevados cargos nos quais se acham.

Tamanhos despautérios, a par de uma sociedade sem educação, desprovida dos aspectos relevantes embutidos na consciência holística, fator preponderante no quanto respeita aos mínimos atos de considerar o interesse coletivo, o bem estar do semelhante, a preservação do meio ambiente torna por desagregar a célula máter da sociedade – família –  espargindo seus tentáculos maléficos, ao palco onde deve prosseguir a formação da criança e do jovem – escolas – refletindo falta de fé e resultando em total desrespeito a quaisquer autoridades constituídas.

Acresça-se a tudo isto, o aumento desenfreado do uso e tráfico de drogas, grande flagelo da sociedade contemporânea, razão indiscutível a incidir no aumento absurdo da criminalidade que transforma os cidadãos, em reféns dos bandidos, cada vez mais ousados e violentos.

Refletindo nas ditas questões volvi ao gênesis da minha carreira e anos seguintes recordando momentos de efetivo respeito e consideração aos homens de polícia. Tempo em que autoridades cariocas podiam subir aos morros e favelas para cumprir seu desiderato – a interesse de investigações do nosso estado assim o fiz algumas vezes, com dois ou três colegas fluminenses, para prender assaltantes de bancos, sequestradores, homicidas – sem precisar uso de “caveirões” e apoio de blindados do exército.

Época na qual não se ouvia falar do absurdo número de homens mortos, integrantes dos mais diversos escalões e de todas as agremiações policiais, fato registrado quase diariamente em muitos cantos da nação, alguns deles abatidos com requintes de crueldade absurda.

A sociedade precisa acordar para estes gravíssimos problemas e não só criticar, mas, em especial cumprir cada um sua parte, de forma mais altruísta e consequente. Menos egoísmo pode residir na simples máxima de deixar por fazer ao próximo, o quanto desejaríamos não fosse feito conosco. Atitude de extrema consequência consiste em escolher, pelo voto, legisladores e executivos comprometidos com interesses sociais, conhecedores dos essenciais serviços necessários ao desenvolvimento e bem estar de cada uma das comunidades brasileiras.

É preciso fazer representantes, peritos nos assuntos relativos a educação, saúde, segurança, meio ambiente, mobilidade urbana, dentre outros de grande importância, no sentido de que  tenham seus projetos, bases sólidas e factíveis. Executivos probos e competentes, capazes de administrar, com posturas responsáveis e adequadas, os redutos daqueles que referendem seus nomes, nas escolhas havidas quando do sufrágio.

Findas as eleições municipais de 2016, escrevi a mensagem seguinte: Nestes quarenta dias de campanha buscando ser um dos representantes do povo de Vitória da Conquista aprendi muito mais do que nos meus quarenta anos de vida pública, dedicados a combater o crime. Pude conhecer a face da inveja, da ambição, da hipocrisia, mas tive o privilégio de encontrar  um mundo de desprendimento, entrega, apoio e suporte em tantos rostos conhecidos e desconhecidos. Cumpre-me então agradecer a Deus e as quatrocentas e oitenta e três pessoas que acreditaram nas minhas ideias e propostas, bem como aos abnegados agentes multiplicadores, capazes de fazê-las crer em mim. Entendi também, como plantas exóticas e especiais, na política, nem sempre  é  possível colher frutos na primeira safra. Assim, desde agora cuido de regar, podar e adubar essa árvore  sensível, na certeza de que, em 2018, a vitória semeada em Conquista  virá.

Pensando na conversa ouvida na manhã daquela segunda feira, em Itapetinga tomei coragem. Partirei na direção de nova semeadura, decerto buscando a vitória tentando uma vaga na Câmara Estadual, mas objetivando, primordialmente, difundir o quanto penso possa ser feito na área da segurança pública, assim como em prol das mulheres e homens de polícia, passadas mais de quatro décadas, desde quando tudo começou, com lastro na condição de eterno aprendiz.

Salvador, 21 de junho de 2018.

valdir barbosa

Os comentários estão encerrados.